Sidebar

19
Sex, Jul

Frente Brasil Popular

  • Os movimentos sociais liderados pela Frente Brasil Popular, da qual a CTB faz parte da coordenação, estão mobilizando suas forças em todo o país para a realização de manifestações descentralizadas no dia 18 de março (sexta-feira). O ato servirá de intermediário para a Marcha Nacional Unficada, que levará centenas de milhares de trabalhadores e trabalhadoras a Brasília no dia 31.

    “A CTB está ativa na organização do grande ato do dia 18. Realizaremos protestos nas principais capitais e cidades do Brasil, com um caráter bastante definido: pela democracia, contra qualquer tentativa golpista, pela retomada do crescimento econômico e pela defesa dos direitos dos trabalhadores e do direito previdenciário”, explicou o vice-presidente da Central, Nivaldo Santana. “Por isso achamos importante que as CTBs estaduais, as entidades sindicais filiadas e o conjunto dos trabalhadores contribuam com essa grande mobilização. O povo mobilizado, organizado e consciente será capaz de deter e superar a atual onda conservadora no nosso país”, conclamou.

    A manifestação dará continuidade às várias ações promovidas em defesa da democracia desde 2013, e terá importância central na resistência contra o ato conservador do próximo domingo (13). “Temos que lutar para convencer a sociedade de que é preciso avançar, e não retroceder. Quem viveu no Brasil na época da ditadura militar, na época do projeto neoliberal, tem obrigação de participar no dia 18 para garantir nossos direitos e um Brasil democrático”, disse Celina Areas, secretária nacional de Formação e Cultura da CTB.

    Para o presidente da Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil, Adilson Araújo, as manifestações conservadoras colocam um desafio de resposta aos movimentos sociais e sindicais brasileiros. “É evidente que se manifestar é um direito do Estado democrático, mas a incitação ao ódio, agressões, preconceito contra pobres e negros, sobretudo aos nordestinos e imigrantes, presentes naquelas organizadas pelas lideranças conservadoras, trazem de volta o racismo e a xenofobia, coisas que se enfraqueciam neste país. Penso que isso tem que ser combatido veementemente”, analisou. Para ele, trata-se sobretudo de uma tentativa de reconquista do poder por vias autoritárias, distantes do voto popular. “A direita perdeu as eleições, seria sensato esperar 2018 para disputar novamente. Nesse quadro de instabilidade, com um Congresso desmoralizado e paralisado, perdemos todos, o Brasil e o povo brasileiro”, concluiu.

    Os detalhes da mobilização serão providos nos próximos dias pela Frente Brasil Popular.

    Portal CTB

  • Convocamos o povo brasileiro à resistência diante da ameaça fascista representada na candidatura Bolsonaro. O desprezo de Jair Bolsonaro pela democracia não consta somente no seu passado, mas é expresso cotidianamente por sua campanha que defende abertamente um projeto autoritário e excludente, prevendo até mesmo a eliminação física dos seus opositores. 

    Independentemente das colorações partidárias, esta é a hora de todos aqueles que defendem a democracia saírem às ruas e disputarem a opinião pública. Sabemos que a única forma de impormos uma resistência a essa onda fascista é através da eleição de Fernando Haddad.

    Ainda é tempo de virarmos esta eleição, há uma percepção crescente do perigo que representa a vitória de Bolsonaro. Mas para transformarmos essa percepção em apoio à Haddad é preciso nos mobilizarmos, de hoje até o dia 28.

    É fundamental conversarmos com as pessoas próximas, mas também irmos de porta em porta dialogando com o povo sobre o que está em jogo nesta eleição. Não podemos deixar que o medo da violência praticado pelos apoiadores de Bolsonaro nos intimide. Temos que nos precaver andando sempre em grupos, e não caindo em provocações, mas devemos sair às ruas com a cabeça erguida de quem está do lado certo da história.

    Além disso, precisamos nesta reta final disputarmos as ruas. Para tanto, estamos convocando um grande ato nacional a ser realizado no próximo dia 24 de outubro, quarta-feira, às 17h no Largo da Batata em São Paulo.

    O comício da virada, além de lideranças do movimento popular e personalidades de diversos setores da sociedade, contará com a presença de Haddad e Manuela.

    Por fim, no dia 27 de outubro, sábado véspera da eleição, será um novo dia nacional de mobilização. É fundamental que em todas as cidades se organize algum tipo de manifestação, seja em formato de carreata, caminhadas ou atos públicos.

    Esta será uma semana decisiva em nossas vidas, não devemos medir esforços para evitar que esta ameaça ao nosso país se concretize. É hora de defendermos o Brasil, de defendermos a Democracia.

    Frente Brasil Popular
    Frente Povo Sem Medo

    Serviço:

    24/10 - Largo da Batata, São Paulo, às 17h

    27/10 - atos em todo o Brasil

    Portal CTB

  • Educação  vai parar em toda a Bahia!  A APLB-Sindicato informa que será paralisação das redes Estadual e Municipal de educação no dia 24 de Maio – Dia do Ocupe  Brasília.  Em Salvador,  a  concentração será  no Campo Grande às  15h.

    A APLB-Sindicato está  colocando 20 ônibus para ir à Brasília, 18 saindo das regionais e 2 saindo de Salvador, levando os trabalhadores em educação  para participar do Ocupe Brasília. Os trabalhadores  em educação que podem ir à Brasília   devem enviar e-mail para:  Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

    “A orientação é para que todos os trabalhadores em educação e outras categorias e  lideranças sindicais participem do protesto e das manifestações neste dia. Por isso, estamos convocando aqueles que não puderem ir à Brasília para o ato  que contará com a participação de 100 mil pessoas, para participar da caminhada que a Frente Brasil Popular e as centrais estão organizando em Salvador”, destaca Rui Oliveira coordenador-geral da APLB-Sindicato.

    O protesto é parte das mobilizações do Ocupe Brasília, ato unificado das centrais sindicais e dos movimentos populares em defesa dos direitos sociais, trabalhistas e previdenciários.

    “Esta será uma das maiores mobilizações do movimento sindical nos últimos anos, na justa luta contra o golpe e em defesa dos direitos das trabalhadoras e trabalhadores brasileiros”, diz em nota o presidente da CTB, Adilson Araújo.

    Fonte: APLB-Sindicato

  • Nesta quarta-feira (25), a Frente Brasil Popular, que reúne movimentos sindicais e sociais, realizou nova plenária para deliberar sobre o próximos passos da luta contra o golpe. O evento aconteceu na cidade de São Paulo na quadra dos Sindicato dos Bancários de São Paulo, e teve na mesa a presidenta da UEE-SP, Flavia Stefanny; Raimundo Bonfim, da Central de Movimentos Populares; Orlando Silva, deputado federal pelo PCdoB; uma integrante da Marcha Mundial das Mulheres, e Emídio de Souza, do PT-SP.

    O primeiro discurso foi de Orlando Silva, que falou sobre a posição central do grupo na resistência ao impeachment. "O que nós construímos nesta semana é um indicativo forte de que nós não vamos desistir, da mesma forma como não desistimos na luta pelas escolas. Não é a primeira vez na história do Brasil que as elites afastam a Constituição para que a elite cumpra com seus interesses. Em um dos casos, levaram o Getúlio Vargas, no outro, afastaram pelas armas um presidente democraticamente eleito. Não é um golpe contra o PT, é um golpe contra todo o nosso projeto, e eles se utilizam de uma enorme máquina midiática, que tenta iludir o povo contra aqueles que o querem defender. Nesta fase, é fundamental que a gente aprofunde a denúncia contra o golpe e o que virá se o Michel Temer assumir a presidência. Eles escreveram o que querem implementar no Brasil, é a Ponte Para o Futuro! É aquele projeto dos anos 90, cujo Estado tem pouquíssimas funções e privatiza tudo o que existe de estrutura pública", disse. Fez uma breve análise, também, sobre os eventos semelhantes que ocorrem fora do Brasil: "Quero lembrar a todos aqui que o que acontece no Brasil é algo exclusivo do nosso país, mas de toda a América Latina. Essa luta não é apenas brasileira, mas dos os trabalhadores e trabalhadoras de todo o mundo".

    Por fim, falou das batalhas a serem travadas num possível governo Temer: "Muitos deputados já estão, desde o ano passado, tentando reduzir os programas de proteção social como o Bolsa Família, que é uma conquista e uma proteção fundamental para o desenvolvimento do Brasil. Eles querem universalizar também a terceirização e a flexibilização dos direitos trabalhistas, que será um imenso ataque aos trabalhadores. Mas esses aí que abraçaram o capeta conhecem agora o inferno da resistência popular, porque aqui no Brasil existem os movimentos organizados dos trabalhadores, dos estudantes, dos aposentados, das mulheres. Vamos lutar, e com muita energia, porque o que eles querem é criminalizar também os movimentos populares - no dia seguinte da votação do impeachment, já pediram uma CPI da Une e uma nova lei que flexibilize a contribuição sindical".

    O presidente do PT-SP falou sobre a estratégia de corpo-a-corpo que adotarão nas próximas semanas: "Nós precisamos cercar os golpistas até a votação no Senado, cobrar de cada um deles a postura de defesa da democracia. O Temer não aguentou um único dia de pressão, botou aqueles seguranças. Nós temos que cobrar especialmente a senadora Marta Suplicy, porque ela foi eleita por muitos dos que estão aqui, com o devido compromisso com a democracia. A nossa ação nas ruas, nos aeroportos, nas redes sociais tem que ser ainda mais intensa. A nossa unidade é o que tem encorajado as pessoas a irem às ruas e enfrentar a discussão. Nós temos que valorizar o papel dos artistas, dos intelectuais. Temos que reconhecer o público que se levantou durante a homenagem feita a Chico Buarque para dizer que não vai ter golpe, reconhecer o que o Zé de Abreu fez no Faustão. Porque o que vem depois disso, companheiros, é o ataque aos direitos individuais e civis e um ataque direto aos direitos dos trabalhadores". Fez também o devido reconhecimento do papel da Frente no combate pela democracia: "Estou satisfeito em dizer que o PT reconhece o papel da Frente Brasil Popular. Foram vocês que nos deram fôlego e capacidade de reação. Não tem preço o que está acontecendo aqui, e nós vamos enfrentar essa luta!".

    A Frente reafirmou que não aceitará o golpe tramado por forças antidemocráticas, antipopulares e antinacionais e conclamou os movimentos civis organizados a integrararem o tradicional 1º de Maio, Dia do Trabalhador e da Trabalhadora, no Vale do Anhangabaú, centro da capital paulista, a partir das 10h. A atividade deste ano terá um caráter de assembleia popular da classe trabalhadora, que tem se mobilizado contra o golpe em curso. Para isso, o ato será composto por um momento inter-religioso, seguido pelo político, com a presença de lideranças partidárias e dos movimentos sociais e sindical, e um outro momento com shows e atrações culturais.

    Estão confirmadas as participações de Beth Carvalho, Martinho da Vila, Detonautas, Chico César e Luana Hansen. Também haverá feira gastronômica, unidades móveis de atendimento, atrações para as crianças e outros serviços à população.

    Serviço

    1º de Maio – Assembleia Popular da Classe Trabalhadora contra o Golpe, na Defesa da Democracia e Por Nossos Direitos

    Quando: Domingo (1º de Maio), a partir das 10h

    Onde: Vale do Anhangabaú, em São Paulo (metrô Anhangabaú ou São Bento)

  • O cenário internacional, quanto aos direitos dos trabalhadores e das forças populares e progressistas, ainda não é promissor. Porém, já estamos sentindo uma brisa, um leve sopro de esperança de reação popular e democrática contra a onda de direita e neofascista que encrudesceu os povos e nações de várias partes do mundo.

    Esperança como foi o recente resultado eleitoral da Espanha, a resistência da Venezuela Bolivariana e a possível retomada de Kirchnerismo como alternativa de poder na Argentina. A conferir. Até o Trump, nos EUA, anda meio mal com sua desastrosa política protecionista, comprando brigas contra a China.

    Aqui no Brasil, desde a posse do presidente J. Bolsonaro, já encontramos sinais de resistência. A conduta política do atual presidente para dirigir uma grande nação como o Brasil é iníqua. Não tem preparo e não tem projeto para o povo. As forças da elite empresarial e financeira que o apoiou estão receosas com o futuro de seu mandato e já se mexem no sentido de uma possível interrupção do mandato presidencial.

    O maior motivo da esperança daqueles que lutam pelo progresso e pelos direitos sociais e trabalhistas foi a recente manifestação do segmento da educação brasileira nas ruas no último dia 15 de maio. Colocamos quase dois milhões de manifestantes nas ruas contra a política de educação de um presidente que tomou posse a menos de 6 meses. Professores, estudantes e trabalhadores entenderam que somente na rua podemos barrar esse desmonte orquestrado pelo presidente e seu desastroso ministro da educação.

    O dia 15 de maio foi um sucesso porque contou com a participação massiva daqueles envolvidos na educação e colocou em evidência o projeto de educação que o governo quer para os brasileiros e brasileiras. O 15M conseguiu dialogar com amplos setores da sociedade, ultrapassou o debate corporativo.

    O que JB pretende é piorar os já debilitados direitos sociais e trabalhistas. Aprofundar o desastre que foi o governo Temer. Este aprovou a Emenda Constitucional 95, que congelou recursos públicos, e implantou a reforma trabalhista, que enfraqueceu sindicatos e diminuiu direitos dos trabalhadores.

    O cenário mudou. Novas lutas estão no horizonte. O movimento estudantil, embalado com o 15M, já convocou para o dia 30 de maio novas jornadas em defesa da educação. O movimento sindical, puxado pelo fórum das centrais sindicais, convocou para o dia 14 de junho a Greve Geral contra a reforma da previdência do governo JB.

    Uma grande frente constituída ainda nos anos da resistência do golpe de 2016 contra a presidente Dilma Rousseff, a Frente Brasil Popular – FBP, convoca todos os movimentos sociais de caráter progressista, de defesa dos direitos sociais e trabalhistas, defesa da democracia e de defesa da soberania nacional para unirmos forças nessas duas datas vitais para o fortalecimento da resistência popular e democrática. Unidade e amplitude devem ser as palavras de ordem para as duas grandes mobilizações para o próximo período.

    Carlos Rogério de Carvalho Nunes – da CTB Nacional

  • Nesta semana em que a luta contra o golpe no Brasil ganha um capítulo decisivo, mobilizações contra o impeachment da presidenta Dilma Rousseff se intensificam em todo o País. Em Brasília, a Frente Brasil Popular organiza hoje (11) um Ato em Defesa de Democracia e Contra o Golpe, com concentração a partir das 16h, em frente ao Teatro Nacional.

    A manifestação ocorre no dia em que a Comissão Especial de Impeachment na Câmara, composta por 65 parlamentares, vota o parecer do deputado Jovair Arantes (PTB-GO), favorável à continuidade do processo de afastamento da presidenta. No entanto, seja qual for o resultado na Comissão, o caso segue para votação no plenário da Casa.

    As mobilizações contra o golpe, organizadas pela FBP, seguem até o dia da votação do impeachment pelo plenário, prevista para ocorrer no próximo domingo (17). Na sexta-feira (15) a Frente realiza uma Jornada Nacional de Mobilização contra o Golpe e no domingo, acontece uma Vigília pela Democracia, em todas as capitais do País e em Brasília.

    Para ser aberto à votação no plenário, o pedido de impeachment necessita de dois terços de votos (342) dos 513 deputados. Se for aprovado, o processo segue para análise do Senado.

    A CTB, entidade que integra a FBP, tem intensificado a luta contra o golpe, em defesa da democracia e dos direitos trabalhistas. Para o presidente da central, Adilson Araújo, "a classe trabalhadora é quem mais tem a perder se o golpe do impeachment não for barrado. As classes sociais e os políticos que estão por trás da campanha contra a presidenta Dilma e o ex-presidente Lula, a pretexto de combater a corrupção, têm por objetivo principal a destruição dos direitos sociais conquistados pelo povo brasileiro não só durante o governo Lula mas ao longo de toda história. Querem o fim da CLT", alertou Adilson, em artigo publicado no Portal CTB.

     

    Serviço

    Ato pela Democracia e Contra o Golpe

    Hoje, segunda-feira (11/04)
    Concentração às 16h
    Teatro Nacional, Brasília - DF

    De Brasília, Ruth de Souza - Portal CTB

  • A Frente Brasil Popular lançou uma nota de convocação aos movimentos populares de todo o país para o ato #OcupeBrasília que vai protestar diante do Congresso Nacional contra a proposta de reforma da Previdência (PEC 287/16) e o projeto de reforma trabalhista (PLC 38/2017).

    O ato é organizado pelo conjutno das centrais sindicais em parceria com os movimentos sociais representados pela Frente Brasil Popular. Confira a nota abaixo:

    "A batalha em defesa da aposentadoria e contra a reforma da previdência entra em fase decisiva na Câmara dos Deputados, principalmente entre os dias 22 e 24 de maio.

    É preciso aumentar a pressão em torno dos deputados e deputadas no próximo período e mobilizar todos e todas para ocupar Brasília no dia 24, data de votação da proposta no plenário da Câmara.

    Além disso, é fundamental que os comitês da Frente Brasil Popular se engajem na construção das agendas de agitação e propaganda, na construção de paralisações e mobilizações também nos Estados.

    A maioria da população brasileira está contra as reformas da previdência e trabalhista e é essencial que possamos mostrar que a proposta representa grave retrocesso aos direitos das trabalhadoras e dos trabalhadores arduamente conquistados.

    Vamos ocupar Brasília, as ruas, as redes e fazer atividades, panfletagens e mobilizar o povo brasileiro para juntos e juntas barrar essas maldades contra a classe trabalhadora.

    Só será possível vencer esse governo com a garra e a coragem do povo."

    #ForaTemer #DiretasJá #EmDefesaDaAposentadoria#24M #AposentadoriaFicaTemerSai

    Portal CTB

     

  • A festa da democracia promete ser boa. Trinta 30 artistas já confirmaram a participação no grande espetáculo Festival Lula Livre SP. Porque agora “é a vez de São Paulo cantar a liberdade”.

    O show “começa às 12 horas, na Avenida Paulista, centro financeiro de São Paulo, esquina com a Alameda Ministro Rocha Azevedo. Trinta artistas já confirmaram presença no evento realizado pela Frente Brasil Popular.

    Participam da festa por Lula Livre, Ana Cañas, Francis e Olívia Hime, Odair José, o bloco de carnaval Ilu Obá De Min, Flávio Renegado, Marcelo Jeneci, Dessa Brandão, Otto, Edgard Scandurra, Ianomanos, Renata Carvalho e quem chegar para gritar por liberdade.

    Saiba mais pela página oficial do Facebook do Festival Lula Livre SP.

    “Não nos conformamos com a decisão de enclausurar o principal líder político do país. Vamos cantar pela liberdade de Lula, pela democracia e por nosso país”, afirma a comissão organizadora do evento.

    Viverei, de Ana Cañas 

    O primeiro Festival Lula Livre aconteceu na praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, dia 28 de julho, com dez horas de shows para uma platéia estimada em mais de 80 mil pessoas, de acordo com os organizadores.

    “A organização do movimento cultural contra o golpe e os retrocessos é essencial para mantermos a chama acesa da luta pela liberdade do presidente Lula e pela volta da democracia”, afirma Ronaldo Leite, secretário de Formação e Cultura da CTB.

    Vou tirar você desse lugar, de Odair José 

    Em São Paulo, os artistas não deixam por menos e o espetáculo será como o do Rio de Janeiro, intermediado por textos sobre a trajetória do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, sobre o golpe de Estado de 2016 e contra os retrocessos que o desgoverno Temer trouxe ao país. Impossível perder.

    Serviço

    O que: Festival Lula Livre SP

    Quando: Domingo (16), das 12h às 18h

    Onde: Avenida Paulista – esquina com a Alameda Ministro Rocha Azevedo

    Portal CTB

  • A Frente Brasil Popular foi criada em agosto de 2015 por militantes de movimentos populares, sindicais, da juventude, negros, mulheres, LGBT, pastorais, partidos políticos, intelectuais, religiosos e artistas. Objetivo da Frente é o de enfrentar de forma unitária as forças conservadoras e golpistas que cresceram no esteio das Jornadas de Junho de 2013.

    O grupo propõe outra política econômica, de cunho progressista, para caminhar em direção às transformações estruturais modernizantes que o Brasil precisa. Também se propõe a defender as liberdades democráticas e os direitos civis, trabalhistas e sociais, com atenção à soberania nacional e à inclusão popular na política. Por último, defende o aprofundamento dos processos de integração latino-americana em curso, como a Unasul, a Celac e o Mercosul.

  • Em reunião nesta terça (29), o Coletivo Nacional da Frente Brasil Popular debateu conjuntura, avaliou os primeiros 29 dias do governo Jair Bolsonaro e aprovou convocação da 3ª Conferência Nacional, que ocorrerá nos dias 30 e 31 de março, na Escola Nacional Florestan Fernandes (ENFF), em Guararema, na Região Metropolitana de São Paulo, é um centro de educação e formação, idealizado pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).

    "A atividade contou com a participação de cerca de 100 militantes de todo o país e ao longo de todo o dia debatemos os últimos acontecimentos, o crime ambiental em Brumadinho e os desafios do país com a gestão Jair Bolsonaro", informou o Rogério Nunes, da direção nacional da CTB.

    Ele também realizou informes sobre a participação da CTB Assembleia Internacional dos Povos. "A ofensiva imperialista e de extrema direita ataca por todos lados. O Brasil tem grandes desafios frente a agenda de Bolsonaro. Além disso, a Venezuela também enfrenta forte pressão. Nossa participação está sendo construída a partir de intenso debate sobre a conjuntura internacional e regional, em especial, levando em conta o resultados das eleições de 2018 e os saldos do golpe de 2016”, acrescentou Nunes.

    whatsapp image 2019 01 29 at 12.36.40

    whatsapp image 2019 01 29 at 11.40.03

    Portal CTB

  • A CTB-MG propaga nesta quinta-feira (7) a mensagem do comando estadual da Frente Brasil Popular. Trata-se de uma mobilização-relâmpago para um ato contra a Rede Globo de televisão. Confira:

    "A Rede Globo é a principal porta-voz do Golpe de Estado que tentam consumar no Brasil. Mentiras, manipulação, partidarismo, escárnio com a inteligência do público.

    A emissora está por trás de todos os demais golpes na história recente do país: suicídio de Getúlio em 54, golpe militar contra Jango em 64 (que levou o país a mais de 20 anos de sangrenta ditadura), caso PROCONSULT na eleição para prefeito do RJ na década de 80, manipulação do debate presidencial em 1989 que proporcionou a vitória de Fernando Collor sobre Lula, entre outros.

    Sonegadores contumazes, estão a serviço do capital especulativo internacional. A Globo sempre esteve contra o Brasil! Basta!

    Por estes motivos, a Frente Brasil Popular- Minas Gerais convoca os mineiros para o ato Contra a Globo no dia 09/04. O ato será realizado em frente a Sede da Globo Minas (Av. Américo Vespúcio, 2045, Caiçara, Belo Horizonte.

    Haverá exibição de filme, projeção e transmissão ao vivo do Jornal Contra o Golpe."

    ato contra a globo fbp mg quadrado

    Da CTB-MG

  • A CTB-MG propaga nesta quinta-feira (7) a mensagem do comando estadual da Frente Brasil Popular. Trata-se de uma mobilização-relâmpago para um ato contra a Rede Globo de televisão. Confira:

    "A Rede Globo é a principal porta-voz do Golpe de Estado que tentam consumar no Brasil. Mentiras, manipulação, partidarismo, escárnio com a inteligência do público.

    A emissora está por trás de todos os demais golpes na história recente do país: suicídio de Getúlio em 54, golpe militar contra Jango em 64 (que levou o país a mais de 20 anos de sangrenta ditadura), caso PROCONSULT na eleição para prefeito do RJ na década de 80, manipulação do debate presidencial em 1989 que proporcionou a vitória de Fernando Collor sobre Lula, entre outros.

    Sonegadores contumazes, estão a serviço do capital especulativo internacional. A Globo sempre esteve contra o Brasil! Basta!

    Por estes motivos, a Frente Brasil Popular- Minas Gerais convoca os mineiros para o ato Contra a Globo no dia 09/04. O ato será realizado em frente a Sede da Globo Minas (Av. Américo Vespúcio, 2045, Caiçara, Belo Horizonte.

    Haverá exibição de filme, projeção e transmissão ao vivo do Jornal Contra o Golpe."

    ato contra a globo fbp mg quadrado

    Da CTB-MG

  • Em reunião realizada na noite desta quinta-feira (7), a Frente Brasil popular de São Paulo (FBP/SP) convocou ampla jornada de lutas. Na pauta, a mobilização geral da classe trabalhadora e dos movimentos sociais.

    O presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalahdoras de São Paulo (CTB/SP), Onofre Gonçalves, acentuou a centralidade do momento e a necessidade de unidade neste momento de encruzilhada que vive o Brasil. "A unidade e mobilização serão fundamentais para vencermos mais essa etapa. Barrar golpe, defender a democracia e pela retomada do crescimento são bandeiras para a CTB/SP", destacou ele. 

    Como resolução da reunião, Onofre informou que FBP/SP definiu  que no próximo dia 11 de abril (segunda-feira) haverá blitz nos principais aeroportos do Estado de São Paulo (Congonhas, Guarulhos, Viracopos, Ribeirão Preto). "Nossa meta é fazer coro aos deputados antes de embarcarem para Brasília e pressioná-los a votar contra o impeachment", destacou Onofre.

    Ele também informou que no próximo dia 15 de abril (sexta-feira) haverá atos espalhados por São Paulo, um "trancaço" simultâneo em conjunto com os movimentos da Frente Povo Sem Medo. A agenda desses atos será fechada próxima segunda-feira (11),  às 13h na sede da CTB Nacional, na Liberdade.

    A Frente também definiu a organização de um grande acampamento cultural, no Largo da Batata, pelo movimento de artistas contra o Golpe. Será mantido por uma semana, entre o dia 10/04 ao dia 17/04, e contará com uma vasta programação cultural e de artistas renomados.

    Além de todos esses movimento, a FBP/SP convoca todos e todas para grande vigília pela democracia e contra o golpe. O ponto de mobilização será a Caixa Econômica Federal da Avenida Paulista, às 21h, do próximo sábado dia 16/04, e durará até o final da votação do Golpe, no dia 17/04.

    Joanne Mota - Portal CTB

  • Sob as bandeiras de Nenhum direito a menos e Rumo à greve geral, centrais sindicais e movimentos sociais vão às ruas em todo o país contra as reformas trabalhista e previdenciária que, se aprovadas, irão promover um retrocesso histórico nas garantias e direitos das trabalhadoras e trabalhadores brasileiros.

    Confira o calendário das manifestações que ocorrerão nesta quinta-feira (22):

    Goiânia (GO) - Às 9hs, na Assembleia Legislativa do Estado de Goiás

    Campina Grande (PB) - Às 15h, na Praça da Bandeira

    Rio de Janeiro (RJ) - Às 17h, na Candelária

    São Paulo (SP) - Às 19h, no Masp

    Taubaté (SP) Às 8h, na Praça Dom Epaminondas 

    Campinas (SP) - Às 17:30h, no Largo do Rosário

    Curitiba (PR) - Às 18h, na Praça Santos de Andrade

    Natal (RN) - Às 18h30, na Via Direta Shopping

    Sergipe (SE) - Às 18hs, na Praça da Bandeira

    Cuiabá (MT) - Às 16hs, na Praça Ipiranga

    Vitória (ES) - Às 9h, na Assembleia Legislativa do Espirito Santo

    Fortaleza (CE) - Às 13h, na Avenida Duque de Caxias

    Juiz de Fora (MG) - Às 18h, no Parque Halfed

    Portal CTB

  • Representantes da Frente Brasil Popular e Povo Sem Medo estiveram reunidos nesta quarta-feira (20), na sede da CTB nacional, em São Paulo, para decidir sobre os próximos passos do movimento de resistência ao golpe em marcha no Brasil.

    Com a presença do presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil, Adilson Araújo, do presidente da Central Única dos Trabalhadores, Vagner Freitas, do coordenador do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto, Gilherme Boulos e de dezenas de representantes de diversas outras entidades, a reunião decidiu que os atos no Dia do Trabalhador - 1º de maio - serão unificados e de denúncia ao golpe que a direita tenta dar no país para atacar as conquistas da classe trabalhadora.

    "O objetivo é deixar claro que os trabalhadores e trabalhadoras não aceitam cortes em seus direitos e não reconhece nenhum governo que tome de assalto o poder, destituindo uma presidente eleita pelo voto popular", diz Adilson Araújo.

    Para ele, a resistência que tomou as ruas de todo o país, não pode parar. "Esse movimento tem que se fortalecer ainda mais e permanecer nas ruas para impedir retrocesso e fazer o Brasil avançar".

    Boulos questiona o que fazer diante de um "Congresso extremamente conservador como o que temos". Ele mesmo conclui que somente "nas ruas poderemos derrotar o golpe e impor uma agenda mais favorável aos trabalhadores".

    A reunião definiu a divulgação de uma declaração política conjunta das duas frentes para ser amplamente divulgada em todo o mundo, denunciando o golpe.

    Além disso, várias ações estão sendo planejadas, como bloqueio de estradas, panfletagens em grandes concentrações urbanas e todo o tipo de mobilização que possa mostrar que vai ter luta.

    "Neste 1º de maio, as duas frentes estarão mais uma vez juntas para construir unitariamente um Dia Nacional de Luta e mostrar aos senadores que nenhum governo ilegal e ilegítmo terá sossego neste país", afirma Adilson.

    Portal CTB

     

     

     

  • Os primeiros 23 dias do governo, a ameaça aos direitos e as liberdades e a Reforma da Previdência são alguns dos temas que nortearão as lutas nos primeiros meses deste ano do Coletivo Nacional da Frente Brasil Popular.

    Nesse sentido, a Frente Brasil Popular publicou nova circular indicando a realização, em São Paulo, de 3 reuniões organizativas nas próximas semanas.

    29 de Janeiro

     - Reunião do Coletivo Nacional da Frente Brasil Popular

    Conforme anunciado em circular anterior, a reunião ocorrerá na terça-feira (29), das 9h às 16h, na Sagrada Família (Rua Padre Marchetti, 237) no bairro do Ipiranga. Na pauta: aprofundar a leitura da conjuntura, apontar um calendário de lutas bem como debater a realização da III Conferência da FBP.

    - Reunião Nacional de Comunicadoras e Comunicadores da Frente Brasil Popular

    A reunião da Comunicação da FBP também acontece no dia 29 de janeiro, às 16h, na Sagrada Família (Rua Padre Marchetti, 237), logo após a reunião do coletivo nacional para tratar da seguinte pauta: a) Encaminhamentos da reunião do coletivo nacional; b) Encontro Nacional de Comunicação da FBP; c) Desafios Política Nacional de Comunicação da FBP.

    30 de Janeiro

     - Reunião do Comitê Lula Livre

    No dia 30 de janeiro, às 10h, ocorrerá o encontro do Comitê Nacional Lula Livre, no Auditório da APCEF, localizado na Rua 24 de maio, 208, 10º andar.

    O Comitê Nacional Lula Livre se constitui como um espaço político amplo, aberto e tem contado com a participação de personalidades representativas da intelectualidade, das igrejas, do meio jurídico e do mundo da cultural, além de articuladores da campanha nos Estados, integrantes dos comitês e dirigentes das mais de 80 organizações que compõem a Frente Brasil Popular.

    Portal CTB - Com informações da Frente Brasil Popular

  • “Nossa luta contra o governo golpista e seu programa para retirada de conquistas será implacável. Buscaremos a unidade e a mobilização das mais amplas forças populares, combatendo sem cessar, até derrotarmos a coalizão antidemocrática que rompeu com o Estado de Direito”, diz trecho da carta da Frente Brasil Popular divulgada nesta quarta-feira (31).

    A carta refere-se ao resultado da votação que decretou o afastamento definitivo da presidenta Dilma Rousseff, a primeira mulher eleita para o cargo no país. Com um roteiro traçado e esperado, o golpe foi consumado nesta quarta, com 61 senadores votando sim pelo impeachment, mesmo sem nenhum crime de responsabilidade comprovado contra ela.

    “Mais cedo do que pensam os usurpadores, o povo brasileiro será capaz de rechaçar seus planos e retomar o caminho das grandes mudanças", diz outro trecho da carta endereçada a Dilma.

    Clipe de "Apesar de Você", de Chico Buarque 

    Confira a íntegra do documento abaixo:

    Carta da Frente Brasil Popular:

    Companheira Presidenta

    Dilma Rousseff

    Primeiramente, como dizem as ruas, fora Temer!

    A maioria dos senadores brasileiros dobrou-se à fraude e à mentira, aprovando um golpe parlamentar contra a Constituição, a soberania popular e a classe trabalhadora.

    As forças reacionárias, ao interromper vosso legítimo mandato, impuseram um governo usurpador, que não esconde seu perfil misógino e racista.

    Atropelaram o resultado eleitoral, condenaram uma mulher inocente e sacramentaram o mais grave retrocesso político desde o golpe militar de 1964.

    Esta ruptura da ordem democrática materializa os propósitos antipatrióticos e antipopulares das elites econômicas, empenhadas em privatizar o pré-sal, as companhias estatais e os bancos públicos, além de vender nossas terras para estrangeiros, comprometendo a produção nacional de alimentos e o controle sobre as águas.

    Os golpistas querem, entre outras medidas, reduzir investimentos em saúde, educação e moradia, eliminar direitos trabalhistas, acabar com a vinculação da aposentadoria básica ao salário mínimo, enterrar a reforma agrária e esvaziar programas sociais.

    A agenda dos usurpadores rasga as garantias da Constituição de 1988 e afronta as conquistas obtidas durantes os governos do presidente Lula e o da companheira, com o claro intuito de favorecer os interesses das oligarquias financeiras, industriais, agrárias e midiáticas, aumentando seus lucros em detrimento dos trabalhadores e das camadas médias.

    Durante os últimos meses, ao lado da companheira, resistimos contra o golpe institucional por todo o país. Milhões de brasileiros e brasileiras participaram de manifestações e protestos, em esforço unitário para defender a democracia, os direitos populares, a soberania nacional e o resultado das urnas.

    A voz da companheira, em discurso de 29 de agosto frente a seus julgadores, nos representa. Ali se fez ouvir, com dignidade e audácia, a verdade sobre o golpe em curso, sua natureza de classe e sua ameaça ao futuro da nação, pois os usurpadores não escondem sua submissão aos centros imperialistas e buscam destruir a política externa independente construída a partir de 2003.

    Hoje a resistência apenas começa. Nas ruas e nas instituições. Nos locais de estudo, trabalho e moradia. Mais cedo do que pensam os usurpadores, o povo brasileiro será capaz de rechaçar seus planos e retomar o caminho das grandes mudanças.

    Nossa luta contra o governo golpista e seu programa para retirada de conquistas será implacável. Buscaremos a unidade e a mobilização das mais amplas forças populares, combatendo sem cessar, até derrotarmos a coalizão antidemocrática que rompeu com o Estado de Direito.

    Estamos certos de que a companheira continuará a inspirar e protagonizar a resistência contra o golpismo.

    Do mesmo lado da trincheira e da história, lutaremos até a vitória de um Brasil democrático, justo e soberano.

    Brasília, 31 de agosto de 2016

    Frente Brasil Popular

    Portal CTB

  • O Coletivo Nacional da Frente Brasil Popular (FBP) se reúne nesta segunda-feira (20), em São Paulo, para analisar a conjuntura política, com a provável presença do presidenciável do PDT Ciro Gomes e da filósofa Marilena Chauí.

    Além do debate, a FBP decidirá o calendário de lutas e a preparação de sua Conferência Nacional.

    “A frente tem atuado com firmeza para a união da classe trabalhadora com os movimentos sociais e partidos políticos democráticos para barrar o golpe da elite, aliada dos interesses estrangeiros no país”, diz Carlos Rogério Nunes, secretário de Políticas Sociais da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB).

    Ele explica que essa reunião é importante para que as mobilizações do novo calendário de lutas consigam abranger ainda mais setores da sociedade com o objetivo de “denunciar os prejuízos à nação com os projetos do governo golpista, diametralmente opostos aos interesses da maioria da população e do país”.

    Além dos temas já citados, os organizadores da FBP discutirão ainda a forma de preparar a greve geral e da marcha massiva programada para o dia 5 de agosto, na abertura da Olimpíada 2016, no centro do Rio de Janeiro.

    A pauta contém também o encaminhamento da preparação da Conferência Nacional da frente, programada para novembro. “Cada vez mais as forças democráticas entendem a necessidade de unir forças para vencer as ideias conservadoras veiculadas pela mídia golpista, que prega o pensamento único”, acentua.

    Além de ficar “patente a necessidade de ampliação dos horizontes culturais, aumentando assim o conhecimento da realidade”, diz Rogério. “Dessa forma poderemos intervir melhor e combater o neoliberalismo e o imperialismo com mais qualidade”.

    Para os organizadores da FBP, os últimos acontecimentos derrubaram a máscara do golpe, que tem a incumbência de acabar com a Operação Lava Jato e liquidar com os direitos sociais e trabalhistas conquistados nos últimos anos.

    “A Frente Brasil Popular tem o papel de aglutinar as forças que defendem um projeto de desenvolvimento voltado para os interesses da classe trabalhadora e que vise o permanente combate à desigualdade e às discriminações”, finaliza.

    Serviço:

    O que: Reunião Coletivo Nacional Frente Brasil Popular
    Quando: Segunda-feira (20), das 9h às 17h
    Onde: São Paulo, no Colégio Pio XI (Rua Pio XI, 1100 - Alto da Lapa)

    Portal CTB – Marcos Aurélio Ruy

  • A Frente Brasil Popular (FBP) fez uma reunião nesta segunda-feira (14) na sede nacional da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), em São Paulo. A proposta é definir o calendário de lutas, visando fortalecer a resistência às reformas do governo ilegítimo de Michel Temer.

    A CTB foi representada pelo diretor da Executiva Nacional Eduardo Navarro e pelo secretário de Políticas Sociais, Carlos Rogério Nunes. “É fundamental manter a chama da resistência firme e forte para barrarmos esse golpe que está liquidando com os direitos da classe trabalhadora”, diz Nunes.

    Calendário de Lutas:

    Jornada de Lutas da Juventude Brasileira - de 14 a 18 de agosto

    A FBP se incorpora à jornada de Lutas da Juventude Brasileira que está a todo vapor em defesa da educação pública e gratuita, pelo Fora Temer e por Diretas Já. A quinta-feira (17) ficou como o dia central de mobilizações.

    Dia Internacional de Solidariedade à Venezuela - 22 de agosto

    Diante da ofensiva imperialista sobre a Venezuela e a tentativa de desestabilização política do país, após o processo de instalação da Assembleia Constituinte, legitimada por mais de 8 milhões de eleitores, torna-se urgente a solidariedade internacional. Os movimentos populares em diversos países do mundo estão convocando o dia 22 de agosto como Dia Internacional de Solidariedade à Venezuela. A FBP se soma a essa iniciativa e orienta a organização de atos de solidariedade, na embaixada e nos consulados da Venezuela, ou de denúncia em órgãos de representação oficial dos EUA. Na ausência dessas representações os atos poderão ser construídos em locais de concentração popular.

    Jornada em Defesa da Soberania Nacional - 4 a7 de setembro

    De acordo com o nosso calendário, aproveitaremos a Semana da Pátria para realizar uma Jornada em Defesa da Soberania Nacional. O governo golpista vem promovendo o desmonte dos pilares estratégicos de uma nação soberana, através de ataques aos recursos naturais, da entrega do controle do pré-sal para as multinacionais, da desestruturação e privatização de estatais que atuam em áreas estratégicas, como a Petrobrás, os bancos públicos, do setor elétrico, entre outras medidas antinacionais.

    Calendário Geral

    14 a 18 agosto - Jornada Nacional da Juventude em defesa da educação pública e gratuita
    17 de agosto a 5 de setembro - Caravana da Esperança - Roteiro com o presidente Lula pelos nove estados do Nordeste, contra a retirada de Direitos.
    22 de agosto - Dia Internacional de Solidariedade à Venezuela
    24 a 26 de agosto - 4º Congresso Nacional da CTB - Salvador
    28 a 31 de agosto - Congresso da CUT - São Paulo
    4 a 7 de setembro - Jornada Nacional em Defesa da Soberania: Realizar atividades em defesa da Petrobras, das estatais, e denúncia da ação do capital estrangeiro nas terras, recursos naturais, transnacionais, etc.
    13 de setembro – Ato em Curitiba contra a perseguição ao presidente Lula, durante o segundo depoimento de Lula à Moro.
    3 de outubro – Aniversário da Petrobrás – Grande ato no Rio de Janeiro
    16 a 18 de novembro – Encontro da Jornada pela Democracia e contra o neoliberalismo em Montevidéu.
    8 a 10 de dezembro – 2ª Conferência Nacional da FBP

    Portal CTB

  • A Frente Brasil Popular, em sua seção baiana, divulgou circular na qual convoca suas bases para mobilizações nos dias 20 de junho e 2 de julho. O objetivo é fortalecer a greve geral do dia 30 de junho.

    Confira o texto na íntegra:

    O BRASIL VAI PARAR

    GREVE GERAL DE 24 HORAS NO DIA 30 DE JUNHO

    NÃO ÀS REFORMAS - DIRETAS JÁ

    O usurpador Temer, apoiado por ACM Neto, tem apenas 3% de aprovação. A aliança PMDB, PSDB e DEM jogou o país no caos, esfacelou a economia e está entregando nossas riquezas aos estrangeiros. O resultado é desemprego em massa, muita violência e corrupção. Mesmo desmoralizados na opinião pública os golpistas insistem em acabar com aposentadoria e com os direitos trabalhistas como fériais, 13º e FGTS. Não aceitaremos. No dia 30 de junho vamos repetir o sucesso da Greve Geral do dia 28 de Abril, quando o Brasil parou de norte a sul.

    Todos devem participar das assembleias de suas categorias e dos piquetes que teremos espalhados pela cidade. E a partir das 15h teremos PASSEATA com concentração no Campo Grande. Exigimos também eleições Diretas Já. 89% dos brasileiros querem votar para presidente como saída para a crise.

    20 DE JUNHO - DIA NACIONAL DE MOBILIZAÇÃO

    PASSEATA - 15H - SAÍDA DO CAMPO GRANDE

    Antes da Greve Geral faremos um dia de luta em todos os estados. Será o esquenta para a grande paralisação do dia 30/06. Além das manifestações de trabalhadores durante o dia tomaremos as ruas à tarde para dizer não ao fim da previdência e da CLT, e que não aceitamos o congresso mais corrupto da história eleger o próximo presidente. Somente um presidente com respaldo das urnas terá legitimidade para tirar o o país da crise.

    2 DE JULHO

    Na data da independência da Bahia manteremos o pique da mobilização e ocuparemos as ruas para levar as bandeiras do Fora Temer, Diretas Já e contra as reformas regressivas. Ponto de encontro: estátua de Maria Quitéria, às 8h.

    Frente Brasil Popular - Bahia

    12 de Junho de 2017

    Portal CTB

  • Lideranças da Frente Brasil Popular e da frente Povo Sem Medo se encontraram na tarde desta terça-feira (16) na sede nacional da CTB para planejarem um novo protesto unitário de alcance nacional. Sob a mediação do secretário de Políticas Sociais, Esporte e Lazer da CTB, Rogério Nunes, as duas frentes definiram o dia 31 de março para uma grande concentração em Brasília.

    "Não vai haver saída política popular para o Brasil sem ampla mobilização social", disse o líder do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST), Guilherme Boulos. "Esse Congresso está desgastado e desmoralizado. Estão querendo levar o impeachment, estão querendo cassar da chapa da Dilma pelo TSE, estão querendo novas eleições... esse Congresso não tem legitimidade nem autoridade moral para apresentar saídas políticas para o país. A nova saída política, pela esquerda, popular, que defenda a maioria do povo brasileiro, só vai ser construída com um amplo ciclo de mobilizações. É isso que nós queremos impulsionar com essa nova mobilização", continuou.

    Entre as discussões de conjuntura, definiu-se que a marcha girará em torno de cinco eixos unitários, de comum acordo de todos os movimentos que integram as duas frentes: contra a reforma da Previdência Social proposta ; contra o ajuste fiscal e o corte de gastos sociais; pelo afastamento do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha; em defesa do emprego e dos direitos dos trabalhadores; contra o impeachment da presidenta Dilma Rousseff. A expectativa da organização é de que o ato possa congregar até 100 mil pessoas na Praça dos Três Poderes.

    O grupo pretende liberar ainda nesta quarta-feira uma carta aberta com o detalhamento das pautas da Marcha a Brasília, além de informações sobre a organização do evento. O perfil da frente Povo Sem Medo no Facebook terá novas informações em breve.

    Portal CTB

  • Lideranças da Frente Brasil Popular e da frente Povo Sem Medo se encontraram na tarde desta terça-feira (16) na sede nacional da CTB para planejarem um novo protesto unitário de alcance nacional. Sob a mediação do secretário de Políticas Sociais, Esporte e Lazer da CTB, Rogério Nunes, as duas frentes definiram o dia 31 de março para uma grande concentração em Brasília.

    "Não vai haver saída política popular para o Brasil sem ampla mobilização social", disse o líder do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST), Guilherme Boulos. "Esse Congresso está desgastado e desmoralizado. Estão querendo levar o impeachment, estão querendo cassar da chapa da Dilma pelo TSE, estão querendo novas eleições... esse Congresso não tem legitimidade nem autoridade moral para apresentar saídas políticas para o país. A nova saída política, pela esquerda, popular, que defenda a maioria do povo brasileiro, só vai ser construída com um amplo ciclo de mobilizações. É isso que nós queremos impulsionar com essa nova mobilização", continuou.

    Entre as discussões de conjuntura, definiu-se que a marcha girará em torno de cinco eixos unitários, de comum acordo de todos os movimentos que integram as duas frentes: contra a reforma da Previdência Social proposta ; contra o ajuste fiscal e o corte de gastos sociais; pelo afastamento do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha; em defesa do emprego e dos direitos dos trabalhadores; contra o impeachment da presidenta Dilma Rousseff. A expectativa da organização é de que o ato possa congregar até 100 mil pessoas na Praça dos Três Poderes.

    O grupo pretende liberar ainda nesta quarta-feira uma carta aberta com o detalhamento das pautas da Marcha a Brasília, além de informações sobre a organização do evento. O perfil da frente Povo Sem Medo no Facebook terá novas informações em breve.

    Portal CTB

  • Em reunião realizada segunda-feira (1) dirigentes das Frentes Brasil Popular e Brasil Sem Medo decidiram intensificar a coleta de assinaturas para o abaixo-assinado contra a proposta de reforma da Previdência de Jair Bolsonaro. As lideranças também cogitam a realização de um ato no interior do Congresso Nacional em 10 de julho, bem como a realização de pressão nos aeroportos e nas bases dos parlamentares.

    Veja o que foi deliberado:

    1) Reafirmar as agendas discutidas na semana passada e sistematizadas no informe das centrais. Destaque espacial o ato unificado em Brasília no dia 12 de julho com a UNE.

    2) Reforçar, e muito, a coleta de assinaturas do abaixo-assinado até o dia 8 de agosto.

    3) Avaliar com estados importantes (SP, RJ, MG, entre outros) a possibilidade de convocar manifestação para o dia 10 de julho caso a votação se confirme.

    4) Reforçar divulgação nas redes sociais e fazer um ato dentro do Congresso Nacional no dia 10 de julho. Realizar pressão nos aeroportos e nas bases dos parlamentares.

  • Dirigentes das centrais sindicais e dos movimentos sociais estão intensificando os preparativos para a deflagração da greve geral convocada para 14 de junho, que a julgar pelas informações dos sindicalistas pode ser uma das maiores, ou mesmo a maior da história do movimento operário no Brasil. Faz parte desta mobilização a participação nos atos em defesa da Educação na próxima quinta-feira (30).

    O momento é de realização das plenárias estaduais. O Rio de Janeiro deu a largada ao realizar quarta-feira (22) uma reunião com a presença de dirigentes nacionais de todas as centrais sindicais e nada menos do que 70 presidentes de sindicatos locais, cabendo destacar as lideranças do setor de transportes.

    “Estou muito animado”, declarou o secretário-geral da CTB, Wagner Gomes, que esteve presente na plenária carioca. “A gente sente uma adesão crescente à convocação feita pelas centrais”, comentou.

    O compromisso dos sindicalistas ligados ao ramo do transportes de participar da paralisação é meio caminho andado para o sucesso da greve geral, convocada a princípio contra a reforma da Previdência de Bolsonaro, mas que agrega também a exigência de medidas emergenciais para amenizar a tragédia do desemprego e a defesa da Educação, contra os cortes anunciados pelo governo. Nesta quinta-feira ocorre uma plenária em Brasília para debater a mobilização.

    Frente Brasil Popular

    Solidários com as centrais e em luta contra a reforma da Previdência e o governo Bolsonaro, os movimentos sociais também estão mobilizados. A Frente Brasil Popular (que reúne entidades como UNE, MST, Ubes, Conam, CMP, entre outras) lançou nesta quinta-feira (23) uma nota intitulada “Às ruas contra os cortes na educação e em defesa da previdência, rumo à Greve geral”. Leia abaixo:

    A Greve Nacional da Educação do último dia 15 de maio mobilizou milhões de pessoas pelo país afora das capitais às centenas de cidades do interior do Brasil a partir da convocatória do movimento sindical da educação e dos estudantes.

    Foi a maior expressão até aqui da unidade política que viemos construindo no campo progressista de enfrentamento ao governo de Jair Bolsonaro e os ataques aos direitos e a soberania do país.

    A defesa da educação e da aposentadoria são nossas trincheiras prioritárias no próximo período para ampla mobilização do povo brasileiro que passa a ter que enfrentar também a recessão econômica.

    Por isso, convocamos a todas as entidades e movimentos sociais a endossarem a chamada para estarmos nas ruas novamente no dia 30 de Maio contra os cortes da educação, acumulando forças para uma grande greve geral no dia 14 de Junho em defesa da previdência e do Brasil.

    São Paulo, dia 23 de maio, Frente Brasil Popular.

  • Ao participar do 64º Conselho Nacional de Entidades Gerais da União Nacional dos Estudantes, O presidenciável do PDT, Ciro Gomes disse ao Portal Vermelho (ver abaixo) sentir até inveja do povo turco que saiu às ruas para defender a democracia e com isso reverteu a tentativa de golpe.

    “Vi mulheres tirando cinto e enfrentando baionetas, fiquei com muita inveja desse exercício de cidadania, claro que no Brasil tudo é diferente (...) mas a luta pela democracia e respeito à prevalência do voto popular, como único caminho de acesso à Presidência da República inspiradora é que deve nos orientar”, afirmou Ciro Gomes.

     Ciro Gomes diz que essa pode ser a última chance de a democracia vencer: 

    Já o advogado de defesa da presidenta Dilma, José Eduardo Cardozo, no mesmo evento disse que se o impeachment "fosse um julgamento normal, a absolvição já teria sido feita. No há acusações sérias contra a presidenta da República, proporcionado por setores golpistas que querem a afirmação de um projeto conservador para o país". 

    Resistência

    A presidenta Dilma atacou com firmeza os golpistas em ato promovido pela Frente Brasil Popular em Teresina, no Piauí, na sexta-feira (15). Nesta segunda-feria (18) ela estará na Universidade Federal do ABC, em São Bernardo do Campo (SP), proferindo uma palestra sobre educação, ciência e tecnologia, áreas estratégicas para o desenvolvimento do país, tão menosprezadas pelo desgoverno golpista.

    De acordo com a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), em depoimento exclusivo ao Portal CTB, a Comissão de Impeachment do Senado vota no dia 5 de agosto o processo de impeachment, e se aprovado, vai a plenário no dia 9. Para ela, há grandes possibilidades de o golpe ser enterrado nesse dia (saiba mais aqui).

    Portal CTB - Marcos Aurélio Ruy com informações do Portal Vermelho e do site da União Nacional dos Estudantes. Foto: Marcelo Casal Jr.