Fonte

É hora do povo brasileiro, dono deste país e de seu futuro, nas ruas, nas redes, no campo e na cidade, e em todos lugares. 

Companheiros e companheiras!

Vivemos tempos de provação, se apresenta diante de nós a maior luta da classe trabalhadora brasileira da história recente, e uma das maiores de todos os tempos.

Se discute e se decide nos próximos dias, em verdade, um modelo de estado, uma visão de mundo, de sociedade e humanidade.

De um lado a defesa solidária, inclusiva e generosa dos valores da vida do ser humano, de outro, a exclusão, a prevalência do lucro, do capital e sua força bruta aprofundando a exploração, a barbárie e a violência social.

A decisão do senado na reforma trabalhista estará entre a de manter ou a de revogar e aniquilar direitos conquistados nos últimos 70 anos com muito sangue derramado, vidas ceifadas, lideranças sindicais e sociais perseguidas, presas, torturadas e mortas pelos campos e pelas ruas de nossa Pátria Brasil.

A CLT é base de cidadania, de igualdade, de dignidade humana, distribuição de renda e de desenvolvimento social.

Não podemos ficar calados perante um governo e sua organização criminosa eivada de corrupção e de interesses obscuros, sicários a serviço do grande capital financeiro e especulativo, de banqueiros e oligopolios empresariais nacionais e transnacionais que querem manter seus altos lucros e privilégios controlando o estado e aniquilando com os direitos dos que trabalham e dos que mais precisam.

Um viva às manifestações deste dia 30, vitorioso em todoo país, e de todos os dias que virão, que quebram o silêncio ensurdecedor de toda uma nação, para defender o direito e o valor do trabalho, o direito de se aposentar, os direitos sociais para os necessitados, a democracia
e uma nação soberana, um Brasil de todos brasileiros. Abaixo as reformas do retrocesso e da injustiça. Cassação de Michel Temer e Eleições Diretas Já.

Na luta sempre companheiros e companheiras!!

Vicente Selistre é vice-presidente da CTB.

Os artigos publicados na seção “Opinião Classista” não refletem necessariamente a opinião da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) e são de responsabilidade de cada autor.