Sidebar

25
Ter, Jun

Rodoviários

  • O presidente do CTB-Pará, José Marcos de Lima Araújo, publicou recentemente uma carta aberta na qual condena ações questionáveis da oposição no Sindicato dos Rodoviários de Belém. Desde que o sindicato decidiu se juntar à CTB, a entidade tem sido vítima de fraudes e difamação por parte de uma parcela que desejava permanecer filiada à CUT. Confira:

    "Em defesa da verdade!

    No Diário On Line de ontem (17/01/16), um pequeno grupo de Rodoviarios procurou o jornal Diário do Pará para divulgar uma mentira como se fosse verdade. Eles afirmaram que cerca de 300 trabalhadores rodoviários teriam se reunido na sexta-feira (15) para denunciar ao Ministério Público do Pará irregularidades dentro do Sindicato dos Rodoviários de Belém e no processo eleitoral da categoria.

    A que irregularidades eles se referem? Ainda nem existe processo eleitoral em curso na categoria. O que aconteceu foi uma assembleia geral dos rodoviários, realizada na sede do Sindicato, para decidir sobre a desfiliação do Sindicato da CUT e filiação à CTB - Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil.

    Interessante é que esse pequeno grupo esteve na assembleia e defendeu posição contrária à desfiliação da CUT e filiação à CTB. Foram derrotados em votação, já que eram apenas 3 (três) rodoviarios defendendo essa posição. Somente com muita cara de pau fizeram aumentar o número de 3 para 300. O vento fraco que abana esse grupo não permitiu que a categoria apoiasse sua tese e, procurando ganhar espaço na mídia, não se envergonham em mentir.

    Eles tentar criar factoides, já que a assembleia - repito - não tratou de eleição, mas da filiação à CTB. O evento foi convocado por edital publicado na imprensa de nossa terra e era do conhecimento daqueles senhores, que estiveram na assembleia e até elogiaram o presidente Altair por ter feito a convocação de forma pública e democrática.

    Outro absurdo é o da multiplicação de trabalhadores, já que eles eram 3 e depois divulgam que eram 300. Ora, se fossem 300, teriam ganho a votação na assembleia e não precisariam ficar no chororô. Uma coisa engraçada é que, na assembleia em que se debatia a desfiliação da CUT e filiação à CTB,  esses senhores da oposição se identificavam com uma terceira central sindical, que é a UGT, conforme publicado nos boletins distribuídos por eles nas garagens. O que parece é que eles querem tumultuar para judicializar o processo, que vai correr com toda tranquilidade e transparência, de acordo com o estatuto da entidade.

    Serão os trabalhadores e trabalhadoras que decidirão os rumos do Sindicato dos Rodoviários, e não a busca pelo tumulto, buscando fragilizar a entidade. É a categoria que decidirá pela permanência da entidade na trincheira de lutas em defesa dos direitos dos rodoviários no Pará.

    A CTB - Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil está junto com a direção do Sindicato e do companheiro Altair Brandão no combate à mentira e aos ataques covardes que vem sofrendo.

    Atenciosamente,

    José Marcos de Lima Araujo, presidente da CTB-PA"

  • Depois de cinco dias em greve, as trabalhadoras e os trabalhadores rodoviários da Grande Belém conseguiram uma grande vitória e encerraram a paralisação nesta segunda-feira (23). “Os rodoviários fizeram um movimento coeso e unido. Mesmo com a pressão feita pela Justiça do Trabalho, colocando entraves à realização da greve, a adesão foi de 100%”, conta Cleber Rezende, presidente da CTB-PA.

    Rezende explica que essa foi a primeira greve do Pará no contexto de implantação da reforma trabalhista, mas “a categoria se manteve firme" sob a direção dos sindicatos dos rodoviários do Pará e de Ananindeua e Marituba, "o que foi fundamental para a vitória”.

    O sindicalista ressalta o apoio de amplos setores da sociedade à greve, principalmente pelas adversidades colocadas pela Justiça do Trabalho e à falta de diálogo dos patrões. “A firmeza da classe trabalhadora impôs derrota inclusive ao governador Simão Jatene (PSDB) que jogou a polícia em cima dos grevistas no sábado (21), prendendo sindicalistas e ferindo vários trabalhadores”, diz.

    "É um momento histórico para a classe rodoviária. Conquistamos o nosso tão sonhado 'ponto biométrico', um anseio de décadas e que nenhuma outra gestão conseguiu realizar. Agora, o trabalhador irá registrar sua entrada, saída, horas extra e hora de intervalo, com máximo de segurança, garantido todos os direitos que o trabalhador precisa ter", disse o presidente do Sindicato dos Rodoviários do Pará, Altair Brandão.

    Os grevistas conquistaram a reposição da inflação sobre os salários, reajuste no vale alimentação e no auxílio clínica de 1,5% acima da inflação, nenhum desconto dos dias parados e principalmente a implantação do ponto biométrico em até seis meses em todas as empresas.

    O presidente da CTB-PA lembra que “a implantação do ponto biométrico é uma reivindicação antiga da categoria e vai auferir a real jornada de trabalho. Assim acaba os problemas com pagamento de horas extras”.

    Já Huelen Ferreira, presidente do Sindicato dos Rodoviários de Ananindeua e Marituba, afirma que “a repressão fortaleceu o movimento porque o movimento sindical como um todo se manifestou e a sociedade compreendeu as nossas reivindicações e apoiou”.

    Para ele, “essa greve mexeu com o povo paraense e mostrou à classe trabalhadora os efeitos nefastos da reforma trabalhista sobre os nossos direitos”. Enquanto Rezende conclui que “a greve deixou mais evidente que a unidade da classe trabalhadora pode derrotar o projeto neoliberal em implantação no país”.

    Marcos Aurélio Ruy – Portal CTB