Você está aqui: Início Sala de Imprensa Em reunião, Direção Plena da CTB avalia 2010 de forma positiva

Sala de Imprensa - Notas e Comunicados

Em reunião, Direção Plena da CTB avalia 2010 de forma positiva

A Direção Plena da CTB finalizou nesta terça-feira (7) sua 6ª reunião geral, ocasião na qual foi realizado um balanço das atividades da Central ao longo de 2010. De acordo com o presidente Wagner Gomes, o ano que se encerra foi extremamente positivo para a entidade.

No total, 25 estados e o Distrito Federal enviaram representantes para a reunião – apenas a CTB-AC não pôde estar presente. Todos os dirigentes estaduais puderam fazer uso da palavra para expor os avanços e as dificuldades encontradas ao longo de 2010.

Wagner Gomes afirmou que a reunião foi acima das expectativas, pelo fato de todos os dirigentes realizarem um balanço crítico a respeito da atuação da Central. “Acabamos tendo um quadro muito detalhado dos estados. A partir disso, se conseguirmos consolidar as demandas aqui apresentadas, será possível darmos um grande salto”, afirmou.

O presidente da CTB falou também que a unidade política foi a grande marca da Central ao longo de 2010. “Sem dúvida foi nosso grande legado”. Em seu entendimento , o espírito dos dirigentes para 2011 deve seguir pelo mesmo caminho. “Isso é o que temo nos feito crescer e continuar crescendo. É algo que comprova a manutenção dos compromissos definidos em nosso estatuto, que prevê uma Central unida, democrática e de luta”, relembrou.

Nova secretária

A reunião também marcou oficialmente o fim da gestão de Abgail Pereira à frente da Secretaria da Mulher Trabalhadora. Convidada para fazer parte do governo de Tarso Genro a partir de 1º de janeiro de 2011 (será secretária do Turismo do Rio Grande do Sul), a companheira permanecerá na direção executiva da CTB, mas sem comandar nenhuma pasta.

Dessa forma, a nova secretária da Mulher Trabalhadora da CTB é a professora Raimunda de Souza Gomes, a Doquinha, do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado do Amazonas.

Doquinha se mostrou muito honrada pelo convite e disse estar preparada para fazer uma grande gestão. “A tarefa será muito difícil, mas vamos fazer o melhor trabalho possível”, afirmou.


Documento

Os trabalhos da reunião resultaram em um documento, no qual o balanço de 2010 é detalhado. Leia abaixo:

CTB: BALANÇO DE 2010 e PERSPECTIVAS PARA 2011


A realização da última reunião plena da direção nacional da CTB é um momento importante para se fazer um breve balanço das atividades desenvolvidas pela central, bem como traçar as linhas de atuação para o ano de 2011.

O balanço que aqui se apresenta não incorpora o conjunto das atividades desenvolvidas pelas CTBs estaduais e pelas secretarias, nem alcança outras áreas de atuação da CTB, como os diversos conselhos, fóruns, comissões e outras áreas onde a central se faz representar.

A Direção Executiva da CTB fará a avaliação do PES/2010 em sua primeira reunião de 2011 e terá a incumbência de fazer um balanço circunstanciado de cada secretaria e de todas as frentes de atuação da Central e da interação entre elas. Com as ressalvas assinaladas, passemos ao balanço.

BALANÇO POSITIVO


Um balanço equilibrado e sem ufanismo permite considerar que o saldo do ano de 2010 foi positivo para a CTB. Manteve o posto de 3ª central em representatividade, levantamento realizado anualmente pelo Ministério do Trabalho e Emprego.
Com níveis variados de organização e presença política, a CTB permanece organizada em todos os estados e no Distrito Federal, integra os diversos fóruns onde os trabalhadores são representados e suas opiniões são cada vez mais respeitadas.

A título de ilustração deste balanço, elencamos algumas atuações marcantes da CTB ao longo deste ano:

• Posição clara em relação às lutas pela redução da jornada de trabalho sem redução do salário, pelo fim do fator previdenciário e por uma política de reajuste para os aposentados (reuniões importantes sobre esses temas foram realizadas na sede nacional da CTB);

• Participação no Fórum das Centrais na luta pela consolidação da política permanente de valorização do salário mínimo. A CTB foi protagonista na luta pela consolidação e unificação do Fórum das Centrais;

• Atos amplos de 1º de Maio em diversos estados;

• Participação em diversos atos em defesa da reforma agrária e da agricultura familiar, em particular nos atos da Contag “Grito da Terra”, “Marcha das Margaridas”, “Encontro da Juventude Rural”, dentre outros;

• 08 de Março: Produção e lançamento do vídeo “100 anos de luta” e lançamento da Revista Visão Classista.

• Participação ativa no processo eleitoral, particularmente na vitoriosa campanha da presidente Dilma Rousseff, nas candidaturas de dirigentes da CTB e nas campanhas para o Senado, deputados federais e estaduais;

• Presença em congressos de categorias, eleições sindicais, campanhas salariais e na luta em defesa da liberdade sindical e do direito de greve. Destaque para a posição firme, em diversos fóruns, na defesa do princípio da unicidade sindical consagrado no artigo 8º da Constituição;

• Presença em diversas reuniões na presidência da República, Ministérios, em particular o MTE, Congresso Nacional e Assembléias Legislativas;

• Participação em eventos internacionais, alguns dos quais como protagonista (ESNA) -  (Encontro Sindical Nossa América, Federação Sindical Mundial, Fórum Social Mundial, Coordenadora das Centrais Sindicais do Cone Sul, etc.).

• Participação ativa da CTB na luta pelo piso salarial do professor e na Conferência Nacional de Educação – CONAE.

Conferência Nacional da Classe Trabalhadora
1 de Junho de 2010

• Proponente e ativo participante da Conferência Nacional da Classe Trabalhadora, realizada no dia 1º de junho, no Pacaembu, com cerca de 30 mil trabalhadores. Esta atividade foi aprovada nos dois congressos da CTB como a principal ferramenta para unificar o sindicalismo brasileiro em torno de uma agenda para a classe trabalhadora, ancorada na luta por um projeto nacional de desenvolvimento com soberania, democracia e valorização do trabalho. Talvez seja a maior vitória política da CTB desde sua fundação!

Coordenação dos Movimentos Sociais

Destaca-se também o importante papel que a CTB desempenhou na Coordenação dos Movimentos Sociais em face da aprovação do Plano Nacional dos Movimentos Sociais, buscando propor uma visão classista no sentido de fortalecer a CMS nesta nova conjuntura.

AGENDA 2011
Para o ano de 2011, as prioridades da CTB serão:

1) Buscar a garantia  em lei de uma  política permanente de valorização do salário mínimo;
2) Manter a luta pela aprovação do PEC da Redução da Jornada de Trabalho sem Redução de Salário;
3) Lutar pela extinção do Fator Previdenciário e lutar por uma política de valorização das aposentadorias;
4) Divulgar e lutar pela concretização da agenda da classe trabalhadora aprovada na Conclat;
5) Ampliar a luta em defesa da reforma agrária e da agricultura familiar;
6) Promover duas grandes campanhas por iniciativa própria da Central: campanha pela reforma agrária e pela aprovação do PNE – Plano Nacional de Educação que contemple as deliberações da  Conferencia Nacional de Educação ( CONAE );
7) Participar do Congresso da Federação Sindical Mundial, das atividades da Coordenadoria das Centrais Sindicais do Cone Sul, do Encontro Nossa América, do Fórum Social mundial e outros eventos internacionais;
8) Orientar as CTBs estaduais para construírem o 1º de Maio unificado e realizar atos unitários e massivos em todos os Estados (já se avançou para a unidade de cinco centrais sindicais para isso – falta a CUT); durante a semana que antecede o 1º de maio, realizar atos próprios da Central (debates, seminários, exposições, etc.);
9) Promover seminário no mês de novembro sobre “Organização Sindical”;
10) Consolidar, aprofundar e ampliar a luta pela formação classista dos trabalhadores, incorporando dirigentes e trabalhadores da base com ênfase na juventude, mulheres, trabalhadores e trabalhadoras do campo e da cidade.
11) Apresentar e aprovar PEC que garanta o reconhecimento formal das centrais sindicais e suas fontes de custeio;
12) Lutar contra a portaria 186/2008 do MTE. Em defesa da unicidade sindical;    
13) Avançar na estruturação das CTBs estaduais, que devem ser o centro de gravidade da atuação da CTB, impulsionadora da agenda de lutas da Central, assim como na referência principal para filiação de novas entidades;
14) Intensificar a luta por filiações de novas entidades, com esforços coordenados  das CTB nacional e estaduais,  ter um projeto e meios para enfrentar as eleições sindicais, apoiar política e materialmente os núcleos de base da CTB nas eleições sindicais;
15) Regularizar a contribuição financeira das entidades à CTB, terminar com a sonegação, ter orçamento equilibrado para bancar as ações e políticas da Central;
16) Dinamizar a atuação de todas as secretarias e de todos os fóruns onde a CTB se faz representar, avançar na superação da compartimentação entre as diferentes frentes.

RSS