Sidebar

25
Sáb, Maio

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

A secretária da Mulher Trabalhadora da CTB, Ivânia Pereira, participou do Fórum Diálogo Brasil PPA 2016-2019 Mulheres, realizado na terça-feira (16) em Brasília. Ela explica que as reuniões dos Planos Plurianuais estão colocadas dessa forma pela presidenta Dilma para aumentar a participação dos segmentos da sociedade de forma organizada na formulação do Orçamento Geral da União. Estes fóruns foram divididos em três categorias. A primeira a se reunir foram as mulheres, depois será a vez da juventude e dos trabalhadores.

marcha mulheres salvador57780“Este encontro foi muito importante para avançarmos em propostas de criação de políticas públicas que empoderem os direitos da mulher”, garante Ivânia. Segundo a sindicalista sergipana, “houve ampla participação das participantes do fórum tanto das presentes quanto pelas redes sociais e com isso conseguimos avançar no objetivo de alçar propostas que visem a autonomia econômica, social e sexual da mulher”.

Além disso, revela Ivânia, “também debatemos a transversalidade intra e inter governamental para a formulação de políticas para as mulheres que propicie o aumento da participação feminina na política e em todas as instâncias de poder e da sociedade, inclusive melhorias no mercado de trabalho”. Mas principalmente foram discutidas formas de se enfrentar a violência contra as mulheres. “Acompanhamos o lançamento da cartilha Mais Mulheres na Política, lançada pela senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM)”.

A secretária da Mulher da CTB vê como um retrocesso na democracia brasileira a Câmara dos Deputados não ter aprovado a conta para as mulheres no Congresso. “Isso demonstra claramente que milhões de mulheres terem saído da extrema pobreza e estarem defendendo seus direitos à cidadania incomoda muito os setores mais atrasados da direita do país”, argumenta Ivânia. “Somos 52% da população e do eleitorado e temos menos de 10% de participação da Câmara dos Deputados, isso é um contrassenso determinado pelo poder econômico e pelo machismo. Mas vamos nos organizar e dar o troco”.

Ela ataca também a aprovação pela comissão especial da Câmara da redução da maioridade penal para 16 anos. “Então se uma criança de 8 anos por acaso cometer um crime vamos reduzir a idade penal para 8 anos?”, questiona. “Esses deputados em vez de construir escolas estarão lutando por verbas para construir prisões e aí que futuro teremos?”

passeata mulheres 8 de marco paulista

Neste fórum foi debatida ainda a realização da 4ª Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres a ser realizada de 15 a 18 de março de 2016 em Brasília. “Já estão acontecendo as conferências municipais e as livres”, sinaliza Ivânia. “Precisamos reforçar a participação das centrais sindicais e dos sindicatos para a realização das conferências livres, porque são estas que levam as propostas mais avançadas”, conclama Ivânia.

Leia mais: Câmara machista rejeita criação de cota para mulheres no Congresso 

Por Marcos Aurélio Ruy – Portal CTB

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.