Sidebar

23
Ter, Jul

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Tomaram posse, na última terça-feira (20) em Brasília, as novas representantes do Conselho Nacional dos Direitos das Mulheres (CNDM), para mandato de 2014 a 2017. O ato aconteceu durante a 16ª reunião do colegiado, que segue até o final desta quarta-feira (21). A condução dos trabalhos foi feita pela ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República (SPM-PR), Eleonora Menicucci, que preside o CNDM.

Representando a CTB, na categoria “Organizações de caráter sindical, associativa, profissional ou de classe que atuam na promoção dos direitos das mulheres”, faz parte do Conselho a secretária nacional da Mulher Trabalhadora da CTB, Ivânia Pereira da Silva Teles.

A dirigente destacou que, desde a fundação da CTB, uma das prioridades da entidade é a luta pelos direitos das mulheres. “É a primeira vez que a central participa do CNDM. E é muito importante participar de uma organização que faz o controle social do plano nacional de políticas para as mulheres. Todas as organizações que tomaram posse hoje tem por obrigação debater as políticas públicas que serão implementadas”, explicou.

posse ivania2

Segundo Ivânia Pereira, as ações discutidas no Conselho serão levadas para também ser discutidas CTB. “Nós vamos trazer os posicionamentos da CTB para o Conselho, em relação às políticas públicas, denúncias, aspirações das mulheres trabalhadoras, como vamos levar para a CTB e os sindicatos filiados as posições e projetos aprovados pelo Conselho Nacional dos Direitos das Mulheres. Vai ser um momento importante para a valorização das políticas para as mulheres trabalhadoras do Brasil. Esse é um momento em que os trabalhadores e as trabalhadoras vão poder opinar por meio da CTB. Vamos nos esforçar para que a nossa contribuição seja cada dia mais relevante.”

Também nesta terça-feira (20), as conselheiras aprovaram duas notas de repúdio: a primeira, sobre o sequestro de mais de 200 meninas nigerianas por um grupo terrorista na Nigéria (veja aqui), e outra sobre o assassinato de uma escrivã de polícia no Maranhão (acesse aqui).

Na pauta da reunião do colegiado, ainda será debatida a nova composição das Câmaras Técnicas (de Legislação e Normas; de Assuntos Internacionais; de Monitoramento do Plano Nacional de Políticas para as Mulheres – PNPM e de Planejamento e Orçamento); a escolhida das representantes no Comitê de Articulação e Monitoramento do Plano Nacional de Políticas para as Mulheres (PNPM) e no Conselho do Observatório Brasil da Igualdade de Gênero.

Conselheiras

O CNDM é vinculado à Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República (SPM-PR) e composto por representantes do governo, das entidades da sociedade civil e conselheiras de notório conhecimento das questões de gênero.

A nova composição tem como característica uma maior diversidade na representação das mulheres brasileiras, com duas entidades de mulheres lésbicas, uma de indígenas e, pela primeira vez, uma que abarca travestis e transexuais.

De Brasília

Daiana Lima - Portal CTB

 

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.