Sidebar

20
Sáb, Jul

Rurais
Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Nestes dias 11 e 12 de dezembro, em todo o Brasil, o Movimento Sindical de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais (MSTTR), está em mobilização contra a proposta de "reforma" da previdência social. 

Nesta segunda-feira (11), em Brasília, a Diretoria e Assessoria da CONTAG, e trabalhadores(as) do Distrito Federal e Entorno, recebem deputados(as) com apitaço, no aeroporto Juscelino Kubitschek.

O apitaço é para lembrar aos deputados(as) que desembarcam em Brasília: VOTE CONTRA A PROPOSTA DE "REFORMA" DA PREVIDÊNCIA.

 

ATOS NOS ESTADOS

MINAS GERAIS- Cerca de 7.000 trabalhadores e trabalhadoras rurais ocupam o centro de Belo Horizonte-MG, para afirmarem que são contra a "reforma" da previdência. 

 

ESPÍRITO SANTO-  Trabalhadores e trabalhadoras rurais do Espírito Santo fazem manifestação no aeroporto de Vitória, contra a "reforma" da previdência.

PERNAMBUCO- Trabalhadores(as) rurais ocupam a Hidrelétrica de Itaparica em protesto a RETIRADA dos seus Direitos Sociais Constitucionais, mediantes às medidas impostas pelo governo, como as "reformas" trabalhista  e da PREVIDÊNCIA SOCIAL, bem como da tentativa de PRIVATIZAÇÃO da CHESF.

DISTRITO FEDERAL-  Cerca de 150 trabalhadores e trabalhadoras rurais do Distrito Federal e Entorno realizam Atos no aeroporto de Brasília e na Câmara dos Deputados. 

PIAUÍ- Em mobilização contra a atual proposta de "reforma" da previdência social, centenas de trabalhadores e trabalhadoras rurais de todo o Piauí fecham a avenida Frei Serafim, principal via de acesso ao centro da capital.

PARÁ- Trabalhadores e Trabalhadoras paraenses mobilizados(as) contra a "reforma" da previdência. Os Atos acontecem nas cidades de Bragança e Capitão Poço, no nordeste do Pará, a 220 km de Belém.

A CONTAG, Federações e Sindicatos reafirmam que os(as) rurais continuam sendo prejudicados com a proposta da “reforma” da previdência. Pois, o governo exige que os trabalhadores(as) paguem a contribuição mensal e por cada membro da família para poder se aposentar. E ainda aumentará a idade de aposentadoria dos agricultores(as) familiares e assalariados(as) rurais.

Portanto, trabalhador(a), fale com o seu deputado(a).

Deputado(a), vote contra a proposta do governo.  

NÃO MEXA NA APOSENTADORIA RURAL

Ouça, baixe  e compartihe o SPOT RÁDIO: NÃO MEXA NA APOSENTADORIA RURAL

CONVOCAÇÃO/ ATOS DIAS 11 e 12 de DEZEMBRO   

“Nos dias 11 e 12 de dezembro, próxima semana, em todo o País, estaremos realizando uma agenda de mobilizações para barrar essa proposta de reforma da previdência que visa retirar os nossos direitos. Não é justo impedir o acesso à aposentadoria para quem começa a trabalhar mais cedo e só ganha um salário mínimo”, convoca a secretária de Políticas Sociais da CONTAG, Edjane Rodrigues.

“O governo vai investir R$ 3 bilhões nos municípios, para os(as) prefeitos(as) convencerem os(as) deputados(as). Vai colocar R$ 100 milhões em propaganda mentirosa, dizendo que os(as) rurais estão fora da ‘reforma’ da previdência e assim convencer muitos deputados(as) a votarem em favor da ‘reforma’. Temos que mobilizar através dos meios de comunicação que temos acesso, conversar com os(as) vereadores(as) e com os(as) prefeitos(as) para que a gente possa restabelecer a verdade e garantir os votos contra a ‘reforma’. Não vamos brincar! Temos que enfrentar e vencer essa batalha! Portanto, quero nesse momento convocar a todos os companheiros e companheiras dos Sindicatos e das Federações para fazer uma grande mobilização nos dias 11 e 12 de dezembro, pois só com o povo na rua, a gente vai convencer o Congresso Nacional, em especial a Câmara Federal, para votar contra a ‘reforma’ da previdência”, convoca o presidente da CONTAG, Aristides Santos.

PROPOSTA DE REFORMA DA PREVIDÊNCIA PREJUDICA OS RURAIS

O governo, outra vez, tenta enganar a sociedade com o discurso demagógico de que não vai alterar as regras da previdência rural.

A Emenda Aglutinativa Global à Proposta de Emenda Constitucional - PEC 287-A/2016 deixa claro que:

•       exigirá a contribuição previdenciária mensal dos agricultores e agricultoras familiares, com valor mínimo pré-fixado para cada membro da família, e a comprovação de 15 anos de contribuição;

•       os trabalhadores assalariados e assalariadas rurais terão aumentada a sua idade para se aposentar, igualando com os urbanos (65 anos para homens, 62 anos para mulheres). Isto aumentará a dificuldade de comprovação do tempo de trabalho devido à descontinuidade dos contratos, a alta informalidade e a penosidade das atividades;

•       com base no aumento da expectativa de vida, a idade mínima para aposentadoria, inclusive dos trabalhadores e trabalhadoras rurais, será elevada pelo governo por meio de lei ordinária.

A CONTAG defende:

•       a manutenção da contribuição previdenciária dos agricultores familiares com base na venda da produção, beneficiando a família, conforme determina o artigo 195,  § 8º, da Constituição Federal;

•       aposentadoria dos trabalhadores e trabalhadoras rurais (assalariados, assalariadas, agricultores e agricultoras familiares) aos 60 anos para homens e 55 para mulheres;

•       manutenção explícita da comprovação de atividade rural para o acesso aos benefícios previdenciários rurais.

NÃO É JUSTO impedir o acesso à aposentadoria PARA QUEM COMEÇA A TRABALHAR MAIS CEDO E SÓ GANHA UM SALÁRIO MÍNIMO.

FONTE: Comunicação CONTAG- Barack Fernandes e Verônica Tozzi

 

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.