Sidebar

24
Seg, Set

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Lideranças do movimento social e sindical se reuniram nesta terça-feira (19), na sede nacional da CTB, em São Paulo, para debater propostas de resistência à venda e desmonte do setor energético brasileiro.

Participaram do encontro representantes da Movimento dos Atingidos por Barragem (MAB), Federação Única dos Petroleiros (FUP), Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) e das centrais sindicais CTB e CUT.

A iniciativa é da Plataforma Operária e Camponesa da Água e Energia e o movimento aborda a crise dos combustíveis, as reservas de pré-sal, o retrocesso imposto pelo golpe, o aumento nas tarifas de gás e luz e a tentativa de vender os recursos hídricos do país.

O documento apresenta "propostas para a luta popular" com informações importantes para subsidiar o debate público sobre as políticas adotadas pelo governo após o golpe. 

"Uma das luta do movimento é pela redução do preço dos combustíveis a patamares vigentes antes do golpe, durante o governo Dilma", afirma o dirigente nacional da CTB, Rogério Nunes. 

Segundo dados da Agência Nacional do Petróleo, os valores da gasolina estavam em torno de R$ 2,5 o litro em 2015 e passaram a quase R$ 4 hoje, enquanto o diesel que era R$ 2 chegou a R$ 3,3 no momento em que foi deflagrada a crise dos caminhoneiros, no mês passado. 

O botijão de gás de cozinha que custava cerca de R$ 44 no ano em que a presidenta Dilma foi reeleita passou a R$ 90, o que vem desencadeando tragédias sociais e humanitárias, com aumento nos casos de queimaduras domésticas causadas pelo uso de etanol para preparar alimentos.

Conheça as propostas do movimento:

1) Lutar contra a privatização, pela revogação do que já foi privatizado e por uma política energética a serviço do povo

2) Estimular a mobilização contra as altas tarifas e contra os aumentos absurdos nos preços do gás de cozinha, energia elétrica, água e combustíveis

3) Trabalhar para que toda a riqueza produzida com o petróleo, principalmente com o pré-sal, e nas usinas hidrelétricas sejam destinadas para a educação, saúde, direitos e geração de emprego para o povo brasileiro

4) Garantir que a industrialização de todos os processos de produção de petróleo e energia elétrica seja feita em território nacional, para geração de empregos de qualidade e direitos para o povo.

5) Promover um alto grau de desenvolvimento humano e adequada sustentabilidade ambiental.

Portal CTB - foto: Érika Ceconi

 

 

 

 

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.