Sidebar

25
Seg, Mar

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

A mineradora norueguesa Hydro Alunorte admite que jogou água com dejetos no Rio Pará, em Barcarena, região metropolitana de Belém, entre os dias 20 e 25 de fevereiro. Por causa desse desrespeito às normas ambientais, a Justiça achou por bem embargar 50% da produção da fábrica. 

Essa decisão da Justiça motivou a manifestação, que levou 5 mil pessoas às ruas de Barcarena nesta segunda-feira (19) pedindo o fim do embargo. “Estamos contra o embargo de 50% da produção da Hydro porque isso causa um impacto muito grande nas famílias de trabalhadoras e trabalhadores daqui”, diz Gilvandro Santa Brígida, presidente do Sindicato dos Químicos de Barcarena (SindQuímicos).

Brígida explica que a multinacional já determinou férias coletivas para mil trabalhadoras e trabalhadores, “o que só faz piorar a situação”. Por isso, argumenta, “não é com o embargo que se vai resolver a questão ambiental no município. Não existe outra opção de emprego na cidade. As administrações municipais nunca fomentaram o turismo ou a agricultura familiar”.

Para ele, o embargo agrava a situação porque afeta em demasia a economia local. Inclusive, conta que o SindQuímicos entrou com ação cautelar para garantir a estabilidade de emprego na Hydro.

sindquimicos protesto barcarena hydro 3O presidente do SindQuímicos de Barcarena teme o desemprego para muitas famílias “se o embargo continuar”. Porque já está prejudicando a economia e a situação pode piorar porque “as empresas que prestam serviços para a Hydro também podem demitir”. Ele afirma que o comércio já sente os efeitos da crise causada pelo embargo.

O SindQuímicos e a Associação Empresarial de Barcarena assinam nota conjunta na qual pedem uma saída “que equacione o direito humano ao meio ambiente equilibrado, o direito ao modo de vida das comunidades tradicionais, ao mesmo tempo que resguarde o direito ao trabalho”.

Marcos Aurélio Ruy - Portal CTB

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.