Sidebar

27
Qui, Jun

Dia do Basta

  • Mais de 10 mil trabalhadoras e trabalhadores estiveram a avenida Paulista, na manhã desta sexta-feira (10) – Dia do Basta – para mostrar a sua indignação com a situação do país, pós golpe de Estado.

    Em todo o Brasil, o Dia do Basta mobilizou diversas categorias, como metalúrgicos, professores, trabalhadores dos Correios, bancários, petroleiros, servidores públicos, químicos, rodoviários e comerciários.

    Haviam representantes de sete centrais sindicais e de diversos movimentos sociais, em frente à sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), a entidade que exibiu um pato amarelo em favor do impeachment da presidenta Dilma.

    “Eles falaram que teríamos empregos e salários melhores. Prometeram acabar com a crise que chegou ao Brasil, mas o remédio deles é extremamente amargo para a classe trabalhadora e salva apenas o pescoço dos ricos e nós é que estamos pagando o pato”, diz Wagner Gomes, secretário-geral da CTB.

    As falas de sindicalistas e representantes de movimentos sociais foram se sucedendo no caminhão de som, com a palavra de ordem “Lula Livre” dominando a cena. “O golpe de 2016 só fez a crise piorar. Michel Temer e sua turma estão entregando as nossas riquezas e exterminando as conquistas da classe trabalhadora e do povo”, afirma Ronaldo Leite, secretário de Formação e Cultura da CTB.

    Leia mais

    Protesto em São Paulo acontece agora em frente à Fiesp, patrocinadora do golpe. ASSISTA

    Por volta das 11h15, começaram os discursos dos presidentes das centrais. Adilson Araújo, presidente licenciado da CTB, enaltece a unidade das centrais sindicais. Ele defende a unidade do campo democrático e popular no segundo turno das eleições para dar um basta definitivo ao neoliberalismo implantado por Temer.

    De acordo com Araújo, “75% da população já reconhece que a vida piorou com o golpe”, além disso, “o desemprego e o trabalho informal crescem assustadoramente. As famílias não podem mais comprar um botijão de gás”.

    dia basta sp paulista 2018

    Ele denuncia também “a degradação humana” causada pelos efeitos nefastos “da reforma trabalhista e da política de austeridade de Michel Temer”. Sheyla Melo, secretária-geral do Sindicato dos Educadores da Infância de São Paulo, lembra que os retrocessos são muitos, como “a reforma do ensino médio e a Emenda Constitucional 95 que afetam negativamente a educação pública e o SUS”.

    Após todos presidentes de centrais discursarem, teve início uma marcha até a sede da Petrobras, também na avenida Paulista. Divanilton Pereira, presidente em exercício da CTB, encerra o ato em defesa da Petrobras, “a maior empresa brasileira, sucateada para ser entregue a empresas estrangeiras a preço de banana”.

    Para ele, “a Petrobras é o Brasil, é desenvolvimento. A Petrobras é fundamental para o país retomar o crescimento com distribuição de renda e com maiores investimentos nas áreas sociais, especialmente da saúde e educação”, conclui.

    Marcos Aurélio Ruy - Portal CTB

  • “Para defender as conquistas da classe trabalhadora e do povo brasileiro”, diz Luciano Simplício, presidente da CTB-CE, as trabalhadoras e os trabalhadores cearenses fazem uma Plenária Sindical e Popular nesta terça-feira (7), às 14h, em Fortaleza.

    De acordo com Simplício, a plenária é preparativa do Dia do Basta - 10 de agosto. As  centrais sindicais organizam esse protesto, juntamente com as frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, para “derrotarmos o golpe que trouxe que está exterminando com a nação brasileira”, complementa.

    A plenária ocorre na sede da CUT-CE, na rua Sólon Pinheiros, 915, bairro José Bonifácio, Fortaleza.

    Participe!

    Portal CTB

  • Em uma plenária na quinta-feira (2), as trabalhadoras e os trabalhadores maranhenses preparam uma agenda de organização do Dia do Basta - 10 de agosto -, em São Luís, capital do estado. “A unidade é a nossa força”, diz Joel Nascimento, presidente da CTB-MA.

    Ele conta que nesta segunda-feira (6) ocorre uma plenária na sede do Sindicato dos Bancários do Maranhão para finalizar os preparativos para a realização de “um grande ato e dar um basta nos desmandos do desgoverno Temer”.

    Já na terça-feira (7) haverá panfletagem nas proximidades da rua Deodoro, perto da Caixa Econômica Federal, próximo ao Passeio, às 8h da manhã e às 17h, no Terminal de ônibus da Praia Grande.

    O Sindicato de  Alimentos fará um esquenta para o Dia do Basta, na avenida Norte Sul Cohatrac lV ao lado do Supermercado Marciel, na quarta-feira (8), às 6h da manhã. Uma panfletagem acontece na quinta-feira, às 17h, no Terminal de ônibus do São Cristóvão.

    O grande ato do Dia do Basta, começa às 6h da manhã, na Barragem do Bacanga, em frente ao portão da Universidade Federal do Maranhão com uma caminhada posterior até Cajazeira. "Basta de desemprego, basta de aumentos no gás de cozinha, basta de recessão", são as palavras de ordem.

    Portal CTB

  • Centrais sindicais se reuniram na quarta-feira (25) e avançaram na unidade

    Cleber Rezende, presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil, seção Pará (CTB-PA), garante que o Dia do Basta - 10 de agosto -, no Pará, contará com a presença das centrais sindicais e dos movimentos sociais para “barrar a política de austeridade de Temer, por Lula Livre e pela realização de eleições limpas, que expressem a vontade popular”.

    Rezende conta ainda que a Frente Brasil Popular fará uma plenária no dia 6 e, no dia 8, ocorre nova reunião para finalizar os acertos do grande ato no mercado de São Brás, centro da capital Belém, às 17h, no dia 10.

     “As ruas de Belém ficarão pequenas, porque ninguém aguenta mais esse desgoverno”, diz. “Os paraenses mostrarão que são de luta para resistir aos desmandos tanto do governo federal quanto do estadual”.

    O sindicalista afirma que nesse ato será elaborado um projeto a ser entregue ao governador do Pará, Simão Jatene (PSDB) contra as políticas recessivas e de cortes orçamentários nas áreas sociais, além de defender a democracia e o diálogo para superar a crise.

    Portal CTB

  • O Dia do Basta – 10 de agosto – está chegando e a CTB-SE juntamente com CUT, UGT e a Frente Brasil Popular vai lotar as ruas de Aracaju nesta sexta-feira, às 15h, na Praça General Valadão, no centro.

    Vamos dar “um sonoro não ao retrocesso”, diz Adêniton Santana, presidente da CTB-SE. Segundo ele, sempre que acontecem grandes atos, “as pessoas já mudam de postura e passam a participar mais das discussões sobre o desmonte que o governo golpista está fazendo no país, exterminando nossos direitos”. Ele cita as eleições como essenciais para mudar os rumos.

    diadobasta ctb se

    “As pessoas estão perdendo o emprego, ficando mais pobres e os bilionários cada vez mais ricos”, complementa. Por isso, “as eleições de outubro são fundamentais para o Brasil retomar o caminho do crescimento sustentável, autônomo e com distribuição de riquezas”.

    Portal CTB

  • Na manhã desta sexta-feira (10), ocorreram mobilizações em todo o país, convocadas pelas centrais sindicais, com o nome de Dia do Basta. Os atos tinham como objetivo tomar as ruas e dizer não a retirada de direitos, não as reformas propostas pelo governo Temer e defender a justiça do trabalho.

    Em Porto Alegre, o Dia do Basta começou às 8h30, na frente da sede da Fecomércio.

    "Estamos aqui na frente da Fecomércio, entidade símbolo do retrocesso imposto por Temer e seus aliados. Estamos aqui para dizer que estamos na luta, em defesa dos trabalhadores, dos direitos e da justiça do trabalho", destaca Guiomar Vidor, presidente da Fecosul e CTB-RS.

    O próximo ponto de parada da caminhada dos trabalhadores foi o Palácio Piratini, onde o grupo criticou o desgoverno de Sartori. "Sartori ataca os professores, os servidores públicos, entrega nosso Estado e não apresenta saídas para a crise", destacou Vidor.

    A caminhada terminou na frente do TRT4, em apoio a justiça do trabalho. Cerca de 3 mil trabalhadores de todo o RS, mesmo sobre vento forte e muito frio, participaram da atividade.

    Por fim, Guiomar Vidor destacou a unidade das centrais na luta. "O ato demonstra unidade dos trabalhadores na luta e resistência contra a reforma trabalhista e os retrocessos. Nossa unidade é fundamental neste momento", disse.

    Juliana Figueiró Ramiro - Assessoria Comunicação CTB-RS

  • Em plenária realizada nesta quinta (02), no Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores em Transporte Rodoviário Urbano de São Paulo (Sindmotoristas), os trabalhadores e trabalhadores dos diferentes modais de transporte debatem a centralidade da mobilização da sociedade para o dia 10 de Agosto, Dia do Basta!

    Representando a CTB, Zé Carlos Negrão, lembrou que "Somente com luta reverteremos essa agenda que condena milhões ao desemprego e miséria. Sofre todo mundo e o trabalhador e trabalhadora do Transporte já sente na pele o impacto do pacote do governo golpista".

    "A classe trabalhadora enfrenta uma conjuntura de grandes desafios. O Dia de Agosto será uma dia de luta para externarmos os ataques aos direitos que prejudicam o conjunto da sociedade. Estamos mobilizando a base para se somar nesta luta", afirmou Wagner Fajardo, coordenador geral do Sindicato dos Metroviários de São Paulo, ao sinalizar que a entidade está firme na mobilização para o dia 10 de agosto.

    Ao ressaltar a importância da participação do setor de Transportes, Luiz Gonçalves, o Luizinho, presidente da Nova Central-SP,destacou que "a unidade será fundamental para a construção do dia 10 de agosto. E o setor de transportes é fundamental para tornar isso possível."

    ORIENTAÇÕES

    DIA 10 DE AGOSTO | Em todo o Brasil | Dia Nacional do Basta!

    O que é?

    Organizado pelas Centrais Sindicais, tem como objetivo paralisar os locais de trabalho e mobilizar as bases sindicais e os movimentos sociais em manifestações de PROTESTO contra o desemprego crescente, contra a retirada de direitos da classe trabalhadora, contra as privatizações, pela revoção da Emenda Constitucional 95 (EC95), da reforma trabalhista e da lei que libera a terceirização irrestrita. Além de alerta sobre a ameaça da Reforma da Previdência e os ataques à Democracia e ao Estado Democrático de Direito.

    Serviço

    Dia Nacional do Basta! - Em todo o Brasil
 - 10 de Agosto 

    São Paulo
    Em frente à Fiesp, às 10h

    Mais informações
    
Assessoria de Imprensa e Comunicação - (11) 98442-9245

  • Representantes da Federação Nacional dos Trabalhadores em Água, Energia e Meio Ambiente (Fenatema) e a Federação Nacional dos Urbanitários (FNU) e da Frente Nacional pelo Saneamento Ambiental (FNSA) estão colocando em ação as estratégias que foram elaboradas na reunião do último dia 19 de julho, em Brasília, com o objetivo de planejar estratégias para impedir a aprovação no Congresso Nacional da Medida Provisória 844/2018 – a MP do Saneamento – que altera o marco legal do saneamento básico no Brasil.

    Estão sendo realizados encontros com entidades para reafirmar apoio e participação na agenda de atuação conjunta. As principais atividades já agendadas:

    . 8 de agosto – reunião com o presidente do Senado, Eunício Oliveira;
    . 10 de agosto – participação no Dia do Basta, enfatizando a luta contra a MP do Saneamento;
    . 30 de agosto – Dia Nacional de Mobilização dos Trabalhadores em Saneamento.

    Além disso, estão sendo tomadas medidas judiciais e construída uma campanha para mobilizar a sociedade e trabalhadores, explicando o retrocesso que representa ao país essa edição da MP do Saneamento. Também devem ser reforçadas as ações para pressionar os parlamentares nos estados e em Brasília para que barrem em Plenário essa propositura.

    Segundo o coordenador da FNSA e diretor da FNU, Arilson Wunsch as entidades e os trabalhadores estão somando forças para anular a Medida Provisória junto aos parlamentares. “O resultado da reunião da Frente foi extremamente positivo, porque tivemos a oportunidade de analisar as partes mais danosas da MP, que poderão trazer graves problemas para a sociedade brasileira e não apenas para as companhias estaduais e municipais de saneamento”, comenta.

    A Frente Nacional pelo Saneamento Ambiental foi criada em 1997, com a participação de entidades, sindicatos, trabalhadores e movimentos sociais que defendem a universalização e do acesso aos serviços de saneamento. A FNSA também luta para que os serviços de saneamento sejam públicos e prestados com qualidade e controle social.

    Entidades realizam Dia Nacional contra a MP do Saneamento

    Quatro entidades do setor – Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (ABES), Associação Brasileira de Agências de Regulação (ABAR), Associação Brasileira das Empresas Estaduais de Saneamento (AESBE), Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento (ASSEMAE) – realizaram em 31 de julho, o Dia Nacional contra a MP do Saneamento.1-nao-mp-do-saneamento-melhor

    Adesão ao manifesto contra a MP do Saneamento

    A FNSA elaborou um Manifesto contra a MP do Saneamento.“Não se pode aceitar que este governo federal, visando implementar a privatização da área de saneamento básico no país, imponha alterações profundas e complexas, que de forma casuística mutilam e desfiguram completamente a Lei Nacional de Saneamento Básico, por meio de Medida Provisória, atropelando a Constituição Federal, especialmente restringindo a possibilidade de prestação deste serviço público por meio da cooperação entre entes federados, apenas aos casos onde não houver interesse da iniciativa privada. “

    Clique aqui para conhecer o Manifesto e fazer sua adesão.

    O Senado Federal abriu Consulta Pública sobre a medida provisória (MP 844/18), a chamada MP do Saneamento, que altera o marco legal do saneamento básico e altera a Lei nº 9.984, de 17 de julho de 2000, para atribuir à Agência Nacional de Águas competência para editar normas de referência nacionais sobre o serviço de saneamento.

    Na prática, é a medida prevê a privatização do saneamento.

    Vote contra essa medida na Consulta Pública do Senado.

    Mãos à obra. Vamos votar Não e pedir aos familiares e amigos para votarem Não também. Juntos vamos impedir a privatização do saneamento!

    Leia a íntegra da MP do Saneamento: MP-844-18 – MP do Saneamento

    Não vamos deixar que a MP do Saneamento seja aprovada pelo Congresso!
    Urbanitários em luta: contra à privatização do setor elétrico e do saneamento!

    Fontes: Sintema-SC