Sidebar

23
Ter, Jul

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times
unicidade_cartazO Fórum Nacional de Mulheres Trabalhadoras deu publicidade nesta semana à moção de apoio à unicidade sindical, como resultado de decisão tomara no último dia 29 de março, ocasião em que suas representantes se reuniram em Brasília.

O documento é mais um importante apoio recebido para a luta das centrais sindicais pela defesa da estrutura sindical brasileira, em contraposição à campanha feita nos últimos meses pela CUT, que tem defendido o fim da unicidade e da contribuição sindical.

Ao longo do mês de março, a CTB deu a largada em sua campanha em defesa da unicidade sindical. Durante o próximo período, caberá aos estados dar continuidade à campanha, conforme explicou o secretário de Imprensa e Comunicação, Eduardo Navarro.

Confira abaixo o documento das mulheres das centrais:

MOÇÃO DE APOIO A UNICIDADE SINDICAL

A CGTB, CTB, FS, NCST e UGT, através do Fórum Nacional de Mulheres Trabalhadoras das Centrais Sindicais, reunidas com cerca de 200 pessoas na manifestação pública no dia 29 de março, no auditório Petrônio Portela do Senado, em Brasília, vem a publico manifestar seu apoio a luta pela manutenção do artigo 8º da Constituição Federal, que dentre outros pontos importantes, garante a unicidade e a contribuição sindical.

Entendemos que as entidades sindicais são instrumentos de ação e luta na defesa dos direitos da classe trabalhadora e tem por objetivo dirimir demandas individuais e coletivas, seja salarial, trabalhista, social ou político, para tanto, deve ser forte e coeso. A divisão dos trabalhadores e pulverização de sindicatos enfraquece a organização e fortalece os patrões.

É através da unidade com liberdade e autonomia que a UNICIDADE SINDICAL garante a todas as correntes e lideranças políticas, a liberdade de organização nos locais de trabalho, liberdade para participar dos sindicatos, autonomia frente aos patrões, ao governo e aos Partidos Políticos, colocando assim um freio na fragmentação dos sindicatos, garantindo um único sindicato na mesma base territorial.

A história comprova que, a Unicidade Sindical possibilitou aos trabalhadores e as trabalhadoras  brasileiros(as) grandes conquistas, fortaleceu a credibilidade e o poder de articulação dos trabalhadores e das trabalhadoras junto aos patrões e à sociedade, constituindo-se num movimento sindical autônomo e livre.

A exemplo, da luta contra a ditadura militar, participação na campanha das Diretas Já, do impeachment de Fernando Collor de Mello, em que rompemos e superamos os limites da legislação autoritária e hoje comemoramos o reconhecimento das centrais sindicais.

O desafio de um sindicalismo classista sintonizado com o futuro e engajado na defesa dos direitos coletivos de toda classe trabalhadora tem que ter clareza e entender que não se constrói a luta pelo isolamento, pela divisão, mas sim pelo fortalecimento das organizações sindicais.

Somente a unicidade sindical assegura a unidade dos trabalhadores e trabalhadoras em suas lutas e em defesa dos interesses da classe como toda.

FÓRUM NACIONAL DE MULHERES TRABALHADORAS
DAS CENTRAIS SINDICAIS
0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.