Sidebar

25
Sáb, Maio

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

ubm solenidade“Foi um momento ímpar”, declarou a secretária da Mulher da CTB Bahia e dirigente nacional, Marilene Betros, que esteve em Brasília na última segunda-feira (12) para participar da sessão solene realizada no Congresso em homenagem aos 25 anos da União Brasileira de Mulheres (UBM).

A solenidade contou com a presença de militantes, ativistas, dirigentes que lutam em defesa dos direitos das mulheres, além do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). 

Criada no dia 6 de agosto, em 1988 durante o 1º Congresso Nacional de Entidades Emancipacionistas de Mulheres, realizada em Salvador, Marilene lembra que a organização foi idealizada para exigir a criação de políticas públicas para as mulheres. “A UBM joga um papel fundamental, em um país campeão em violência doméstica”, alertou.

Já a coordenadora nacional da UBM, Elza Campos, reconheceu em seu discurso que “a trajetória da entidade é vibrante e aguerrida e a entidade vem construindo, ombro a ombro, com o povo brasileiro, a nação e nossas utopias”. 

Neste sentido, Marilene destacou as conquistas neste um quarto de século como a Lei Maria da Penha, que completou sete anos, a Lei das Domésticas, recentemente aprovada, que garante os direitos trabalhistas para a categoria, assim como a eleição da presidenta Dilma Rousseff. “São mostras de que as mulheres estão rompendo paradigmas”. 

Para ela a participação feminina ainda precisa aumentar “em um país onde quase 50% da população economicamente ativa é composto por mulheres exigimos ter mais espaço e voz”, disse Marilene. Sobre o tema, Elza  mencionou a cota mínima de 30% nas candidaturas para eleições proporcionais (para vereadores, deputados estaduais e federais). “Isso ainda é pouco, queremos 50%”, exigiu. 

Por sua vez, a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), que está à frente da Procuradoria Especial da Mulher do Senado reiterou que questões como esta têm de estar nas discussões sobre reforma política, mesmo ponto de vista defendido pela deputada federal Jô Moraes (PCdoB-MG), que foi a primeira presidenta da UBM e coordena a bancada feminina na Câmara. 

A secretária da Mulher Trabalhadora da CTB Bahia falou que a sessão solene foi emocionante e que cada vez mais a voz das mulheres deve ser levada para todos os campos ela informou ainda que a parceria da Central com a União Brasileira de Mulheres é fundamental para o empoderamento das mulheres e destacou o papel das sindicalistas. “A CTB já nasce como uma Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras e isso é extremamente importante”, ressaltou.   

Portal CTB com informações da Agência Senado


 Leia também:
CTB saúda os 25 anos da União Brasileira de Mulheres

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.