Sidebar

25
Seg, Mar

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

A executiva é completada por Francisco Assis na vice-presidência; vice-presidência, Mulheres Marcela Nogueira, Cléber Rezende Vice-presidência e Darlei Santos Vice-presidência Relações Internacionais e Transportes aquaviários. Na Secretaria Geral, Érico Albuquerque, Secretaria de Finanças José Jair, Secretaria de Formação e Cultura Vinícius Darlan, Secretário Imprensa e Comunicação Selma Melo, Secretaria de Assuntos Rurais Orlando Canuto e Secretário de Saúde, Segurança no Trabalho e Respeito Ambiental Regina Martins.

Compõe a direção plena os dirigentes Andrelino, Edimilson, Mirian, Paiva, Lucas, Gracionice, Luiz Otávio, Marcos Afonso, Luzia e Edmar Andrade. No conselho fiscal titular foram eleitos Joel, Helena, Ricardo Lemos, tendo como suplentes Maria Boiadeira, Antonia Ribeiro e Amiraldo. Na suplência da direção foram escolhidos Edgar, Luiz Neto, Aquino, Moacir, Pelé, Vera Lacerda, Fernanda, Camilo, Adamor, Jorge Elias, Rony, Junior, Paulo Cantor, Daniel Samarate, Dnair Araujo e Tamar Dias.

O Congresso iniciou às 8h30min, com ato político com a presença de Socorro Gomes, secretária Estadual de Justiça e Direitos Humanos do Pará; Neuton Mirando, presidente do PCdoB-PA; Orlando Bordalo, presidente do PSB-PA; João Batista, presidente do PT-PAa; Márcio Saldanha, representando a CUT-PA; Ivo Freitas, presidente da Força Sindical; Sulyvan Santa Brígida, da Federação Metalúrgicos Norte e José Marcos Marcão Fonteles, coordenador estadual CTB e David W. de Souza, vice-presidente da CTB nacional.

Durante o dia foi debatido o tema "Conjuntura Política e Projeto Nacional de Desenvolvimento", com Neuton Miranda, presidente do PCdoB-PA, e David W. de Souza, vice-presidente da CTB nacional. A seguir ocorreu o debate sobre a "Campanha Nacional pela Redução da Jornada de Trabalho sem Redução de Salário", com o economista Roberto Sena, coordenador do Dieese no Pará.

Na parte da tarde ocorreu discussão e aprovação do Estatuto e fundação da CTB-PA e aprovação do Plano de Luta. Ao final desse debate ocorreu a eleição e posse dos membros da primeira direção da CTB/PA.

Plano de lutas:

Pleno emprego

Contribuir significativamente na "Campanha Nacional pela Redução da Jornada de Trabalho sem Redução de Salários", que irá gerar no estado do Pará 70 mil novos postos de trabalho, com programações de massas para cumprir a meta de abaixo-assinados;  Lutar pela verticalização da economia do Estado, com agregação de valor e geração de emprego, considerando a potencialidade local, buscando responder ao déficit de aproximadamente 400 mil desempregos;  Lutar por investimento na infra-estrutura, no setor produtivo industrial e na agricultura familiar. 

Melhores salários

Desenvolver atividades por salários justos e maior renda para o trabalho no Estado, conjuntamente com as outras centrais sindicais; contribuir na luta nacional pela valorização do salário mínimo;
Denunciar e combater qualquer precarização de salário; lutar pela qualificação do Trabalhador. 

Fortalecer a organização sindical

Desenvolver uma campanha estadual de sindicalização, reforçando a sindicalização de jovens e mulheres; desenvolver Campanha de filiação de entidades sindicais na CTB-PA; defesa da unicidade sindical e do sistema contaguiano; ampliar e universalizar os direitos trabalhistas e previdenciários no estado; lutar pela erradicação do trabalho escravo e degradante e do trabalho infantil e de menores adolescentes; lutar pela regulamentação do mercado de trabalho, combater com rigor a terceirização e todas as formas de flexibilização e/ou precarização das relações entre capital e trabalho; combater com vigor todo tipo de discriminação seja de gênero, raça, etnia, idade ou orientação sexual, especialmente no ambiente do trabalho, exigindo igualdade de salários(para funções equivalentes) e melhores condições de trabalho; garantir os direitos dos portadores de necessidades especiais. 

Reforma agrária

Lutar pela efetivação da reforma agrária redefinindo os critérios de produtividade, limitando o tamanho das propriedades e expropriando o latifúndio; lutar por políticas agrícolas, créditos e infra-estrutura que priorize a agricultura familiar; combater a violência do latifúndio e do Estado contra os trabalhadores rurais; lutar pelo fim da impunidade dos crimes do latifúndio. 

Unificar a luta com o movimento social

Articular, com as entidades dos movimentos sociais, a reorganização da Coordenação dos Movimentos Sociais (CMS) no Pará; pugnar por ações conjuntas das centrais sindicais nas principais bandeiras do movimento político-sindical; ampliação dos espaços políticos favoráveis à luta dos trabalhadores; lutar por reformas democráticas estruturantes (política, tributária, agrária, urbana, educação e da mídia); construir, junto com a CMS e outras centrais uma plataforma unificada da classe trabalhadora para o pleito de outubro deste ano; influir nas eleições municipais de 2008 para eleger o maior número possível de prefeitos(as) e vereadores(as) comprometidos com a plataforma unificada dos movimentos sociais e com a luta dos trabalhadores.

Desenvolvimento do Estado

Lutar por um projeto de desenvolvimento sustentado com valorização do trabalho e renda para o Estado do Pará, que rompa com as desigualdades sociais e o atraso econômico; participação efetiva da CTB-PA na construção do Fórum Social Mundial (FSM) 2009; romover atividade autogestiva no Fórum Social Mundial – FMS sobre a Reforma Agrária, contra a violência do latifúndio e pelo fim da impunidade; trabalhar atividade autogestiva no FSM, que envolva o conjunto dos movimentos sociais na definição e encaminhamentos de agendas de luta; realizar oficinas que tratem dos seguintes temas:

- A juventude e o mundo do trabalho.
- A Mulher e o mundo do trabalho.

 

De Belém,
Marcão Fonteles

 

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.