Sidebar

25
Seg, Mar

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

O clima no IAPI, em Salvador, é de indignação total. A população local é terminantemente contra as mudanças no Banco do Brasil. A agência do bairro é uma das dezenas da cidade que devem fechar, em decorrência da reestruturação promovida irresponsavelmente pelo governo Temer. 

Os prejuízos para a população e funcionários são incalculáveis. No IAPI, há apenas uma unidade do BB, responsável pelo atendimento de clientes dos bairros da Cidade Nova, Caixa D´água, Santa Mônica, Pau Miúdo e Pero Vaz. Em dia de pico, mais de 600 pessoas passam pelo local.

Com o fechamento, o cidadão terá de pagar uma condução até a Liberdade ou Comércio para fazer uma operação. "Para o comércio o impacto será enorme. Só existe essa agência para atender a população do IAPI", desabafou a comerciante Rosângela Santos Fonseca, durante manifestação, realizada nesta quarta-feira (21/12), pelo Sindicato dos Bancários da Bahia (Seeb-BA).

Mesma opinião tem o mestre de obras, Luis Cláudio Barreto da Silva. "Nós que moramos aqui vamos ter de nos deslocar para outros bairros. É uma falta de respeito". Ele destaca que a agência só agregou benefícios aos moradores.

O presidente do SBBA, Augusto Vasconcelos, chamou atenção para as intenções do governo Temer, com a redução do quadro de pessoal, decorrente do plano de aposentadoria e da falta de reposição de funcionários, e o fechamento das unidades. A intenção é sucatear a empresa para facilitar a privatização, assim como fez Fernando Henrique Cardoso na década de 90.

Comovidos com a situação, funcionários, população e diretores do Sindicato deram um grande abraço na unidade. Também assinaram o abaixo-assinado contra o desmonte do Banco do Brasil.

Fonte: Seeb-BA

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.