Sidebar

25
Sáb, Maio

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times
No último dia do Seminário Nacional "Protagonismo das Mulheres nos Territórios Rurais", que teve início no dia 19, as cerca de 80 dirigentes sindicais sugeriram propostas e estratégias que garantam maior inserção das trabalhadoras rurais nas políticas executadas nos territórios.

Entre as propostas, que serão encaminhadas ao Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), está a reserva de 30% das vagas existentes em todos os espaços de gestão do Programa Territórios da Cidadania. Elas também querem reserva de recursos a serem destinados para projetos produtivos de mulheres. "Esperamos que agora o MDA atenda essas demandas, para que a gente possa também participar das ações nos territórios", avaliou a coordenadora de Mulheres da Federação de Trabalhadores na Agricultura do Rio Grande do Norte (Fetarn), Maria Elizabeth Fernandes.

Avaliação

A secretária de Mulheres da Contag, Carmen Foro, destacou que os debates feitos no Seminário apontaram reflexões importantes para as trabalhadoras rurais. "As falas afirmaram várias questões: uma, qual o modelo de desenvolvimento que nós queremos, qual o lugar das mulheres nesse lugar de desenvolvimento e como nós vamos continuar protagonizando políticas para as mulheres na tentativa de corrigir histórica desigualdade contra as mulheres".

Na opinião da coordenadora de Mulheres da Federação de Trabalhadores na Agricultura de Santa Catarina, Maria das Graças Darós, o Seminário foi importante para esclarecer às mulheres sobre os territórios e a importância da ocupação desse espaço. "Foi importante tanto para as mulheres que não tinha nenhuma informação sobre os territórios e para as que, mesmo tendo informações, não sabiam como fazer para se inserir nesses espaços", comentou.

A secretária de Mulheres da Federação de Trabalhadores na Agricultura de Rondônia (Fetagro), Eliana da Silva, ressalta que as debates feitos no Seminário servirão como subsídios para as discussões com as mulheres sobre a implantação das políticas públicas. "Mostramos aqui quais são as nossas dificuldades e agora esperamos que as políticas possam chegar lá na base", afirmou.

Pela primeira vez participando de uma ação da Jornada das Margaridas, a coordenadora de Mulheres do Sindicato de Trabalhadores Rurais de Caracaraí (RR), Paula Helena, disse que as informações trocadas no Seminário serão compartilhadas com as trabalhadoras rurais do estado. "Com certeza a discussão que fizemos aqui deve ser feita também com a Federação, os sindicatos, para que as mulheres saibam os espaços que devemos ocupar".

Para a coordenadora de Mulheres da Federação de Trabalhadores na Agricultura de Minas Gerais, Ana Maria Pereira, afirma que a não participação das mulheres nos territórios rurais é uma realidade no estado. Ela disse que está negociando com a delegacia estadual do MDA maior espaço para as trabalhadoras rurais nas discussões e espaços de liderança dentro dos territórios. "Em Minas está havendo curso de capacitação em políticas públicas, mas infelizmente muitas mulheres que estão nos territórios e queriam participar, não conseguiram vaga", disse.

Já na avaliação da coordenadora de Mulheres da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Rio Grande do Sul, Lérida Pavanelo, o seminário foi importante para mostrar como as mulheres podem ter maior participação e ser beneficiadas com as políticas existentes nos territórios. "Estamos com a faca e o queijo na mão. Agora precisamos tirar proveito de tudo isso. Acho que esse é um momento primordial para nossa caminhada no movimento sindical", acrescentou.

Fonte: Ciléia Pontes, Agência Contag de Notícias
0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.