Sidebar

20
Seg, Maio

Rurais
Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Cerca de 250 trabalhadores e trabalhadoras, assalariados/as rurais do Vale do São Francisco, se reuniram nesta sexta-feira (09), no auditório do SENAC, em Petrolina-PE, para construir a nova pauta de reivindicações 2019 da hortifruticultura. A Campanha Salarial Unificada Bahia e Pernambuco completou 25 anos de história, em defesa dos assalariados/as rurais da região.

Durante segundo o dia de trabalhos do seminário, assalariados/as, sindicatos, federações e confederações discutiram as reivindicações dos trabalhadores/as e a manutenção de cláusulas importantes da Convenção Coletiva do Trabalho (CCT), a exemplo do salário unificado, a contribuição sindical, a determinação de horários de pagamentos pelas empresas, a garantia de emprego para as trabalhadoras gestantes, entre outras.

A delegada sindical de Juazeiro-BA, Teresa Maria da Cruz, participou do seminário e pontuou a respeito da importância dos trabalhadores manterem-se unidos, nesse momento de perdas históricas de direitos trabalhistas. “São os nossos direitos que estão em jogo e quando acompanhamos os seminários, estamos também lutando e resistindo para manter tudo o que foi conquistado”.

O Seminário unificado deste ano contou com uma novidade. No segundo dia de debates, os assalariados/as rurais dos estados da Bahia e Pernambuco, formaram cinco grupos de trabalhos, para discutir a manutenção de cláusulas da CCT e construir nova pauta de reivindicações. Até 2017, eram formados apenas dois grupos por estado e a nova medida ampliou as discussões entre as equipes.

O vereador Agnaldo Meira participou do evento e enfatizou a importância dos trabalhadores/as se manterem unidos. “ Precisamos nos manter firmes, nesta luta pela manutenção dos direitos conquistados pela classe trabalhadora do Vale do São Francisco. São 25 anos de conquistas históricas, aqui na região. Não tenho dúvidas de que os sindicatos, as federações e confederações permanecerão resistentes, na defesa dos trabalhadores e trabalhadoras rurais do nosso país”, disse.

SINDICATOS- Os Assalariados e assalariadas rurais também debateram a respeito da contribuição sindical e dos desafios para o ano de 2019. “O nosso maior desafio é manter os direitos e defender, de fato, os nossos trabalhadores. Não vamos recuar. Lutaremos, mais uma vez e quantas vezes for preciso”, afirmou a presidente do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Assalariados Rurais de Petrolina, Lucilene Santos.

“O maior desafio, estamos conseguindo vencer, que é ir para o campo, filiar o trabalhador, trazê-lo para à luta, conscientizá-lo quanto a essa reforma política, de impactos e prejuízos, isso faz que com que a gente saia mais fortalecido a campo, como sempre fizemos. Não ficaremos retidos no sindicato”, enfatizou Antônio Inácio Ribeiro, presidente da Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras Assalariados Rurais do Estado da Bahia (FETAR).

Quanto a reforma trabalhista e as novas negociações que serão realizadas em janeiro de 2019, o presidente do Sindicato de Trabalhadores e Trabalhadoras Assalariados (STTA), José Manoel dos Santos destacou. “Tem um ano que a reforma trabalhista entrou em vigor. Hoje temos uma visão ampliada dos seus impactos e prejuízos. Precisamos fazer um contraponto da reforma trabalhista, mas com um olhar voltado para a valorização salarial do trabalhador”, disse.

SEMINÁRIO: A Campanha Salarial Unificada da Hortifruticultura do Vale do São Francisco, Bahia e Pernambuco teve início nesta quinta-feira (08), com palestras e discussões sobre a atual conjuntura econômica e política do Brasil. O Presidente da Central dos Trabalhadores Trabalhadoras do Brasil (CTB) na Bahia, Pascoal Carneiro, participou do seminário e debateu a reforma trabalhista, a terceirização e a possível aprovação da reforma da previdência, prevista para acontecer ainda este ano. “2019 será um ano de reflexão, de repensar o movimento sindical, e lutarmos pela unidade e ação. O trabalhador precisa entender que o sindicato é a sua casa e os dirigentes sindicais devem ampliar, ainda mais, esses espaços, buscando construir um movimento sindical diferenciado, que dialogue com todos os públicos”, pontuou.

O encerramento da Campanha Salarial 2019 aconteceu com o debate e sintetização coletiva das pautas de reivindicações. Participaram das discussões os sindicatos de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Juazeiro, Petrolina, Abaré, Curaçá, Sento Sé, Sobradinho, Lagoa Grande, Belém do São Francisco, Casa Nova, além do SINTAGRO, FETAG-BA, FETAEPE, FETAPE, CONTAG, CONTAR, CTB e CUT.

Texto: Sheila Feitosa - Ascom Agnaldo Meira

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.

Conferência Nacional

banner cndr 2015

Últimas notícias rurais