25
Seg, Set

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

A falta de respeito da Hydro co a população de Barcarena parece que não ter fim. A postura de privilegiar trabalhadores de outros estados em detrimento dos moradores da região tem trazido problemas, pois cerca de 30 mil desempregados esperavam que as vagas surgidas fosse beneficiá-los.

Essa posição resultou em um movimento com a indignação contra a maneira que os gestores das empresas e prefeitura tratam a questão do desemprego em Barcarena.

Apesar de ser a quarta arrecadação do estado Barcarena apresenta alto índice de desigualdade social. Um município rico economicamente e pobre socialmente.

Há tempos a Hydro terceiriza seus serviços, contratando empresas de outros estados, que chegam trazendo a mão de obra dessas unidades da federação. No mês passado a Hydro contratou um empresa baiana e a mesma trouxe toda mão de obra daquele estado o estopim para a revolta de trabalhadores desempregados que em um movimento conjuntural, organizaram uma manifestação e fecharam as vias de acesso as fábricas e porto.

Duas reuniões foram realizadas na câmara de vereadores e nas duas a Hydro Alunorte nao compareceu, o que aumentou a revolta contra empresa. A Hydro poderia ter abatido este movimento no seu nascedouro mas,  a arrogância de seus dirigentes é mais forte e deixou o movimento se agigantar.

Percebendo a gravidade do problema o gerente de comunicação da empresa marcou uma reunião. Novamente o sentimento de "dono" se manifesta e ao invés de reunir em um local neutro no caso a câmara de vereadores, prefere afrontar o movimento, principalmente quando convida os poderes legislativo e judiciário, os Sindicatos e pasmem, apenas um dos líderes do movimento. Acho que está sinalização de diálogo chegou muito tarde, amanhã podemos acordar com a interdição das vias de acesso e riscos à integridade dos trabalhadores.

Por outro lado a empresa mantém seu descaso com seus próprios trabalhadores diretos. A última da administração da Hydro foi de pretender adotar o transporte desses trabalhadores em barcos de madeira, inseguros e sem o mínimo conforto, inclusive na travessia noturna.

Essa irregularidade já foi comunicada pelo Sindicato àquela empresa apontando que o transportar de trabalhadores por barco pelo porto do Conde não pode ser realizada e desrespeita o contrato e normas de segurança. O SindQuimicos responsabiliza a Hydro caso aconteça qualquer acidente com algum funcionário, já que não existe contrato com este itinerário e por isso não é coberto pelo seguro.

Esperamos que a empresa tenha bom senso e não exponha nossos companheiros a risco de acidentes.

José Marcos Araújo é presidente da CTB Pará

Os artigos publicados na seção “Opinião Classista” não refletem necessariamente a opinião da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) e são de responsabilidade de cada autor