Sidebar

15
Seg, Jul

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

O Twitter passou a adotar no Brasil uma licença-paternidade de cinco meses. “Com essa política, reforçamos nossa luta contra estereótipos de gênero e dos papéis tradicionais dos pais na família, além de promover uma visão sem preconceitos sobre a paternidade”, escreve a assessoria de imprensa da empresa.

Para Ivânia Pereira, secretária da Mulher Trabalhadora da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) essa atitude do Twitter deve servir de exemplo para outras empresas e principalmente para os parlamentares brasileiros.

ivania bela recatada do lar

“É um grande avanço uma empresa entender a necessidade de compartilhamento das responsabilidades na criação dos filhos e filhas”, diz Ivânia. “Existe um foço enorme entre a política adotada por essa empresa e os projetos do governo golpista para as mulheres, crianças e jovens”.

twitter licenca paternidadeDe acordo com a empresa, essa iniciativa atinge também as mães, que têm o mesmo período de licença-maternidade e vale também para casos de adoção, fazendo “parte de uma série de ações que temos tomado voltadas à qualidade de vida e à igualdade de gênero”.

Ivânia acredita na importância de ampla divulgação de medidas positivas como essa, porque pode levar “os governantes a enxergarem a necessidade de promover políticas públicas que favoreçam a igualdade de gênero”.

Além de cumprir “a obrigação constitucional do Estado em promover o acesso das crianças e adolescentes a políticas inclusivas e parar como as restrições que estão sendo impostas pelos golpistas, com contundentes cortes na educação e na saúde”.

Leia mais

Mulheres protestam em shopping que implicou com amamentação em Santa Catarina

Segundo o departamento de Recursos Humanos do Twitter, a empresa proporciona todas as comodidades para a amamentação das crianças e as funcionárias que precisarem viajar a trabalho, têm "todas as despesas pagas caso desejem fazer o envio de leite materno aos filhos”.

“E existem locais públicos no país, que recriminam a amamentação, como se isso pudesse agredir alguém”, diz Ivânia. “Por isso, uma medida desse porte ganha grande relevo e mostra que é possível ter mais generosidade e solidariedade para a construção de uma sociedade mais humana”.

Portal CTB – Marcos Aurélio Ruy

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.