Sidebar

25
Seg, Mar

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Não são poucos os retrocessos impostos pela reforma trabalhista que entrou em vigor em  novembro de 2017. Desemprego, Desalento e Desesperança são os três ‘Ds’ que voltaram a compor o repertório do brasileiro, em especial o das mulheres. E se esse recorte for de cor, os dados são ainda piores.

O levantamento feito pela Consultoria LCA, a partir dos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, do IBGE, ao analisar o brutal cenário de desemprego no segundo trimestre de 2018, mostram que o perfil da maioria dos 4,8 milhões de brasileiros que desistiram de procurar emprego é: mulher, com idade entre 25 e 49 anos e nordestina. Elas representam 54% dos desalentados.

Quando o recorte é por região, o levantamento indica que a maioria das mulheres desalentadas se concentra na Região Nordeste, 2,91 milhões em junho. Ou seja, 60% dos brasileiros que estavam no desalento moram na região.

Dados do Dieese sobre o cenário neste segundo trimestre, alertam que, em um cenário de crise, impactado fortemente por reformas regressivas e desmonte do Estado, são as mulheres as mais atingidas pelo desemprego estrutural. E nessa escala de ataques, a mulher negra é a que mais sofre.

Joanne Mota é jornalista e assessora da CTB Nacional.


Os artigos publicados na seção “Opinião Classista” não refletem necessariamente a opinião da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) e são de responsabilidade de cada autor.

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.