Sidebar

20
Sáb, Jul

Rurais
Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Convocados pela Federação dos Trabalhadores em Agricultura de Minas Gerais (Fetaemg), mais de cem mil trabalhadores do campo e da cidade realizam nesta quarta-feira (15) em Minas Gerais uma grande mobilização contra a Proposta de Emenda Constitucional 287/2016 que promove uma ampla e nefasta reforma na Previdência Social.

Cerca de 100 mil trabalhadores de todo o estado, do campo e da cidade, vão unir-se e em uma só voz para dizer NÃO à PEC 287, considerada por especialistas altamente prejudicial para o conjunto da classe trabalhadora, em especial, para os trabalhadores e trabalhadoras do campo, que enfrentam condições adversas de trabalho. A mobilização ocorrerá simultaneamente em todas as gerências regionais do INSS.

16729331 1072839522861385 6233517534040023903 n

Organizada e coordenada pela Fetaemg e seus 529 Sindicatos filiados, representando mais de 1,5 milhão trabalhadores e trabalhadoras rurais, a atividade será realizada em outras regiões do país como São Paulo, Porto Alegre e Rio de Janeiro. Só em Minas mais de 600 ônibus estão previstos oriundos de todas as regiões do estado. Os manifestantes pretendem mostrar à sociedade o que está em jogo com a reforma de Temer.

A nova regra iguala e aumenta de 55 anos (mulheres) e 60 anos (homens) para 65 anos a idade mínima para o trabalhador e a trabalhadora rural se aposentarem.

“Somos contra o aumento da idade mínima porque isso exigirá maior tempo no labor rural, uma atividade penosa, o que lhes retira o direito a uma aposentadoria digna. O impacto será devastador para as famílias mais pobres que estão no campo pois a maioria delas hoje ameniza a fome com os recursos da aposentadoria rural”, afirmou Vilson Luiz, presidente da Fetaemg e secretário de Finanças da CTB nacional.

A mudança também estabelece a obrigatoriedade de uma contribuição individual, tendo renda ou não da agricultura, ignorando as variações sazonais. Atualmente essa contribuição é feita de forma indireta por meio da comercialização da produção e da comprovação na atividade rural, levando em consideração as condições da safra.

“É agora ou nunca. Temos que aniquilar esse governo ilegítimo que veio para retirar direitos de nosso povo. Não podemos mais ficar calados. Não é o primeiro nem o último ataque que ele provome contra a classe trabalhadora. Por isso a Fetaemg faz esse chamado e amanhã, a partir das primeiras horas do dia estaremos nas ruas para mais uma vez avisar qu não aceitaremos nenhum direito a menos. Contra a PEC 287. Contra  reforma da Previdência”, convocou o dirigente nacional da CTB.

Cinthia Ribas - Portal CTB

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.