Sidebar

19
Dom, Ago

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

O sistema articulou todas as forças do poder: mídia, parlamento, judiciário, polícias e forças armadas, rasgaram a lei, a maior delas Constituição Federal e destruíram direitos: Um dos primeiros atacados foi a classe trabalhadora e sua organização.

O consórcio golpista afastou do poder uma presidenta eleita com mais de 54 milhões de votos, sem provas e cuja culpa se provou a seguir como inexistente. Colocou na condição de preso político a maior liderança política e popular existente no mundo atual, o presidente Lula.

O ataque vai além e avança sobre nossa soberania: Pré Sal, Energia, Embraer, água, base de Alcântara (MA) - para o projeto do submarino nuclear, chegando ao absurdo de prender o almirante da Marinha do Brasil e físico nuclear, Othon Luiz Pinheiro da Silva, de 77 anos condenado a 43 anos de prisão, em agosto de 2015, pelo juiz Sérgio Moro -; bancos públicos estão na mira das privatizações. O golpe também paralisa a pesquisa acadêmica, ameaça com educação pública; e desmonta a saúde.

Daqui mais dois meses teremos um grande momento - eleições gerais - no qual será necessário o maior engajamento de todos, sindicalistas, democratas, socialistas, para eleger o maior número de deputados e senadores, mudando o quadro atual.

Com destaque para o poder legislativo, concentrado, em sua ampla maioria, nas mãos dos poderosos, com hegemonia das bancadas do boi, da bala e dos bancos, que fazem um grande retrocesso na legislação e direitos da classe trabalhadora.

A hora é de lutar. É preciso responder aos desmandos do setor patronal e eleger os nossos representantes. Assim como é preciso arregaçar as mangas para eleger um presidente da república comprometido com a pauta da classe trabalhadora.

#Lula Livre

Jose Marcos Fonteles de Lima Araújo (Marcão Fonteles) é diretor da CTB Pará


Os artigos publicados na seção “Opinião Classista” não refletem necessariamente a opinião da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) e são de responsabilidade de cada autor.

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.