Sidebar

15
Seg, Jul

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times
Os movimentos feminista, sindical e estudantil realizarão nesta segunda-feira (09),  a partir das 18h, uma manifestação contra a violência sexista em frente a UNIBAN ABC (Universidade Bandeirante), localizada na avenida Dr. Rudge Ramos, nº 1501, no Bairro Rudge Ramos (altura do KM 12 da Via Anchieta, sentido Santos,  São Paulo).

O ato foi convocado para denunciar a violência contra a estudante Geisy Arruda, que foi ameaçada e agredida verbalmente dentro da Universidade, no último dia 22. Não bastasse esse episódio, a UNIBAN divulgou no domingo sua decisão de expulsar a estudante de seu quadro acadêmico.

Augusto Chagas, presidente da UNE, afirmou que a decisão da Uniban foi carregada de machismo e autoritarismo e faz um apela para que as universidades oferecam uma bolsa de estudos para a aluina. "A UNE considera inaceitável o episódio ocorrido na Uniban. Consideramos que os fatos, assim como a decisão da instituição é carregada de machismos e autoritarismo. Isso demonstra a forma como a sociedade compreende o corpo da mulher. Como trata a mulher e o ambiente de opressão a que as jovens são submetidas. Nada justifica que uma estudante não possa optar pela maneira como quer se vestir para ir à faculdade. Então, é nosso papel denunciar,esse ambiente de machismo que acabou gerando o fato lamentável na Uniban. Denunciar o ambiente de preconceito que carrega decisão da instituição de expulsar a estudante", declarou o líder estudantil.

Ele ainda faz um apelo às demais universidades, para que seja consedida uma bolsa de estudas para a universitária. "A UNE está chamando a atenção das universidades para o fato e que alguma aceite a matrícula dela oferecendo, inclusive, uma bolsa de estudos a ela”, salientou.

A violência contra as mulheres é uma realidade na vida de milhões de mulheres no Brasil e no mundo. Entre as justificativas para a violência estão argumentos relacionados ao que deveria ser o jeito certo de se comportar como mulheres, como se estas não fossem emancipadas e não fossem capazes do ponto de vista moral e ético, para tomar decisões sobre si mesmas.

A repercussão deste caso e a decisão da UNIBAN seguem essa mesma lógica. A estudante, que foi vítima da violência, foi transformada em ré. A UNIBAN , desta forma, contribuiu para banalizar, estimular e justificar a violência sexista- praticada contra pessoas pelo fato de serem do sexo feminino.

Durante o ato uma comissão entregará à UNIBAN um documento exigindo:


    * suspensão do ato de expulsão
    * retratação perante a aluna e a punição de quem de fato cometeu a violência
    * realização de evento educativo como forma de prevenção de episódios deste tipo.

Serviço: Ato contra expulsão de estudante, vítima de violência sexista


Onde: Uniban – Unidade São Bernardo do Campo –
Av. Rudge Ramos, 1.501, São Bernardo do Campo
Quando: Segunda-feira, 9 de novembro
horário: a partir das 18h

Da Redação com as agências
0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.