Sidebar

20
Sáb, Jul

Rurais
Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Começou hoje (30) em Brasília o 1º Congresso Extraordinário dos Assalariados e Assalariadas Rurais. O evento, promovido pela Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), e federações, vai até amanhã (31), com a presença de dirigentes sindicais e trabalhadores. Sob o tema "Por Contrato Formal, Trabalho Decente, Salário Digno e Políticas Públicas" o encontro visa discutir a situação dos trabalhadores assalariados rurais no Brasil e planejar ações voltadas ao desenvolvimento e valorização da categoria. 

Segundo a organização do evento, estes trabalhadores vivem uma realidade difícil. A classe enfrenta sérios problemas como a informalidade, baixos salários e falta de políticas públicas para o setor, com foco na geração de emprego, renda, qualificação e aposentadoria.

Presente no evento, Adilson Araújo, presidente da CTB, saudou a comissão organizadora do Congresso pela atitude de realizar o ato, considerado por ele de grande valia para a classe, diante do cerco que a instabilidade política e econômica impõe. Em discurso bastante aplaudido pelos participantes, Adilson fez uma análise da conjuntura atual e chamou atenção para a necessidade de o movimento sindical se unir para atravessar a crise sem perder a força. 

"Temos o grande desafio de fortalecer a luta frente a essa onda conservadora que está aí. Vivemos uma crise que, no nosso caso particular, não é somente econômica, mas sobretudo política, que está levando o País ao retrocesso", declarou. 

O dirigente da CTB enfatizou que o movimento sindical não deve abrir mão da luta política e as organizações que representam os trabalhadores devem se unir contra os ataques à democracia e aos direitos. "Temos o dever de defender o governo eleito democraticamente. Vamos ter que tomar partido. Se o movimento sindical se render, seremos derrotados por essa agenda do Congresso que trabalha para extinguir a CLT, os direitos sociais, trabalhistas, implementar terceirizações e impedir a reforma politica, afirmou Adilson". 

 

De Brasília, Ruth de Souza - Portal CTB

Foto: César Ramos

 

 

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.