Sidebar

21
Qui, Mar

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Em mais uma reunião das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais, que se organizam em um fórum (Fonasef), e o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG), realizada nesta segunda-feira (20), o governo apresentou proposta de reajuste de benefícios dos servidores do Executivo e admitiu a possibilidade de revisão da proposta de reajuste para preservar o poder aquisitivo nos próximos anos.

A CTB esteve representada pelo secretário de Serviço Público, João Paulo Ribeiro, que acompanha desde o início as negociações, e Fátima dos Reis, dirigente do SINT-IFES - GO e da Fasubra. O índice de reajuste proposto pelo governo foi o mesmo apresentado no dia 25 de junho, de 21,3% dividido em quatro parcelas: 5,5% em 2016, 5% em 2017, 4,8% em 2018 e 4,5% em 2019. As categorias reivindicam um reajuste mínimo de 27,3% e rejeitam a proposta do governo por considerarem insuficiente para recuperação do poder aquisitivo dos servidores públicos federais.

Apesar de afirmar que é mínima a margem para flexibilizar os percentuais de reajuste proposto, o secretário de Relações de Trabalho (SRT), Sérgio Mendonça, sugeriu, na reunião desta segunda (20), a inclusão de cláusula de revisão na proposta de reajuste plurianual (quatro anos), para preservar o poder aquisitivo. “Se errarmos na previsão de inflação futura, estamos dispostos a sentar novamente à mesa e renegociar o acordo”, disse Mendonça, que conduz as negociações.

Outro ponto apresentado pelo governo é o aumento dos três principais benefícios: auxílio alimentação, creche e saúde. Pela proposta, para os auxílios alimentação e saúde os índices aplicados serão em torno de 22,5% e 23%, respectivamente, considerando a inflação de 2013 e 2014 e a estimativa para 2015. Já para o auxílio creche, que está defasado dês 1995, o índice de reajuste seria cerca de 317%. Os valores entrariam em vigor a partir de janeiro de 2016.

A partir desta terça-feira (21) começam a acontecer as reuniões para apresentar retorno formal do governo a todas as pautas específicas que foram apresentadas ao Planejamento. A expectativa é que as reuniões com todo o grupo de entidades aconteçam até o final de julho.

Mobilização

Está programada para esta quarta-feira (22), a realização de uma grande marcha dos servidores públicos federais para cobrar avanços nos processos de negociação com o governo. A mobilização é organizada pelas entidades que integram o Fórum e a expectativa é que mais de 3 mil servidores participem das atividades em Brasilia. 

As entidades também estão pedindo audiência com o ministro Miguel Rossetto, da Secretaria-Geral da Presidência da República, a fim de solicitar intervenção e auxílio do ministro no diálogo com o governo.

A CTB manifesta seu total apoio às lutas dos trabalhadores do serviço público federal e se mobiliza para que a pressão aumente, no sentido de as pautas de reivindicação sejam atendidas pelo governo.

Daiana Lima, de Brasília

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.