Sidebar

27
Qui, Jun

Globo

  • Viraliza na internet, um clipe com uma paródia da música “La Bomba” (“A Bomba”), dos Braga Boys e gravada pelo grupo É o Tchan.

    A paródia "Melô do Golpe" diz que “foi construída uma farsa sem igual’ e “a roubalheira prossegue”, porque “eles pensam que a gente é jegue”.

    Mas “ta na cara que isso é golpe”, “tomar o poder é golpe”, pior ainda, “para escapar de processo é golpe”. E “o Cunha é o chefe”.

    Afinal, “tudo o que passa na Globo é golpe”. Eles querem “que se exploda a nação”, então “é golpe”.

    Assista o clipe e morra de rir e ainda reflita sobre o humor dessa criação inteligente, porque impeachment sem crime de responsabilidade é golpe!

     

    Portal CTB

  • Alexandre Garcia, jornalista da Globo que foi porta-voz do general ditador João Batista Figueiredo, último carrasco do regime militar, não cansa de passar vergonha nas redes sociais.

     

    alexandre garcia elogia nazista que defendeu paris e leva invertida do consul da franca em sp 2018

     

     

     

  • Gleici Damasceno ganhou o prêmio de R$ 1,5 milhão na final do reality show Big Brother Brasil de 2018, nesta quinta-feira (19). A acreana de 22 anos, fã do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva – atualmente preso político do golpe de Estado de 2016 -, aproveitou o encontro com a família após deixar o confinamento e gritou em alto e bom som: “Lula Livre”. A emissora da família Marinho teve que engolir mais essa.

    Veja como foi o Lula Livre de Gleici Damasceno dentro da Globo 

    De acordo com a família, ela só ficou sabendo da prisão de Lula após deixar o confinamento de três meses. Como informa a mídia, Gleici é de origem humilde e por isso a jovem admira o ex-presidente por causa dos programas sociais de seus governos.

    Marcos Aurélio Ruy – Portal CTB. Foto: Reprodução/TV Globo

  • O rapper Mano Brown, do grupo Racionais MC's, da periferia paulistana, desabafou em show no Rio de Janeiro e disse que "enquanto a favela faz silêncio, a elite manipula". Para ele, o domingo (17) entra para a história como "o dia em que o povo se omitiu. O dia que a favela ficou quieta e fez silêncio e deixou eles tomarem o que a favela conquistou".

    O artista disse também que "agora nos últimos dias eu vi a população virar as costas pra Dilma". E complementa afirmando ter visto uma armação "dentro de uma televisão de terceiro mundo" E "o que é um país de terceiro mundo desinformado, onde uma televisão elege e derruba quem eles querem".

    Ele diz também que é mentira que São Paulo tenha uma maioria de italianos e japoneses. "Em São Paulo, a maioria da população é de preto".

    E essa população "tá usando tudo isso de droga: cocaína, maconha, balinha, lança-perfume, novela da Globo, Jornal Nacional, todas as drogas possíveis. Vamos chapar?", ironiza. "Vamos ficar doidão de Jornal Nacional, de William Bonner"...

    Leia mais aqui e   aqui.

    Assista o desabafo completo. Mano Brown, dos Racionais MC's adverte que a Globo faz mal à saúde:

     

    Ao mesmo tempo palhaços de todo o Brasil assinam Carta de Repúdio ao deputado federal Tiririca (PR-SP), que se diz palhaço, sem merecer tal designação. Leia o manifesto na íntegra:

    Carta de Repúdio ao deputado Tiririca por Palhaços e Circos Brasileiros

    Ao Excelentíssimo Senhor Tiririca
    deputado federal

    Senhor deputado,

    Nós, palhaças e palhaços profissionais, brasileiros e estrangeiros engajados na defesa da democracia do Brasil, manifestamos nossa mais completa insatisfação e repúdio em relação à postura e ao voto de V.Exa na votação do processo de impeachment do último domingo, 17 de abril de 2016.

    Como o senhor bem sabe, nossa profissão se baseia, acima de tudo, na verdade e na honra com a qual o artista se dirige a seu público.

    O que certamente nos diferencia do senhor, na atual situação de nosso país, é a coragem ética com a qual nós, ao contrário de V.Exa, lutamos pela consolidação da, ainda frágil, democracia brasileira.

    Sabemos perfeitamente que, em nosso sistema constitucional, não se pode derrubar um governo simplesmente porque não se concorda com sua política. É preciso que se prove a existência de crime de responsabilidade. E tal noção de crime, forjada do dia para noite, em uma Câmara cujo presidente é investigado na operação Lava Jato, arranha consideravelmente a legitimidade de um processo que se pretende honesto.

    V.Exa não quer, ou não tem interesse em observar esses fatos com isenção, honra e justiça. Daí nossa brutal e essencial diferença.

    Portanto, deputado Tiririca, trocando em miúdos: no último domingo, lamentavelmente, o senhor não representou os palhaços e palhaças profissionais, envergonhando aqueles que buscam honrar o seu ofício de levar alegria ao povo brasileiro.

    Assinam esta carta, as entidades circenses, os coletivos de circo e da palhaçaria e os artistas abaixo:

    COOPERATIVA NACIONAL DE CIRCO
    COOPERATIVA PAULISTA DE TEATRO
    HUGO POSSOLO E RAUL BARRETTO - PARLAPATÕES PATIFES E PASPALHÕES – SP
    FERNANDO SAMPAIO - CIA. LA MÍNIMA – SP
    ESIO MAGALHÃES E TICHE VIANNA - BARRACÃO TEATRO – SP – CAMPINAS
    FERNANDO YAMAMOTO - CLOWNS DE SHAKESPEARE – RN
    DAGOBERTO FELIZ E SUZANA ARAGÃO – FOLIAS D´ARTE – SP
    LILY CURCIO - SERES DE LUZ – SP - CAMPINAS
    VAL DE CARVALHO - COLETIVO SAMPALHAÇAS – SP
    PAULO FEDERAL - CASA 360 – ESPAÇO DE ARTE E BEM ESTAR – SP
    ANGEL BONORA JORDA - ESPAÑA.
    ANGELA DE CASTRO – INGLATERRA
    CLAUDIO CARNEIRO – CIRQUE DU SOLEIL
    IVAN PRADO – PORTAVOZ INTERNACIONAL DE PALLASOS EM REBELDIA
    DUO FINELLI - EUA
    ERIN LEIGH CRITES – EUA
    DANIELA BARROS – RJ
    VERA LUCIA RIBEIRO - AS MARIAS DAS GRAÇAS – RJ
    ESTUDANTES DO INSTITUTO DE ARTES DA UNESP
    FESTIVAL DOS INHAMUNS DE CIRCO, BONECOS E ARTES DE RUA - CE
    CIRCO ESCOLA LONA DA MARIA – CE – ITAPIPOCA
    MOVIMENTO POPULAR ESCAMBO LIVRE DE RUA - BRASIL
    ANEPS (ARTICULAÇÃO NACIONAL DE MOVIMENTOS E PRÁTICAS DE EDUCAÇÃO POPULAR E SAÚDE) – SC
    PONTO DE CULTURA GALPÃO DA CENA DE ITAPIPOCA – CE
    ASSOCIAÇÃO DE ARTES CÊNICAS DE ITAPIPOCA -AARTI- CE
    CIRCO GUARACIABA – SP - SOROCABA
    INSTITUTO HAHAHA - MG
    LONA BAMBA – SP
    FORÇAS ARMADAS - SP
    VERA ABBUD E PAOLA MUSSATI - CIA. PELO CANO – SP
    LUCIANA VIACAVA - CIA DO Ó - SP
    SILVIA LEBLON - NA COMPANHIA DOS ANJOS – SP – CAMPINAS
    CIRCO DI SÓ LADIES - SP
    CIA. CROMOSSOMOS – SP
    CIRCO DO ASFALTO – SP - SÃO BERNARDO DO CAMPO
    COLETIVO BASSUSSEDER - SP
    CIA VÔOS – SP
    ESQUADRILHA DA RISADA - SP
    CIA. DA REPRISE – SP
    EXÉRCITO CONTRA NADA – SP
    CLOWBARET - SP
    BANDO DE PALHAÇOS - RJ
    CIA. MARAVILHAS – PE
    CIA. HUMATRIZ - PE
    LAS CABAÇAS – PARÁ - BRASIL
    CIRCOVOLANTE - MG
    GRUPO OFF-SINA - RJ
    CIA DO SOLO - RJ
    NÚCLEO ARTÍSTICO GEMA - RJ
    CIA THEATRO EM CENA - MT
    COMPANHIA CÊNICA VENTURA - RN
    GRUPO TEATRAL NATIVOS DA TERRA RASGADA – SP - SOROCABA
    COLETIVO M´BOITATA – MS - DOURADOS
    CHARANGA MUTANTE - RJ
    CERVANTES DO BRASIL - CE
    BANDO LA TRUPE- RN
    CIA. CIRANDUÍS - RN
    CIA. ARTE E RISO DE UMARIZAL - RN
    CIA ARTE VIVA DE SANTA CRUZ - RN
    GRUPO CAFURINGA DE RECIFE - PE
    MOVIMENTO CHÁ, CAFÉ, PROSEADO - RN
    CENOPOESIA TRAK-TRAK - RN
    PALHAÇO GOURMET – PR
    CIRCO RODADO – PR
    COLETIVO MIÚDO – PR
    DONA ZEFINHA - CE
    CIRCOVOLANTE - MG
    PALHAÇO CUS-CUZ - JUNIO SANTOS - BRASIL
    CIA. GÊMEA - MG
    CIA. BALÉ BAIÃO - CE
    ARTE JUCÁ - CE
    COLETIVO VAGAMUNDO - RS

    Portal CTB com informações dos Jornalistas Livres e Portal Vermelho

  • Em uma atuação digna de prêmio a imprensa se finge escandalizada com a “descoberta” da corrupção, mas segue recebendo milhões de reais do delatado Michel Temer.

    É preciso admitir: a performance da mídia privada nacional é digna de um Oscar.

    É verdade que o roteiro não é nada original, mas a construção midiática da narrativa martelada cotidianamente por Globo, Folha, Estadão & cia – de que uma quadrilha de corruptos tomou de assalto o governo, como se nunca antes neste país houvesse qualquer tipo de corrupção – convenceu muita gente.

    Escandalizados, os porta-vozes desses veículos de comunicação iniciaram uma verdadeira pregação em defesa da ética e da moral. Se colocaram como defensores de uma depuração, de uma cruzada para dizimar os políticos corruptos.

    Neste processo, alçaram à condição de heróis da nação os “caçadores de corruptos”: o Juiz Sérgio Moro virou capa de revista semanal algumas vezes. “Ele salvou o ano”, “O Juiz vê mais longe”..

    Cada delação é tratada com estardalhaço. Na verdade, algumas cenas entram para o “filme”, outras ficam de fora, numa operação de edição cirurgicamente construída para dar sustentação à narrativa de que Lula, Dilma e o PT criaram o maior esquema de corrupção da história do Brasil.

    Mas eis que no meio do caminho surge o patriarca da família Odebrecht, Emílio.

    Intimado a depor sobre os esquemas de corrupção envolvendo a construtora e os governos Lula/Dilma, reitera que a corrupção não começou nos últimos cinco ou dez anos.

    Esse “esquema” já existe há pelo menos 30 anos. E pior, a mídia sempre soube de tudo e só resolveu falar sobre o assunto agora. 

    Emílio Odebrecht: “O que me surpreende é quando vejo todos esses poderes, até a imprensa, todos agindo realmente como se fosse uma surpresa. Me incomoda isso. Não exime em nada nossa responsabilidade. Não exime em nada nossa benevolência. Não exime em nada que nós praticamente passamos a olhar isso com normalidade. Porque em 30 anos, é difícil não ver isso como normalidade. (…) A imprensa toda sabia que efetivamente o que acontecia era isso. Por que agora estão fazendo tudo isso? Por que não fizeram há 10 ou 15 anos atrás? (…) A própria imprensa… Essa imprensa sabia de tudo e agora fica nessa demagogia. Eu acho que todos deveriam fazer uma lavagem de roupa nas suas casas”.

    Eu sei o que vocês fizeram no verão passado

    Não se trata aqui de defender a corrupção, muito menos os corruptos, mas de refletir sobre o papel que a mídia privada tem neste processo.

    Eles sabiam de tudo e não disseram nada. Não abriram o bico antes, porque resolveram falar agora? Pior, porque adotaram a postura de indignados, de escandalizados como se fosse uma terrível descoberta?

    Essas perguntas podem ser respondidas de várias maneiras.

    Começo lembrando como surgiram parte destes conglomerados midiáticos no país, dos compromissos históricos dos proprietários dos grandes meios de comunicação com a elite econômica, com um projeto político de redução de direitos sociais e trabalhistas, de privatização do Estado, de negação do protagonismo internacional do Brasil. É um bom caminho para começar a entender as posturas da mídia.

    Porque será que pós-impeachment a crise econômica praticamente sumiu dos jornais?

    Ficou famoso no segundo semestre de 2016 os memes nas redes do Apesar da crise. “O país voltou a crescer. Não fale em crise, trabalhe!”

    Os milhões de reais que já eram injetados na mídia privada, mesmo nos anos de Lula e Dilma, cresceram assustadoramente pós-impeachment, apesar da crise. Afinal, aprovou-se o congelamento dos gastos públicos com Educação e Saúde por 20 anos, mas nos meses de maio a agosto de 2016:

    Aumentou-se em 78% os pagamentos federais à Folha/UOL, comparando com o que foi gasto no mesmo período de 2015.

    As empresas da Globo receberam R$ 15,8 milhões de repasses federais (sem contar as estatais!), 24% a mais que no mesmo período do ano anterior.

    E a Abril que recebeu apenas R$ 52 mil nos quatro meses de 2015, contou com uma verba de R$ 380,77 mil nos quatro meses de 2016, um crescimento de 624%.

    Todos esses dados estão na tabela abaixo, com os números oficiais da Secretaria de Comunicação Social do governo:

    grafico publicidade

    E não parou por aí, não.

    No meio de um discurso de austeridade com os gastos públicos, de que é preciso reduzir direitos constitucionais que não cabem no orçamento, e percebendo que o terreno para a aprovação das Reformas da Previdência e Trabalhista é hostil, o governo Temer deu seguimento à sua “benevolência com a mídia”.

    No final de março desse ano, o governo anunciou o fim da desoneração sobre a folha de pagamento de 50 setores da economia.

    Apenas três segmentos mantiveram o benefício: a construção civil, transporte rodoviário de passageiros e transporte ferroviário/metroviário de passageiros e…. a comunicação.

    Para os dois primeiros pode-se argumentar que são áreas sensíveis da economia – uma para a geração de emprego e a outra para evitar um efeito cascata de reajustes impactando no combate à inflação.

    Mas e a Comunicação, qual a explicação para que este setor mantenha a desoneração da folha?

    A mídia privada continua recebendo uma enxurrada de dinheiro. O cheque polpudo mais recente foi para veicular a campanha de Temer em defesa da Reforma da Previdência. Acontece que a campanha é um verdadeiro abuso de poder e subverte o que determina a legislação de campanhas de interesse público, uma vez que a peça nem explica o conteúdo do projeto, só tenta convencer a população de algo.

    Me pergunto o escândalo que seria se Lula ou Dilma tivessem feito “campanha de interesse público” para defender a aprovação de alguma proposta do seu governo.

    Tudo isso só mostra que a postura de donzela enganada e escandalizada com a corrupção é bem encenada. Afinal, como pode estar indignado, revoltado e na caça dos corruptos; como pode criminalizar cotidianamente o diálogo entre empresas e governo federal e mesmo assim continuar recebendo somas estratosféricas do governo federal e de governos que estão nos top 5 das delações da Lava Jato?

    Como disse no início, esse pessoal, ó, merece um Oscar.

    Fonte: Mídia Ninja, por Renata Mielli, coordenadora-geral do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação e secretária-geral do Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé

  • As Organizações Globo, e em particular o Globonews, estão em estado de guerra a favor da reforma da Previdência proposta pelo ministro Paulo Guedes. Todo o seu exército de jornalistas e âncoras foi unificado em torno do tema. Pela emissora ecoa uma única voz, já não cabe o contraditório e apela-se para tudo, inclusive manipulação desavergonhada de pesquisas de opinião, para convencer o distinto público de que o Brasil não tem jeito sem a reforma.

    Foi o que ocorreu no noticiário da última segunda-feira (17) sobre a mais recente pesquisa Ibope acerca da percepção popular em relação à famigerada reforma. Os jornalistas se esforçaram para demonstrar que a pesquisa do Ibope indicava um amplo apoio popular à proposta do governo, embora o percentual de apoiadores (com ou sem restrições) alcança 44% em contraposição a 49% que são contra, o que foi descaradamente omitido pela emissora.

    É surpreendente que assim seja apesar da verdadeira lavagem cerebral que a mídia hegemônica, sob a liderança da Globo, vem promovendo com o objetivo de convencer a população sobre a conveniência da reforma, que na verdade reduz direitos e joga sobre as costas dos mais pobres o ônus da crise econômica. Em torno de 80% da economia de U$ 1 trilhão pretendida por Paulo Guedes serão subtraídos de trabalhadores e trabalhadoras do Regime Geral de Previdência Social (RGPS), em que o valor médio das aposentadorias é de cerca de R$ 1,3 mil.

    Uma abertura dos números mostra, no entanto, que apenas 19% se dizem completamente favoráveis às mudanças nas regras da aposentadoria apresentadas e 25% se dizem parcialmente a favor. Entre os que são avessos ao texto, 33% se dizem completamente contra e 16%, parcialmente. Ou seja, há uma folgada maioria contra a reforma, o inverso da imagem produzida pelos funcionários da família Marinho.

    A pesquisa foi realizada entre 23 e 27 de maio e soma 2.002 entrevistas, com margem de erro de 2 pontos porcentuais para baixo ou para cima. O levantamento tem abrangência nacional e escutou pessoas de capitais, periferia e interior.

  • Por Umberto Martins, editor do Portal CTB

    O portal de notícias da Globo (G1) destacou a cobertura da greve nacional da Educação e das massivas manifestações de protesto com as quais foram temperadas nesta histórica quarta-feira, 15 de maio de 2019. Mas procurou omitir uma informação fundamental, a de que o movimento, que teve o ativo apoio das centrais e dos movimentos sociais, foi originalmente convocado em defesa das aposentadorias e contra a reforma da Previdência do governo Bolsonaro, que é particularmente cruel com os educadores e, ainda mais, com as professoras.

    Não é preciso muito esforço para deduzir do comportamento dos jornalistas globais que houve uma determinação editorial muito clara neste sentido. Todos os âncoras e comentaristas do G1 sustentam a meia verdade de que as manifestações são exclusivamente contra os cortes no orçamento das universidades federais, que eles por sinal tentam amenizar e justificar, deixando de dizer que o alvo principal é a malfadada reforma. Um ou outro repórter não deixou de observar, ao vivo, que os manifestantes “também protestavam contra a reforma da Previdência”.

    A bem da verdade, seria imprescindível informar que a greve foi convocada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) em 20 de abril, antes do anúncio do bloqueio de verbas (em 30/4) que está estrangulando as universidades e comprometendo inúmeros programas científicos e sociais. A profunda indignação da categoria com a reforma da dupla Bolsonaro/Guedes, ansiada pelos banqueiros e rentistas, foi o grande motivo da mobilização, que progressivamente foi ganhando a adesão e o reforço de outras entidades da categoria, bem como dos estudantes, das centrais sindicais e movimentos sociais. Os cortes no orçamento da Educação contribuíram fortemente para ampliar o movimento.

    O jornalismo praticado pela Globo está longe de ter a objetividade e isenção que seus patrocinadores, sob o tacão da família Marinho, aparentam. O que ali se faz, com mais notoriedade em conjunturas de radicalização da luta de classes, é guerra ideológica e seus jornalistas têm que forçosamente aderir aos conceitos e opiniões da patroa. Quando ousam sair da linha, são calados e colocados sob censura, como ocorreu com Chico Pinheiro. É o que os críticos chamam de pensamento único.

    Este pensamento único transparece nas notícias sobre a Previdência. Aqui não há espaço para o contraditório, a reforma é o remédio miraculoso para todos os males do Brasil e ponto final, sem ela não teremos mais emprego, nem crescimento, nem serviços públicos. É este o cantochão entoado em uníssono por todos os profissionais da empresa, mesmo os que serão prejudicados pelas mudanças propostas por Guedes e Bolsonaro não devem pensar diferente e se, por acaso, pensarem não devem expressar opinião.

    Daí para a manipulação de fatos e notícias é menos que um passo. Há poucos dias, o jornal O globo fez uma leitura enviezada dos resultados de uma pesquisa para “informar” que “seis em cada dez brasileiros concordam com a reforma”, um Fake News, que uma análise mais detida do levantamento logo desmascara. Em relação à reforma da Previdência, a guerra ideológica tornou-se notória e nesta quarta-feira (15) se sobrepôs ao jornalismo.

    Queira ou não a mídia da família Marinho, que apoiou os golpes de 1964 e 2016 contra a classe trabalhadora, a greve nacional da Educação foi um grande “esquenta” para a greve geral convocada pelas centrais sindicais, com apoio dos movimentos sociais, para 14 de junho, que também tende a superar as expectativas e pode ser a maior e mais ampla greve da história do movimento operário brasileiro.

  • Após falar ao jornalista Florestan Fernandes e à colunista do jornal Folha de S.Paulo Mônica Bergamo, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva concedeu nova entrevista à imprensa, desta vez ao jornalista Kennedy Alencar, nesta sexta-feira pela manhã. O ex-presidente foi para a cadeia em abril do ano passado no âmbito da Operação Lava Jato após ser condenado sem provas no processo do triplex do Guarujá (SP), uma sentença contestada por vários juristas. Preso político, Lula continua recebendo solidariedade dentro do fora do Brasil. Alguns trechos serão exibidos hoje à noite no jornal da Rede TVNews e a íntegra será transmitida em primeira mão pela BBC.

    De acordo com o líder do PT na Câmara dos Deputados, Paulo Pimenta (RS), a entrevista que Lula havia concedido após mais de um ano preso teve "mais de 10 milhões de visualizações". "O El Pais, da Espanha, com este vídeo da entrevista, teve o vídeo mais visualizado de sua história", afirmou. Florestan integra a equipe do jornal espanhol no Brasil.

    O parlamentar aproveitou para bateR duro na principal emissora de televisão do País. "A Rede Globo, concessão pública, não faz nenhum registro (da entrevista de Lula). Não dedica um segundo para ao menos divulgar a matéria. Não se trata nem de gostar ou não do Lula, mas existe algo chamado interesse jornalístico. Será que toda a imprensa do mundo estava errada e a Globo estava certa? A Globo se dedica a ser porta-voz de interesses da Lava Jato", disse.

    "A Globo é uma das principais responsáveis pelo cenário que o Brasil está vivendo, pelo afastamento de Dilma, pela prisão de Lula, pela eleição de Bolsonaro, este governo de criminosos, milicianos, mentirosos, que expõem nosso País ao ridículo no cenário internacional", afirmou. "Vamos ver se eles vão continuar sendo covardes de omitir do povo brasileira tudo aquilo que o Lula tem dito".

    Censura global

    Jornalistas de diversos veículos da Globo confirmaram que houve uma orientação da direção da emissora para que não se repercutisse a entrevista dada pelo ex-presidente Lula na Polícia Federal, na última sexta-feira (26), em Curitiba, aos jornais Folha de S.Paulo e El Pais.

    A informação é da jornalista Cristina Padiglione em seu blog Telepadi, no UOL. “A recomendação chegou sem justificativas. Aos profissionais, apenas foi enfatizado, de forma verbal, que o assunto não deveria constar dos noticiários e que a emissora não tem interesse em pedir, ela própria, uma entrevista com Lula”, escreveu Padiglione.

    A entrevista foi destaque em todo o mundo, com reportagens de peso em veículos como como The New York Times, Washington Post, Le Monde, Le Figaro, Clarin, entre outros. Mas não foi mencionada por noticiário algum da emissora nem no portal G1 nem na GloboNews, seja em reportagens ou comentários de colunistas.

    “Na capa do jornal O Globo desta segunda-feira, o cartunista Chico Caruso faz a única menção ao fato, discretamente, só para entendedores do assunto, com uma charge de Lula dentro de uma cela, vestido com o figurino do Super Homem. Na entrevista, Lula disse que prefere morrer na cadeia a perder sua dignidade, a fim de provar sua inocência e desmascarar o ex-juiz Sérgio Moro”, registrou a jornalista.

    Ela chamou a atenção para o fato de que a censura da Globo foi adotada igualmente apenas pela TV Record, de Edir Macedo: “Apenas a TV de Edir Macedo, entre os veículos nacionais, acompanharam a Globo nessa decisão editorial de ignorar a entrevista do ex-presidente, lembrando que a Record é tratada por Bolsonaro como grande aliada, foco prioritário para as entrevistas do presidente”.

    Com informações do 247

  • Por J. Carlos de Assis, jornalista, economista e professor

    Imagine você num parque, sentado num pequeno banco de madeira. Chega um desconhecido e senta-se ao seu lado e começa a empurrá-lo para fora do banco até você cair. Certamente você ficará indignado. Mas é tarde. Agora você está fora e ele dentro. Assim é a reforma da Previdência de Paulo Guedes. O regime que ele quer impor, o da chamada capitalização, vai destruir progressivamente a Previdência pública, empurrando-a para fora de campo.

    A coisa vai funcionar assim, se a reforma passar. Os novos contribuintes da Previdência pública terão de optar entre ela e o novo regime. Na Previdência pública, além da contribuição do trabalhador, o patrão também tem que contribuir pelo dobro, em nome dele. Na previdência de capitalização, ou privatizada, só o trabalhador paga. Em conseqüência, o patrão vai preferir trabalhadores que optem pelo novo regime, descartando a Previdência pública, que será progressivamente eliminada.

    O truque é muito simples. Se for um novo trabalhador, o patrão simplesmente impõe a ele o novo regime de Guedes: ou ele o aceita ou não tem emprego. Se for um trabalhador antigo o patrão vai fazer as contas. Se representar economia, manda o trabalhador de INSS embora e o recontrata zero quilômetro. Nos dois casos, o trabalhador se vira para formar sua própria poupança, individualmente. Se somar 40 anos de contribuição, pode aposentar-se.

    O trabalhador no regime de Guedes, o regime da mentira, não terá acesso a vários benefícios do INSS. Seu fundo será como uma caderneta de poupança de alto risco: o administrador pode especular à vontade com o dinheiro dele e não terá responsabilidade sobre o valor da aposentadoria ou pensão quando se aposentar. Os exemplos no exterior do funcionamento desses fundos é que o valor dos proventos acabam sendo menos da metade da contribuição. Assim é no Chile, onde o novo regime foi imposto pela ditadura.

    Você pode achar que a aposentadoria ou pensão no regime atual do INSS não é lá essas coisas. Mas ela é infinitamente melhor que o regime proposto. Para milhões de pessoas, é a única fonte de sobrevivência na velhice. Como não há maldade que venha sozinha, pela reforma do Guedes – ou a reforma ao gosto do mercado - corta-se drasticamente o valor dos Benefícios de Prestação Continuada, como salário-mínimo para idosos (65 anos) e deficientes em situação de miséria.

    Voltemos ao início. A menina dos olhos da reforma do Guedes é o regime de capitalização, pois esse regime permite uma tremenda concentração de bilhões de reais em poucas mãos do setor financeiro à custa das contribuições de milhões de trabalhadores de baixa renda. Desde que a Previdência pública foi inventada poucas vezes se viu maior crueldade que essa com os pobres. Justamente por isso os ricos, banqueiros, grandes empresários estão calados, deixando Guedes e Rodrigo Maia fazer o trabalho sujo para eles..

    Entretanto, é pior o silêncio, ou o aberto apoio à reforma vindo sobretudo da grande mídia, visivelmente comprada pelo mercado. Vocês não verão na rede Globo, por exemplo, um debate honesto sobre a reforma que mostre os dois lados. É só o lado do governo que fala. E não é só Bolsonaro. Há uma clara aliança em curso do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, mais o presidente do STF, Dias Toffoli, no mesmo iníquo coro pró reformas do Governo.

    Nessa situação o único conselho que se pode dar ao povo é o seguinte: se informe sobre a reforma com especialistas independentes, na mídia alternativa, desinteressados de qualquer vantagem pessoal. E faça uma comparação equilibrada entre o regime previdenciário atual e o regime proposto por Paulo Guedes, o mentiroso. Não será difícil concluir que a demagogia do atraso não passa do maior embuste de todos os tempos na política social brasileira.

  • Na semana passada, o então ministro Gustavo Bebianno afirmou que havia falado três vezes com Jair Bolsonaro no último dia 12. No dia seguinte, Carlos Bolsonaro, filho do presidente, disse que isso era 'mentira absoluta'. Áudios agora divulgados mostram três mensagens por WhatsApp entre ex-ministro e o presidente. Parece que quem está mentindo nesta história não é Bebeianno, que foi exonerado segunda-feira (18) pelo presidente.

    Áudios divulgados nesta terça-feira (19) pelo site da revista "Veja" apontam que no último dia 12, quando ainda estava internado em um hospital em São Paulo, o presidente Jair Bolsonaro trocou pelo menos três mensagens de áudio de WhatsApp com Gustavo Bebianno.

    A demissão de Bebianno da Secretaria-Geral da Presidência foi anunciada na noite desta segunda (18), em razão da crise que se originou da suspeita de que o PSL, partido ao qual Bolsonaro e Bebianno são filiados, usou candidatura "laranja" nas eleições do ano passado.

    A revelação foi feita pelo jornal "Folha de S.Paulo". De acordo com a publicação, quando Bebianno presidia o PSL, o partido repassou R$ 400 mil a uma candidata a deputada federal de Pernambuco. Segundo o jornal, o repasse foi feito quatro dias antes das eleições, e ela recebeu 274 votos – Bebbiano nega irregularidades.

    Após a reportagem da "Folha", Bebianno negou em entrevista ao jornal "O Globo" que fosse o pivô de uma crise dentro do governo e acrescentou que, somente naquele dia, havia falado com o presidente por três vezes por mensagens de WhatsApp. Na ocasião, Bolsonaro ainda estava internado em razão de uma cirurgia.

    Após a publicação da entrevista, um dos filhos de Bolsonaro, Carlos, usou uma rede social para afirmar que Bebianno mentiu ao dizer que havia falado com o presidente. "Ontem estive 24h do dia ao lado do meu pai e afirmo: É uma mentira absoluta de Gustavo Bebbiano que ontem teria falado 3 vezes com Jair Bolsonaro para tratar do assunto citado pelo Globo e retransmitido pelo Antagonista”, escreveu Carlos Bolsonaro.

    Carlos, e depois o próprio Jair Bolsonaro, chegaram a divulgar um áudio no qual, segundo eles, o presidente diz a Bebianno que não podia falar com o então ministro. Mas os áudios revelados pela revista "Veja" mostram que Bolsonaro encaminhou três mensagens de áudio para Bebianno no dia 12, mesma data em que o ex-ministro disse ter falado "três vezes" com o presidente.

    Além disso, há entre os áudios outras dez mensagens trocadas entre Bebianno e o presidente nos dias seguintes.

      

    Confira as mensagens:

    Mensagens do dia 12

    Nas mensagens enviadas por Bolsonaro que, segundo a "Veja", foram trocadas no dia 12, o presidente trata de um encontro marcado por Bebianno no Palácio do Planalto com um representante da TV Globo e de uma viagem que o então ministro organizava para a Amazônia.

    Segundo a "Veja", Bolsonaro encaminhou a Bebianno uma mensagem com a agenda de reuniões do ministro no dia 12, com a previsão de que Bebianno receberia às 16h o vice-presidente de Relações Institucionais do Grupo Globo, Paulo Tonet Camargo. Ao receber a mensagem, segundo a "Veja", Bebianno respondeu: “Algo contra, capitão?”.

    A revista "Veja" diz que, depois de o ex-ministro insistir enviando algumas mensagens por escrito, Bebianno recebeu um áudio do presidente, em que Jair Bolsonaro declara que a Globo é uma inimiga e que, ao fazer contato com a emissora, Bebianno colocaria o presidente em posição delicada com "outras emissoras".

    Bolsonaro – “Gustavo, o que eu acho desse cara da Globo dentro do Palácio do Planalto: eu não quero ele aí dentro. Qual a mensagem que vai dar para as outras emissoras? Que nós estamos se aproximando da Globo. Então não dá para ter esse tipo de relacionamento. Agora… Inimigo passivo, sim. Agora… Trazer o inimigo para dentro de casa é outra história. Pô, cê tem que ter essa visão, pelo amor de Deus, cara. Fica complicado a gente ter um relacionamento legal dessa forma porque cê tá trazendo o maior cara que me ferrou – antes, durante, agora e após a campanha – para dentro de casa. Me desculpa. Como presidente da República: cancela, não quero esse cara aí dentro, ponto final. Um abraço aí.”

    Bolsonaro – “Gustavo, uma pergunta: “Jair Bolsonaro decidiu enviar para a Amazônia”? Não tô entendendo. Quem tá patrocinando essa ida para a Amazônia? Quem tá sendo o cabeça dessa viagem à Amazônia? Um abraço aí, Gustavo, até mais.”

    Bolsonaro – “Ô, Bebianno. Essa missão não vai ser realizada. Conversei com o Ricardo Salles. Ele tava chateado que tinha muita coisa para fazer e está entendendo como missão minha. Conversei com a Damares. A mesma coisa. Agora: eu não quero que vocês viajem porque… Vocês criam a expectativa de uma obra. Daí vai ficar o povo todo me cobrando. Isso pode ser feito quando nós acharmos que vai ter recurso, o orçamento é nosso, vai ser aprovado etc. Então essa viagem não se realizará, tá OK? Um abraço aí, Gustavo!”

    Nas demais mensagens reveladas pela revista "Veja", Bolsonaro fala com Bebianno a respeito da notícia da "Folha" sobre os supostos candidatos "laranja" do PSL e diz que "não vai dar certo" a tentativa de "empurrar" para o "colo" dele "essa batata quente", em referência ao assunto.

    Bolsonaro afirma ainda que essa suposta tentativa é uma "desonestidade e falta de caráter". Na resposta, Bebianno se defende e explica que ele não era o responsável pelas campanhas estaduais do PSL, e sim pela campanha de Bolsonaro.

    Na sequência do áudio, o ex-ministro afirma que Bolsonaro "está bem envenenado", e que, por isso, é melhor que os dois conversem "depois" pessoalmente. "A minha consciência está tranquila, o meu papel foi limpo, continua sendo", completou.

    Veja a íntegra das mensagens do dia 13 em diante:

    Parte 4 - Bolsonaro diz que Bebianno não falou com ele nenhuma vez no dia 12

    Bolsonaro – “O Carlos incitando a saída é mais uma mentira. Você conhece muito bem a imprensa, melhor do que eu. Agora: você não falou comigo nenhuma vez no dia de ontem. Ele esteve comigo 24 horas por dia. Então não está mentindo, nada, nem está perseguindo ninguém.”

    Parte 5 - Bebianno afirma que há "várias formas de se falar" e cita as três vezes em que trocou mensagens com Bolsonaro

    Bebianno – “Há várias formas de se falar. Nós trocamos mensagens ontem três vezes ao longo do dia, capitão. Falamos da questão do institucional do Globo. Falamos da questão da viagem. Falamos por escrito, capitão. Qual a relevância disso, capitão? Capitão, as coisas precisam ser analisadas de outra forma. Tira isso do lado pessoal. Ele não pode atacar um ministro dessa forma. Nem a mim nem a ninguém, capitão. Isso está errado. Por que esse ódio? Qual a relevância disso? Vir a público me chamar de mentiroso? Eu só fiz o bem, capitão. Eu só fiz o bem até aqui. Eu só estive do seu lado, você sabe disso. Será que o senhor vai permitir que eu seja agredido dessa forma? Isso não está certo, não, capitão. Desculpe.”

    Parte 6 - Bebianno relembra o presidente de episódios em que esteve ao lado dele e pergunta o que fez de errado

    Bebianno – “Eu só prego a paz, o tempo inteiro. O tempo inteiro eu peço para a gente parar de bater nas pessoas. O tempo inteiro eu tento estabelecer uma boa relação com todo mundo. Minha relação é maravilhosa com todos os generais. O senhor se lembra que, no início, eu não poderia participar das reuniões de quarta-feira, porque os generais teriam restrições contra mim? Eu não entendia que restrições eram aquelas, se eles nem me conheciam. O senhor hoje pergunte para eles qual o conceito que eles têm a meu respeito, sabe, capitão? Eu sou uma pessoa limpa, correta. Infelizmente não sou eu que faço esse rebuliço, que crio essa crise. Eu não falo nada em público. Muito menos agrido ninguém em público, sabe, capitão? Então quando eu recebo esse tipo de coisa, depois de um post desse, é realmente muito desagradável. Inverta. Imagine se eu chamasse alguém de mentiroso em público. Eu não sou mentiroso. Ontem eu falei com o senhor três vezes, sim. Falamos pelo WhatsApp. O que é que tem demais? Não falamos nada demais. A relevância disso… Tanto assunto grave para a gente tratar. Tantos problemas. Eu tento proteger o senhor o tempo inteiro. Por esse tipo de ataque? Por que esse ódio? O que é que eu fiz de errado, meu Deus?”

    Parte 7 - Bolsonaro diz que Bebianno tentou "pregar" uma nota em site

    Bolsonaro – “Ô, Gustavo, usar da… Que usou do Whatsapp para falar três vezes comigo, aí é demais da tua parte, aí é demais, e eu não vou mais responder a você. Outra coisa, eu sei que você manda lá no Antagonista, a nota (sobre Bolsonaro não atender Bebianno) foi pregada lá. Dias antes, você pregou uma nota que tentou falar comigo e não conseguiu no domingo. Eu sabia qual era a intenção, era exatamente dizer que conversou comigo e que está tudo muito bem, então faz o favor, ou você restabelece a verdade ou não tem conversa a partir daqui pra frente.”

    Parte 8 - Bolsonaro diz que é falta de caráter querer envolvê-lo em caso de candidata de Pernambuco

    Bolsonaro – “Querer empurrar essa batata quente desse dinheiro lá pra candidata em Pernambuco pro meu colo, aí não vai dar certo. Aí é desonestidade e falta de caráter. Agora, todas as notas pregadas nesse sentido foram nesse sentido exatamente, então a Polícia Federal vai entrar no circuito, já entrou no circuito, pra apurar a verdade. Tudo bem, vamos ver daí… Quem deve paga, tá certo? Eu sei que você é dessa linha minha aí. Um abraço.”

    Parte 9 - Bebianno nega que tenha vazado para a imprensa que tentou ligar para Bolsonaro

    Bebianno – “Capitão, a nota do Antagonista que o senhor tá me acusando de ter plantado… Se o senhor olhar bem, eu localizei aqui e mandei pro senhor. Eu não plantei nada. Ela replica o que a Folha falou. Está escrito aqui: “segundo a Folha, segundo a Folha, o ministro Gustavo Bebianno tentou ligar para Jair Bolsonaro neste domingo para explicar o caso, mas o presidente não atendeu”. Quem mencionou isso não foi o Antagonista, foi a Folha. O Antagonista simplesmente replicou. Então, capitão, eu não plantei nada em lugar nenhum, tá? Abraço."

    Parte 10 - Bolsonaro acusa Bebianno de ter vazado para a imprensa que tentou ligar para o presidente

    Bolsonaro – “Bebianno, olha como você entra em contradição. Que seja a Folha. Se foi uma tentativa tua pra mim e eu não atendi… Eu não liguei pra Folha, eu não ligo pra imprensa nenhuma. Quem ligou foi você, quem vazou foi você. Dá pra você entender o caminho que você está indo? E você tem que fazer uma reflexão para voltar à normalidade. Deu pra entender? Vou repetir: se você tentou falar comigo, um pra um, se alguém vazou pra Folha, não fui eu, só pode ser você. Tá ok?”

    Parte 11 - Bebianno nega novamente que tenha vazado para a imprensa tentativa de falar com Bolsonaro

    Bebianno – “Não, capitão, não é isso, não. Eu não tentei ligar pro senhor, eu não falei, não vazei nada pra ninguém. Eu nem tentei ligar pro senhor. O senhor mandou um recado que era pra eu não ir ao hospital. Não fui e não liguei pro senhor nenhuma vez. Deixei o senhor em paz. É… Se eu tentei ligar uma ou duas vezes, também não me lembro pelo motivo que foi, é… Não é isso, não, capitão, tá? Eu não vazei nada pra lugar nenhum, muito menos pra Folha, com quem eu praticamente não falo. Abraço, capitão.”

    Parte 12 - Bebianno nega envolvimento com escolha de candidata laranja

    Bebianno – “Em relação a isso, capitão, também acho que a coisa está… Não está clara. A minha tarefa como presidente interino nacional foi cuidar da sua campanha. A prestação de contas que me competia foi aprovada com louvor, é… Agora, cada Estado fez a sua chapa. Em nenhum partido, capitão, a nacional é responsável pelas chapas estaduais. O senhor sabe disso melhor do que eu. E, no nosso caso, quando eu assumi o PSL, houve uma grande dificuldade na escolha dos presidentes de cada Estado, porque nós não sabíamos quem era quem. É… Cada chapa foi montada pela sua estadual. No caso de Pernambuco, pelo Bivar, logicamente. Se o Bivar escolheu candidata laranja, é um problema dele, político. E é um problema legal dela explicar o que ela fez com o dinheiro. Da minha parte, eu só repassei o dinheiro que me foi solicitado por escrito. Eu tenho tudo registrado por escrito. Então é ótimo que a Polícia Federal esteja, é ótimo que investigue, é ótimo que apure, é ótimo que puna os responsáveis. Eu não tenho nada a ver com isso. É… Depois a gente conversa pessoalmente, capitão, tá? Eu tô vendo que o senhor está bem envenenado. Mas tudo bem, a minha consciência está tranquila, o meu papel foi limpo, continua sendo. E tomara que a polícia chegue mesmo à constatação do que foi feito, mas eu não tenho nada a ver com isso. O Luciano Bivar que é responsável lá pela chapa dele. Abraço, capitão.”

    Fonte: G1