Sidebar

18
Seg, Mar

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Considerado um dos mais importantes fotógrafos do mundo, o brasileiro Sebastião Salgado concedeu entrevista para a Rádio França Internacional (RFI), nesta terça-feira (19).  

Para Salgado, o processo de impeachment contra a presidenta Dilma é um jogo de cartas marcadas em que os mais ricos querem voltar ao poder. Para ele, o impeachment é um "golpe de Estado imoral".

O mineiro Sebastião Salgado completou 72 anos em fevereiro. Ele iniciou carreira em 1973 e se projetou com grandes trabalhos como um dos maiores fotógrafos do mundo. Com um olhar acurado e único. Suas fotografias espelham questões sociais e humanas, de beleza plástica, raramente vistas em imagens.

Entre muitos outros trabalhos, destacam-se dois produzidos nos anos 1990: Terra, onde conviveu e fotografou camponeses do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra), com um capítulo à parte dedicado às crianças. Depois viajou pelo mundo e seus cliques registraram Êxodos, sobre as viagens voluntárias ou forçadas realizadas por povos em diversas partes.

Leia mais

Fotografias de Sebastião Salgado são expostas em São Paulo

E o mais recente Genesis que arece consuma essa trilogia sobre a vida humana e sua relação com a natureza, além de mostraras mazelas de uma humanidade em busca de soluções para a vida.

Leia a entrevista na íntegra:

Vamos falar primeiramente do Brasil, um país atualmente dividido. De qual lado você está?

Com certeza não estou do lado que deu um golpe de Estado. A esquerda chegou ao poder com uma proposta interessante. Durante 400 anos tivemos apenas uma classe dominante no comando do país e, nos últimos 13 anos, houve uma verdadeira redistribuição de renda. São mais de 40 milhões de brasileiros que estavam abaixo da linha da pobreza e que passaram à classe média. Há políticas sociais muito mais interessantes que antes, mas a elite que perdeu o poder tenta voltar de todas as maneiras. Temos uma imprensa de direita que combate o PT. Não sou filiado ao partido, mas não concordo que se elimine a democracia no Brasil através de um golpe de estado imoral.

Você acha que se trata de uma revanche política?

Totalmente. Além disso, a classe que quer voltar ao poder é a classe mais corrupta que podemos imaginar. No mandato anterior de Dilma, houve 1.200 processos contra a corrupção.

O PT mantém suas promessas sociais? O país realmente foi transformado?

O PT não estava realmente pronto para promover mudanças das dimensões propostas. Havia uma base do partido que era corrupta e que teve o mesmo comportamento dos outros partidos. Temos também que cobrar o PT. Mas o balanço é o mais positivo que o Brasil já teve.

O que nós choca aqui na França quando escutamos o termo "golpe de Estado" é que não faz muito tempo que o Brasil passou por uma ditadura. É legítimo falar de golpe?

Poderíamos usar outro termo, mas parece um golpe. Estão tentando destituir um governo legítimo e democrático, é a primeira etapa de uma grande luta.

O que você achou do Prêmio Pulitzer dado a fotos de refugiados (dividido entre a agência de notícias Reuters e o jornal New York Times, este com fotos do brasileiro Mauricio Lima)?

Dizem que o fotojornalismo está morto, não é verdade. Ele conta a história. O que eu vejo nessas fotos é o espelho de uma sociedade. Hoje falamos muito de correntes migratórias como se fosse algo novo. Mas elas sempre existiram: a única diferença é que agora elas chegam à Europa. A história é exatamente a mesma.

A história é a mesma, e os dramas humanos continuam. A originalidade das suas fotos é o preto e branco. Por que essa escolha?

Nunca fotografei em cores. A cor provoca uma perda de concentração no momento de fotografar. Podemos dar poder e dignidade com o preto e branco. Desde 1980, trabalho com essa estética.

Portal CTB com RFI e Jornal GGN

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.