21
Sáb, Out

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

A reforma trabalhista, sancionada sem vetos em 13 de julho passado, representou o mais duro golpe à legislação do trabalho no País. Com uma única canetada, o presidente ilegítimo Michel Temer (PMDB) suspendeu ou restringiu mais de 200 direitos e conquistas dos trabalhadores brasileiros. Uma extensa legislação, construída ao longo de mais de cem anos, foi destruída em apenas 14 meses de um governo golpista e impopular.

A ofensiva não visou apenas aos chamados “direitos individuais”. Temer e seus aliados atacaram também o movimento sindical – o defensor mais importante, influente e representativo da classe trabalhadora. Sem o apoio de nenhuma central sindical, a reforma procurou esvaziar a força das entidades, enfraquecer sua representação e inviabilizar sua sustentação administrativo-financeira.

O sindicalismo não nasceu nem tampouco existe para prejudicar os interesses nacionais. Conforme registrou o Dieese em recente nota técnica, os sindicatos surgiram, na primeira metade do século 19, para “compensar o poder dos empregadores na relação contratual, sempre desigual e reconhecidamente conflituosa, entre capital e trabalho”. Foi uma “reação às precárias condições de trabalho e remuneração a que estão submetidos os trabalhadores no capitalismo”.

O Brasil tem hoje 11.698 entidades sindicais, que exercem a representação de aproximadamente 50 milhões de trabalhadores. São eles que organizam, defendem e fazem avançar a pauta da classe trabalhadora. É a “voz coletiva” que dá guarida e impulso às reivindicações de operários, professores, comerciantes, funcionários públicos, prestadores de serviços e outros profissionais.

Está mais do que provado que a valorosa Justiça do Trabalho, sozinha, não dá conta da missão de fazer valer os direitos trabalhistas. Cabe às entidades, muitas vezes, a fiscalização mais permanente desses direitos, bem como a denúncia de irregularidades e abusos. É impossível citar um único avanço nesta trajetória que não tenha a participação direta do movimento sindical.

A quem interessa, então, essa tentativa de enfraquecer os sindicatos, seus dirigentes e suas lutas?

Nós, da FITMETAL (Federação Interestadual de Metalúrgicos e Metalúrgicas do Brasil), sabemos que o movimento sindical precisa (e deve) ser aperfeiçoado. Só que, na relação “capital x trabalho”, é indispensável que os sindicatos abracem sempre o lado dos trabalhadores. Como seguidores da liberdade sindical e do sindicalismo classista, defendemos a organização do movimento com base em três eixos:

1) A unicidade sindical: que haja apenas um sindicato para cada base de trabalhadores, numa determinado município;

2) O imposto sindical: que todos os trabalhadores de uma categoria contribuam solidariamente com sua respectiva entidade – e, da mesma maneira, sejam todos beneficiários de suas conquistas;

3) O poder normativo da Justiça do Trabalho: que não existam outras modalidades de arbitragem das relações de trabalho.

Até a sanção da reforma trabalhista, esses mecanismos funcionavam como os pilares do movimento sindical brasileiro. Ao atacá-los com a nova legislação do trabalho, o governo Temer busca estimular a divisão entre as entidades, asfixiar o funcionamento da estrutura sindical e fragilizar a autoridade da Justiça do Trabalho. Não faz sentido buscar eventuais acertos, ainda que colaterais e pontuais, num projeto tão eivado de conservadorismo.

Até mesmo uma matéria pró-reforma publicada pela “Folha de S.Paulo” no domingo (23/7) traz bons argumentos contra o desmonte: “Estudo assinado por duas economistas do FMI (Fundo Monetário Internacional) apontou que o declínio dos sindicatos nos países desenvolvidos, medido pela queda do número de filiados, levou ao aumento da desigualdade de renda, ampliando a concentração no topo”.

O Brasil precisa de entidades sindicais fortes, respaldadas por suas bases e voltadas a um projeto nacional de desenvolvimento com valorização do trabalho. Reformas e mudanças na contramão desse rumo não devem ser aplaudidas, nem mesmo relativizadas. Os trabalhadores, na prática, nada têm a ganhar com as “modernizações” trabalhistas do governo cada vez mais golpista de Michel Temer.

Marcelino da Rocha é presidente da FITMETAL (Federação Interestadual de Metalúrgicos e Metalúrgicas do Brasil) e dirigente nacional da CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil), além de membro do Comitê Central do PCdoB. Foi presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Betim (MG) por quatro mandatos

Em protesto contra nova lei trabalhista, movimento sindical prepara ato nacional     10 de novembro