Sidebar

27
Seg, Maio

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

A Federação Sindical Mundial (FSM) para o Cone Sul vem a público denunciar as graves violações sofridas pelos trabalhadores da Liga de Obreiros Marítimos do Paraguai (Lomp) que tiveram onze integrantes presos após reivindicarem seus direitos trabalhistas e sindicais.

No dia 12 de novembro, os portuários realizaram um bloqueio no Rio Paraguai como forma de protesto contra os portos privados que estão desrespeitando os trabalhadores do setor.

A Lomp informou que o porto privado Caacupemí - administrado pela empresa San Francisco S.A.- despediu, injustificadamente, cerca de 200 estivadores dos quais readmitiram mais de cem, porém o restante espera o resultado de reuniões tripartites, que estão sendo boicotadas pelos representantes dos patrões, como denuncia a Liga.

Além disso, a Lomp reivindica que as leis trabalhistas e os direitos sindicais sejam respeitados por parte dos empresários dos portos privados, porque alguns deles como o Caacupemí são proibidos de contratar trabalhadores associados à organização.

Os trabalhadores também exigem a reativação do Porto de Assunção em defesa dos milhares dos postos de trabalho, a reativação da Escola Náutica na Marinha Mercante Nacional e rechaçam os danos causados ao meio ambiente pelas empresas privadas.

Um dia após o bloqueio, efetivos da Prefeitura Naval, passaram em uma lancha patrulheira perto das pequenas embarcações e um helicóptero sobrevoava a região, fazendo com que ondas grandes se levantassem colocando em risco a vida dos manifestantes, que estavam em pequenos botes.

Para reprimir o protesto, doze paraguaios foram detidos e podem ficar presos por seis anos, pelo artigo 214 do Código Penal Paraguaio que alega que a ação sindical teria colocado em perigo o ambiente aquático.

A Federação Sindical Mundial para o Cone Sul repudia veementemente esta atitude do governo de Horacio Cartes que vai contra os interesses da classe trabalhadora paraguaia e fere seus direitos e manifesta sua solidariedade aos sindicalistas da Liga dos Obreiros Marítimos do Paraguai.

Divanilton Pereira – coordenador da Federação Sindical Mundial para o Cone Sul

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.