Sidebar

26
Dom, Maio

Ciro Gomes

  • As manifestações contra o candidato da extrema-direita, Jair Bolsonaro, lotaram as ruas de ao menos 114 cidades em todas as unidades da federação do país. A maior delas, no Largo da Batata, em São Paulo, reuniu 500 mil pessoas, segundo a organização, durante todo o ato liderado pelo movimento Mulheres Contra Bolsonaro.

    A CTB marcou presença porque “nós queremos receber o 13º salário, o abono de férias e remuneração igual para trabalho igual”, afirma Gicélia Bitencourt, secretária da Mulher Trabalhadora da CTB-SP. Além disso, diz ela, “esse candidato representa o aprofundamento mais radical das reformas feitas por Michel Temer que causaram desemprego, recessão e retirada de conquistas fundamentais da classe trabalhadora”.

    Gente de todos os gêneros, cores, ideologias, idades, crenças religiosas, coloriram as ruas de São Paulo com a força das mulheres e da juventude para disseminar o amor contra o ódio. “Nós não aceitamos o retrocesso e a humilhação”, acentua Luiza Bezerra, secretária da Juventude Trabalhadora da CTB.

    Para ela, “as forças do campo democrático e popular unidos saberão dar um sonoro não à candidatura do ódio, das armas e da violência. O Brasil precisa de paz, de mais educação, mais saúde, mais justiça, com valorização do trabalho e combte às desigualdades”. Um cartaz dizia: "Vote como uma garota, ele não" e as mulheres cantavam alegres: "O Bolsonaro pode esperar, a mulherada vai te derrotar".

    A manifestação suprapartidária contou com a presença dos presidenciáveis Guilherme Boulos (PSOL), Marina Silva (Rede) e Vera Lúcia (PSTU) e das candidatas à vice-presidentas Manuela D’Ávila (Fernando Haddad), Kátia Abreu (Ciro Gomes) e Sonia Guajajara (Boulos), além de muitos artistas e candidatas e candidatos ao Congresso Nacional e à Assembleia Legislativa de São Paulo.

    “Nós defendemos a liberdade das mulheres, ele não. Nós defendemos o 13º salário, e o direito das trabalhadoras e trabalhadores, ele não. Nós gritamos ‘fora Temer’, ele não. Nós defendemos que as mulheres, os negros, os indígenas, LGBTs tenham dignidade e façam parte de um grande sonho de Brasil, ele não”, postou Manuela em seu Twitter.

    Parte dos manifestantes rumou em passeata por onze quilômetros até o vão do Masp (Museu de arte de São Paulo Assis Chateaubriand), na Avenida Paulista. Durante o percurso muitos "buzinaços" de apoio, um “Lulaço” improvisado com os trompetistas que puxam essas manifestações em diversos pontos do país e cantos e palavras de ordem pela liberdade.

    Por volta das 20h40, terminou o ato com a disposição de se manter o moivmento de resistência ao fascismo firme e forte, mesmo após a eleição. "As mulheres e a juventude mostraram que a unidade é possível para a superação da crise, com criação de empregos e de um projeto nacional de desenvolvimento voltado para os direitos de todas as pessoas", conclui Luiza 

    Marcos Aurélio Ruy – Portal CTB. Foto: Mídia Ninja

  • O vídeo a seguir mostra os últimos acontecimentos desde as manifestações contra o governo Dilma. Onde em nome do combate à corrupção, milhares foram às ruas. Aparece claramente a manipulação midiática para favorecer a trama golpista e levar à presidência da República o então vice-presidente Michel Temer e, com isso, barrar todas as investigações sobre corrupção. 

    Em entrevista para o canal golpista Globonews, Temer se trai e confessa golpe ao jornalista Roberto D'Ávila. “E ademais disso, pelo que sei, a senhora presidente utiliza o avião, ou utilizaria, para fazer campanha denunciando o golpe”, disse o presidente golpista. 

    O presidenciável do PDT, Ciro Gomes mais uma vez denuncia o golpe e diz que reconquistou, pelo Supremo Tribunal Federal, o direito de ser testemunha de defesa da presidenta afastada Dilma Rousseff. 

    Ao testemunhar em defesa da presidenta Dilma à Comissão de Impeachment, no Senado Federal, o servidor público, Orlando Magalhães da Cunha, ex-sub secretário de Planejamento e Orçamento do Ministério da Justiça, disse com todas as letras que Dilma não cometeu nenhum crime.

    Ele fez um desabafo e disse ainda que as mudanças de entendimento do Tribunal de Contas da União sobre os procedimentos fiscais está criando um clima de insegurança entre os servidores. "O TCU vai mudar de entendimento de uma hora para outra? Todos os servidores estão preocupados com isso", finalizou. 

    Abaixo o Procurador-Geral da República Rodrigo Janot lista algumas acusações contra o presidente da Câmara afastado, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), inclusive de ter contas bancárias na Suíça. 

    O ex-presidente do PSDB Sérgio Guerra, já falecido, fala em uma reunião na necessidade de paralisação de investigações sobre corrupção. 

    Integrantes do Levante Popular da Juventude, de Porto Alegre, escracharam o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) jogando purpurina contra as atitudes misóginas, homofóbicas e racistas do ainda deputado, réu no Supremo Tribunal Federal, acusado de fazer apologia ao estupro. 

    Portal CTB - Marcos Aurélio Ruy - Arte do destaque de Maria Dias

  • A esquerda deve iniciar a corrida presidencial deste ano apresentando pelo menos quatro concorrentes: Lula, que deve ser confirmado como candidato do PT até o dia 15; Ciro Gomes, pelo PDT; Manuela D´Ávila, que teve sua candidatura oficializada nesta quarta (1/8) em Convenção Nacional do PCdoB e Guilherme Boulos, pelo PSOL.

    Este quadro, porém, pode mudar em função de movimentos que objetivam unificar as forças de oposição para garantir um lugar no segundo turno e derrotar as forças conservadoras e de direita, representadas por Alckmin, Bolsonaro e Marina, entre outros presidenciáveis.

    Tanto Lula quanto Ciro, Manuela e Boulos defendem a revogação da reforma trabalhista e da Emenda Constitucional 95 que congelou os investimentos públicos por 20 anos, sacrificando a saúde, a educação e o desenvolvimento nacional.

    Portal CTB

  • As centrais sindicais CTB, CUT, CSB, NOVA CENTRAL e FORÇA SINDICAL entregaram a Agenda Prioritária da Classe Trabalhadora nesta quinta-feira (19) ao presidenciável Ciro Gomes.  O ato ocorreu no Congresso Nacional do PDT,  em Brasília.

    A CTB foi representada pelos seus dirigentes, Nivaldo Santana (Secretário de Relações Internacionais), Paulo Vinícius (Secretário de Relações do Trabalho) e o presidente em exercício da central,  Divanilton Pereira.

    "Os itens contidos neste documento são contribuições ao seu programa de governo, uma contribuição sob a ótica classista, que objetiva aperfeiçoar uma perspectiva desenvolvimentista que dialoga fortemente com  a retomada da democracia e do desenvolvimento no Brasil", disse Divanilton a Ciro Gomes.


     A “Agenda Prioritária da Classe Trabalhadora –Democracia, Soberania e Desenvolvimento com Justiça Social: Trabalho e Emprego no Brasil“, lançada em 6 de junho , apresenta 22 propostas estratégicas para recolocar o Brasil na trajetória do crescimento econômico e do desenvolvimento social. Entre os itens destacados estão o emprego, a reforma tributária, a prioridade para a educação, a atenção à saúde e o combate às desigualdades.

    O documento foi construído para ser entregue a candidatos aos legislativos e executivos estaduais, bem como aos que concorrem à Presidência da República, à Câmara dos Deputados e ao Senado Federal, com o objetivo de debater e apontar caminhos para a solução da crise político econômica que assola o país.

    De Brasília, Ruth de Souza  - Portal CTB

  • O Coletivo Nacional da Frente Brasil Popular (FBP) se reúne nesta segunda-feira (20), em São Paulo, para analisar a conjuntura política, com a provável presença do presidenciável do PDT Ciro Gomes e da filósofa Marilena Chauí.

    Além do debate, a FBP decidirá o calendário de lutas e a preparação de sua Conferência Nacional.

    “A frente tem atuado com firmeza para a união da classe trabalhadora com os movimentos sociais e partidos políticos democráticos para barrar o golpe da elite, aliada dos interesses estrangeiros no país”, diz Carlos Rogério Nunes, secretário de Políticas Sociais da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB).

    Ele explica que essa reunião é importante para que as mobilizações do novo calendário de lutas consigam abranger ainda mais setores da sociedade com o objetivo de “denunciar os prejuízos à nação com os projetos do governo golpista, diametralmente opostos aos interesses da maioria da população e do país”.

    Além dos temas já citados, os organizadores da FBP discutirão ainda a forma de preparar a greve geral e da marcha massiva programada para o dia 5 de agosto, na abertura da Olimpíada 2016, no centro do Rio de Janeiro.

    A pauta contém também o encaminhamento da preparação da Conferência Nacional da frente, programada para novembro. “Cada vez mais as forças democráticas entendem a necessidade de unir forças para vencer as ideias conservadoras veiculadas pela mídia golpista, que prega o pensamento único”, acentua.

    Além de ficar “patente a necessidade de ampliação dos horizontes culturais, aumentando assim o conhecimento da realidade”, diz Rogério. “Dessa forma poderemos intervir melhor e combater o neoliberalismo e o imperialismo com mais qualidade”.

    Para os organizadores da FBP, os últimos acontecimentos derrubaram a máscara do golpe, que tem a incumbência de acabar com a Operação Lava Jato e liquidar com os direitos sociais e trabalhistas conquistados nos últimos anos.

    “A Frente Brasil Popular tem o papel de aglutinar as forças que defendem um projeto de desenvolvimento voltado para os interesses da classe trabalhadora e que vise o permanente combate à desigualdade e às discriminações”, finaliza.

    Serviço:

    O que: Reunião Coletivo Nacional Frente Brasil Popular
    Quando: Segunda-feira (20), das 9h às 17h
    Onde: São Paulo, no Colégio Pio XI (Rua Pio XI, 1100 - Alto da Lapa)

    Portal CTB – Marcos Aurélio Ruy

  • Ao participar do 64º Conselho Nacional de Entidades Gerais da União Nacional dos Estudantes, O presidenciável do PDT, Ciro Gomes disse ao Portal Vermelho (ver abaixo) sentir até inveja do povo turco que saiu às ruas para defender a democracia e com isso reverteu a tentativa de golpe.

    “Vi mulheres tirando cinto e enfrentando baionetas, fiquei com muita inveja desse exercício de cidadania, claro que no Brasil tudo é diferente (...) mas a luta pela democracia e respeito à prevalência do voto popular, como único caminho de acesso à Presidência da República inspiradora é que deve nos orientar”, afirmou Ciro Gomes.

     Ciro Gomes diz que essa pode ser a última chance de a democracia vencer: 

    Já o advogado de defesa da presidenta Dilma, José Eduardo Cardozo, no mesmo evento disse que se o impeachment "fosse um julgamento normal, a absolvição já teria sido feita. No há acusações sérias contra a presidenta da República, proporcionado por setores golpistas que querem a afirmação de um projeto conservador para o país". 

    Resistência

    A presidenta Dilma atacou com firmeza os golpistas em ato promovido pela Frente Brasil Popular em Teresina, no Piauí, na sexta-feira (15). Nesta segunda-feria (18) ela estará na Universidade Federal do ABC, em São Bernardo do Campo (SP), proferindo uma palestra sobre educação, ciência e tecnologia, áreas estratégicas para o desenvolvimento do país, tão menosprezadas pelo desgoverno golpista.

    De acordo com a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), em depoimento exclusivo ao Portal CTB, a Comissão de Impeachment do Senado vota no dia 5 de agosto o processo de impeachment, e se aprovado, vai a plenário no dia 9. Para ela, há grandes possibilidades de o golpe ser enterrado nesse dia (saiba mais aqui).

    Portal CTB - Marcos Aurélio Ruy com informações do Portal Vermelho e do site da União Nacional dos Estudantes. Foto: Marcelo Casal Jr.

     

  • “Eleições 2018 – Todo Cuidado é Pouco”. Esse foi o tema da Assembleia Conjunta dos Trabalhadores Portuários, avulsos e vinculados, do estado do Espírito Santo, na manhã de hoje (27), na sede do Sindicato dos Estivadores – Centro de Vitória. A iniciativa dos sindicatos obreiros deve-se às eleições que ocorrerão no próximo dia 7 de outubro. O objetivo foi informar as vertentes políticas, analisando os pontos positivos e negativos de cada concorrente – Presidência da República, Senado, Câmara dos Deputados, Governos Estaduais e Assembleias Legislativas.

    José Adilson Pereira, presidente da Federação Nacional dos Estivadores (FNE), vice-presidente da Conttmaff e da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), presidente do Sindicato dos Estivadores ES e da Intersindical da Orla Portuária ES, abriu a Assembleia apresentando as conclusões e deliberações do último Congresso da FNE. O destaque foi para as ações a serem ultimadas visando proteger o Estado de Direito, elegendo parlamentares de tendências progressistas, nominando Fernando Haddad (PT) e Ciro Gomes (PDT).

    Com a participação de trabalhadores jovens na área portuária, José Adilson contou parte da história política dos portuários, que teve início marcante na era Collor, com a implantação da Lei dos Portos (8630/93). E, de lá pá cá, muita coisa aconteceu e muita bomba e bala de borracha foram enfrentadas na busca da manutenção dos direitos dos trabalhadores. Ressaltando a importância dessa Assembleia, para a atual conjuntura política nacional, ele ressaltou que “A escolha é sua. Mas o problema é de todos”, conclamando a participação dos trabalhadores no combate ao fascismo que espreita a sociedade brasileira.

    Eduardo Guterra, presidente da Federação Nacional dos Portuários (FNP), sugeriu a realização de novos encontros, como esse, para debater o Brasil, tendo como preletores pessoas com conhecimento histórico para informar fatos e consequências que não são divulgados pela grande mídia, nem pelas Academias.

    Ernani Pereira Pinto, presidente do Sindicato Unificado da Orla Portuária ES (Suport-ES), considerou “absurda a postura religiosa do Bolsonaro. Ele foi casado três vezes e prega a moralização da sociedade, da família; criminaliza os mais carentes em detrimento dos abastados”. Segundo ele, há perseguição ao Partido dos Trabalhadores (PT), por ser um partido defensor da população carente.

    Aerton Vieira, presidente do Sindicato dos Vigias Portuários ES (afastado por conta de candidatura à deputado estadual), emocionado, ressaltou a importância do evento para o País, como um todo. E agradeceu a união, a confiança e o apoio dos trabalhadores de base nas empreitadas dos Sindicatos.

    Fabiano Afonso Pereira, presidente do Sindicato dos Amarradores e Desatracadores de Navios ES, falou que está iniciando (está em seu primeiro mandato) e aprendendo muito. Reconhece a importância desse momento e que toda a sua categoria está engajada na luta pelos direitos trabalhistas.

    Josué King Ferreira, presidente do Sindicato dos Arrumadores e Trabalhadores de Capatazia nos Portos do ES, diretor da Fenccovib e vice-presidente da CTB ES falou sobre o momento histórico que estamos vivenciando. Segundo ele, o quadro político nacional que se apresenta não deixa dúvidas de onde o trabalhador deve deitar seu apoio. “A ala progressista parlamentar brasileira deve receber incentivo nas urnas e isso cabe a todos nós, num trabalho de formiguinha, aplicar em todos os nichos sociais que participamos”.

    Jorcy de Oliveira Filho, diretor do Sindicato da Guarda Portuária ES, falou da importância do evento como diretriz na busca de caminhos políticos, para o melhor da categoria, e que precisam alavancar candidatos progressistas. Ele falou, ainda, que “temos candidatos novos e alguns antigos que merecem a confiança dos trabalhadores. Temos instrumentos para a defesa do direito dos trabalhadores e devemos usá-los”.

    Alguns trabalhadores de base tiveram voz na Assembleia conjunta das categorias de trabalhadores portuários. Dentre as falas, todas emocionadas frente ao desafio imposto pelas políticas legislativa e econômica nacionais, pós Golpe Parlamentar, estão a retomada do poder do trabalhador frente ao empresariado ultraliberal, a união de todas as categorias de trabalhadores para fortalecer a luta e a participação, efetiva, nos movimentos públicos, independentemente do setor primário, prática sempre exercita pelos portuários capixabas. E, comprovando esse último, o presidente da FNE, José Adilson Pereira, leu para os presentes Carta Aberta da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenarj), que faz um breve histórico dos momentos sombrios que o Brasil viveu durante a ditadura civil-militar e conclama toda a sociedade para o enfrentamento de mais essa batalha.

    Andréa Margon – jornalista do Sindicato dos Estivadores ES

  • A mais recente pesquisa divulgada nesta quarta-feira (15) pela Confederação Nacional do Transporte (CNT) e a MDA Pesquisas, aponta crescimento significativo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT-SP) na disputa de 2018.

    O levantamento feito entre os dias 8 e 11, em 138 municípios, ouvindo 2.200 pessoas revela que em pesquisa espontânea (quando não é citado nenhum nome), para o primeiro turno, o ex-presidente tem 16,6%, seguido por Jair Bolsonaro (PSC-RJ) com 6,5%.

    “Essa pesquisa revela que mesmo com toda a mídia burguesa massacrando o Lula, desde 2005, o ex-presidente continua vivo na memória e na alma do povo brasileiro”, assinala Carlos Rogério Nunes, secretário de Políticas Sociais da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB).

    Na pesquisa estimulada (quando os possíveis candidatos são apresentados), o ex-presidente se mantém na frente em todos os cenários experimentados. Numa hipótese do primeiro turno, Lula aparece com 30,5%, seguido por Marina Silva (Rede-AC) 11,8%, Bolsonaro 11,3% e Aécio Neves (PSDB-MG) 10,1% em empate técnico.

    Já sem o senador mineiro Aécio Neves, Lula sobe para 31,8%, seguido por Marina Silva (12,1%), por Bolsonaro (11,7%) e o governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) aparece em quarto lugar com 9,1%, todos em empate técnico.

    Agora sem Ciro Gomes (PDT-CE) e sem Alckmin, Lula continua em primeiro lugar com 32,8%, Marina Silva vem em segundo com 13,9%. O ex-presidente mantém a liderança também em todos os cenários apresentados para o segundo turno.

    “O povo não é bobo. A direita jogou pesado contra a presidenta Dilma, golpeando a democracia, com o slogan de combate à corrupção e da salvação da economia. Todo mundo está vendo que desde então a crise brasileira tem se acirrado”, afirma Nunes.

    Para ele, os projetos do governo Temer que “visam acabar com conquistas históricas da classe trabalhadora, estão motivando as pessoas a repensar suas atitudes. As reformas da Previdência e trabalhista, o descaso com a educação e a saúde públicas, entre outras medidas podem estar ligando o sinal de alerta na população que trabalha.

    Veja a pesquisa completa aqui.

    Portal CTB – Marcos Aurélio Ruy. Foto: Ricardo Stuckert

  • O Instituto Ipsos divulgou a pesquisa Barômetro Político nesta quarta-feira (26). Os dados revelam que Michel Temer é o político mais rejeitado da história do país. Somente 4% dos entrevistados julgam o seu governo como ótimo e bom.

    Enquanto 75% das pessoas classificaram o governo ilegítimo como ruim ou péssimo. “É um claro sinal das políticas desastrosas desenvolvidas por Temer tanto para o país, quanto para a classe trabalhadora”, analisa Carlos Rogério Nunes, secretário de Políticas Sociais da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB).

    Além de reprovação recorde, o presidente ilegítimo vê a sua aprovação pessoal despencar. Somente 10% dos entrevistados aprovam a atuação de Temer. Enquanto 87% o desaprovam. “Não poderia ser diferente. Além de chegar ao poder sem voto, Temer constituiu um governo sem mulheres, sem negros, persegue os LGBTs e ainda por cima governa contra os pobres”, afirma Ivânia Pereira, secretária da Mulher Trabalhadora da CTB.

    A pesquisa Barômetro Político mostra também que para 92% dos pesquisados o Brasil está no rumo errado. O levantamento ouviu 1.200 pessoas em todo o país. Foi-lhes pedido que opinassem sobre 27 personalidades do mundo político e jurídico.

    E para tirar o sono de vez de Temer e seus aliados, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é o político com maior aprovação do país. Lula tem a aprovação de 34% dos entrevistados. O melhor colocado do PSDB é José Serra com 18%. Já Ciro Gomes teve 11% das preferências.

    A pesquisa foi feita na primeira quinzena de abril. “Os dados revelam que as centrais sindicais e os movimentos sociais estão no rumo certo de combater tenazmente esse governo ilegítimo”, afirma Nunes.

    Portal CTB – Marcos Aurélio Ruy. Foto: Bria Webb/Reuters

  • Diante do cenário do 2º turno, com dois projetos políticos bem distintos, a Contag e as federações reafirmam o seu posicionamento de total apoio político, dentro do que prevê a legislação eleitoral, à candidatura de Haddad/Manuela à Presidência da República, por entender que esta candidatura apresentou um programa alinhado com o desenvolvimento sustentável, a soberania nacional, a agenda da classe trabalhadora e da maioria do povo brasileiro e, sobretudo, comprometido com a reforma agrária e com a defesa e valorização da agricultura familiar.

    Esse projeto, inclusive, está recebendo vários apoios, como o de Ciro Gomes, Marina Silva, Guilherme Boulos, do PSB, de setores importantes do PSDB, de setores dos evangélicos, de bispos da Igreja Católica e de todas as centrais sindicais.

    Haddad anunciou que pretende manter e aprimorar a política de valorização do salário mínimo, que foi uma das principais ações dos governos Lula e Dilma. De 2003 a 2018, o salário mínimo passou de R$ 240 para R$ 954, um reajuste de 377% ao longo desse período.

    Esse também é o projeto que defende a Aposentadoria Rural e os benefícios previdenciários, que são importantes políticas de distribuição de renda para a maioria dos municípios, principalmente para o meio rural brasileiro.

    Mais especificamente sobre a agricultura familiar, Haddad fez o compromisso de recriar o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), fortalecendo as pautas da agricultura familiar. Em seu programa, detalha que outras ações serão a efetivação da reforma agrária, a democratização da propriedade da terra, a retomada de programas estratégicos como o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), e a ampliação da aquisição de produtos orgânicos para a merenda escolar em todo o Brasil. A questão da alimentação saudável é uma grande diferença entre os dois projetos. Haddad defende a redução do uso de agrotóxicos, já Bolsonaro defende o PL do Veneno (PL 6299/02).

    Também destacamos que é um projeto que respeita as mulheres e que defende ações de geração de emprego e renda para a juventude; bem como pretende ampliar os investimentos em saúde e educação, e combater o aumento da violência no campo.

    Para nós, o outro projeto oferece o risco de enfraquecimento do movimento sindical, como já amplamente divulgado pelo candidato, pois votou favorável à reforma trabalhista e é contrário à contribuição sindical.

    A nossa luta é importante, acumulamos muitas conquistas para os trabalhadores rurais agricultores e agricultoras familiares ao longo de mais de meio século de organização sindical. Não podemos permitir que a categoria trabalhadora rural seja prejudicada por optarmos pela defesa de um projeto democrático e popular.

    É importante não nos deixarmos levar por notícias falsas que estão circulando na internet na tentativa de mudar o seu voto, de te manipular e de disseminar o ódio, o preconceito e a violência. A Polícia Federal está investigando as mentiras que estão circulando na campanha eleitoral, por isso, evite compartilhar informações que não saiba sua verdadeira origem.

    Orientamos, também, que as direções das federações e sindicatos dialoguem com a base sobre os riscos para a agricultura familiar dependendo do resultado dessas eleições. A agricultura familiar é fundamental para o desenvolvimento do País, não podemos perder nossas conquistas e os nossos direitos. Vamos à luta!

    Direção da Contag