Sidebar

18
Qui, Jul

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times
Sionista declarado, Lieberman classifica o Irã de terrorismo, a exemplo do que fez o ex-presidente dos EUA, George Bush, por apoiar grupos revolucionários da Palestina e do Líbano, o Hamas e o Hesbolah, que desenvolvem uma luta heróica contra a opressão israelense e contam com amplo apoio popular. O ministro inverte a realidade, pois na verdade ele é quem deve ser considerado, sem exagero, como terrorista.
     
Lieberman já defendeu publicamente a utilização de armas químicas e nucleares contra a Faixa de Gaza para "reduzir o tempo de conflito". Propôs afogar os prisioneiros palestinos no Mar Morto, transformar o Irã num aterro com bombardeios, fundou um partido de extrema direita (Yisrael Beitenun) e responde a processo na Justiça por envolvimento com a máfia Russa, fraude e lavagem de dinheiro. É uma figura desmoralizada internacionalmente e enfraquecida mesmo em Israel, que usa a visita ao nosso país para recuperar prestígio e legitimidade.

O Brasil é um país democrático, com um povo multirracial, tolerante e avesso às ideologias fundadas em preconceitos, discriminações e racismo. A intolerância, a discriminação e o fascismo, em suas diferentes tonalidades, formam o caldo de cultura para a opressão nacional, o extremismo reacionário e as guerras.

A defesa da paz e da democracia passa hoje pelo combate sem tréguas às ideologias racistas e seus representantes no plano político. A CTB traduz os interesses da classe trabalhadora, das centrais sindicais e do conjunto dos movimentos sociais ao repudiar a visita deste sionista indesejável.

São Paulo, 22 de julho de 2009


Wagner Gomes
Presidente da CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil)
0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.