24
Ter, Out

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

 

Na última terça-feira (25), a CTB participou da reunião do Fórum Nacional dos Servidores Públicos Federais, que conta com a adesão de 14 entidades nacionais e das centrais sindicais.

O encontro definiu a participação do funcionalismo federal no Dia Nacional de Luta – 11 de julho - convocado pelas Centrais Sindicais. Na data, os trabalhadores e trabalhadoras promoverão uma série de paralisações por todo o Brasil, com o propósito de pressionar o governo e o empresariado a aprovar a pauta de reivindicações da classe trabalhadora.

Outra resolução da reunião foi a participação na mobilização desta quinta-feira (27), em Brasília, organizada pelo Espaço de Unidade de Ação, que reúne várias organizações representativas da classe trabalhadora, movimento popular e estudantil.

A reunião aprofundou ainda a discussão sobre anulação da reforma da previdência-2003, as manifestações e protestos desencadeados país afora, a repressão policial na Universidade federal de Minas Gerais e a campanha salarial da categoria.

Para João Paulo Ribeiro, membro da secretaria do Serviço Público e do Trabalhador Público da CTB, a reunião foi bastante representativa, com destaque para o debate sobre a cena política atual em nosso país e o grande processo de mobilização com amplas manifestações pelas principais cidades brasileiras. “Esse processo que teve início em maio com o levante da juventude em Porto Alegre contra o aumento das tarifas do transporte urbano, se ampliou e tomou conta das ruas, avenidas, praças e estradas por todo o país neste mês de junho. O debate em seguida foi aberto com a manifestação dos representantes das entidades e os informes de suas categorias, bem como a análise da conjuntura brasileira”, afirmou o dirigente da CTB.

Na mesma reunião, os sindicalistas discutiram a retomada da Campanha Salarial Unificada; e a campanha pela anulação da Reforma da Previdência. De acordo com a categoria, apesar de estar em campanha salarial desde o início do ano, o governo federal se nega negociar a pauta protocolada em Janeiro-2013 no Ministério do Planejamento.

Diante disto, os servidores exigem a abertura imediata das negociações e atendimento da reposição salarial de acordo com a inflação + PIB, contra a privatização dos hospitais universitários, da previdência do servidor público, pelo fim das terceirizações e pela anulação da reforma da previdência-2003, além dos demais pontos de reivindicação acordados pelas entidades.

Portal CTB

0
0
0
s2sdefault
Em protesto contra nova lei trabalhista, movimento sindical prepara ato nacional     10 de novembro