Sidebar

21
Dom, Out

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

As Eleições de 2018 ainda não começaram oficialmente, mas, há um ano o movimento sindical brasileiro debate a centralidade de elegermos representantes comprometidos com a agenda da Classe Trabalhadora e com um projeto nacional que retome o crescimento, gere emprego digno, combata a miséria e distribua a renda.

Raio-X do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (DIAP) revela que, hoje, mais da metade da composição do Congresso Nacional é formada por parlamentares identificados com o empresariado ou representantes das elites nacionais. Lembremos que, em 2014, a frente sindical foi reduzida quase à metade: de 83 para 46 parlamentares, o menor, desde 1988, quando 44 sindicalistas compunham a representação no Legislativo.

A luta geral cobra dos sindicatos, federações e confederações um reforço em sua resistência e a participação efetiva no processo que tomara a agenda dos amplos setores até outubro. E nunca é demais repetir que a UNIDADE será  uma aliada importante neste processo. 

Mudar a correlação de força no Congresso é um passo importante na luta para reverter a agenda implementada pelo golpe, consumado em 31 de agosto de 2016. A hora é de transformar a resistência que ocupa as ruas em votos e, assim, eleger candidatos que trabalhem pela revogação da reforma trabalhista e da Emenda Constitucional 95, que barre os ataques à Previdência Social e garanta o fortalecimento do Estado, como indutor do desenvolvimento.

Dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), indicam que 147,3 milhões de eleitores estão aptos para votar nas eleições de 7 de outubro, a maior da história do país. Segundo o TSE, o Brasil ganhou 4,8 milhões de eleitores em comparação com 2014. A maioria do eleitorado é composto por mulheres, com 77,3 milhões de votantes, 52,5% do total. 

Eleger parlamentares que não se comprometem as bandeiras citadas acima significa manter a agenda de retrocessos liderada por Michel Temer. O chamado é para um participação profícua, é preciso que a classe trabalhadora brasileira participe conscientemente das eleições de outubro deste ano, apoiando e elegendo representantes legítimos de seus interesses.

Desse modo, o desafio do movimento sindical nas eleições de 2018 será renovar o mandato dos atuais e eleger novos aliados da classe trabalhadora, preferencialmente os candidatos e candidatas provenientes do movimento sindical, seja para fortalecer nossa presença no Congresso, seja para enfrentar conjuntura adversa em que está mergulhado o país.

À luta!

Joanne Mota é jornalista e assessora da CTB Nacional.


 

Os artigos publicados na seção “Opinião Classista” não refletem necessariamente a opinião da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) e são de responsabilidade de cada autor.

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.