Sidebar

25
Sáb, Maio

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

 

Nesta sexta-feira (6), realizou-se na sede da prefeitura de São Paulo um evento alusivo à campanha internacional dos 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra a mulher. A CTB participou desta atividade por meio da representante da secretaria da Mulher Trabalhadora, Marcia Viotto.  

 O encontro contou com a presença da ministra da Secretaria de Políticas para Mulheres (SPM), Eleonora Menicucci , do ministro da saúde, Alexandre Padilha, a primeira dama Ana Estela, e a secretária Municipal da Mulher, Denise Motta Dau, além de inúmeras entidades e personalidades  do movimento social e feminista . 

Denise relatou que na cidade ocorreram  mais de 80 atividades de variadas formas: debates, oficinas, panfletagens e palestras para fazer o enfrentamento a esta realidade, na qual, de acordo com as estatísticas a cada cinco minutos uma mulher sofre algum tipo de violência. 

A secretária municipal anunciou que “no próximo semestre de 2014  teremos a Casa da Mulher Brasileira e também uma Casa de Passagem e mais uma Casa Abrigo” ela falou da importância do Centro de Cidadania da Mulher (CCM) e a possibilidade de recuperar essas mulheres propiciando ações de trabalho e renda através da economia  solidária.

 Outra medida importante foi a parceira, assinada no dia nesta sexta, com o secretario municipal de segurança urbana, Roberto Porto, de promoção e capacitação da guarda civil metropolitana (GCM) para discussão de gênero e a criação do comitê intersecretarial de políticas para mulheres, publicada no diário oficial. 

Já o ministro Alexandre Padilha falou a respeito do Sistema Único de Saúde (SUS) e duas ações importantes: a notificação obrigatória no sistema de saúde ao detectar a violência contra a mulher e a instalação de macas e mesas ginecológicas para atender pessoas com deficiência. No encerramento da atividade a ministra  reforçou a necessidade de ter uma gestão transversal  e apontou três problemas que se enfrenta que podem diminuir as estatísticas da violência: Mobilidade urbana, Iluminação da cidade e ter polícia treinada e capacitada. Ela Informou também que na Casa da Mulher Brasileira disponibilizará a cirurgia reparadora para as vítimas. 

Outra conquista importante foi o pleito da Marcha das Margaridas que conseguiram 54 ônibus para enfrentar a violência no campo de norte a sul. E terminou dizendo que está feliz pois “ a felicidade é transformar a vida real das pessoas e isso está sendo feito". 

Portal CTB
Foto: Fábio Arantes 

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.