Sidebar

23
Ter, Abr

YouTube

  • As maiores torcidas organizadas do Corinthians e do Santos dizem não a Bolsonaro

    Cresce a rejeição ao candidato da extrema-direita à Presidência da República, Jair Bolsonaro. A Gaviões da Fiel, do Corinthians e a Torcida Jovem do Santos divulgaram nota oficial contra a sua candidatura nesta quinta-feira (20). 

    As duas torcidas organizadas dos clubes paulistas prometem aderir às manifestações do sábado (29) contra o candidato, que acontece em todo o país. “Esses torcedores mostram que no futebol não tem apenas alienação", afirma Vânia Marques Pinto, secretária de Políticas Sociais, do Esporte e Lazer da CTB.

    "Há também uma vontade de ver o país voltar ao rumo do crescimento com criação de emprego e valorização do trabalho e respeito aos direitos humanos”, emenda.

    “É importante deixar claro a incoerência que há em um Gavião apoiar um candidato que, não apenas é favorável à ditadura militar pelo qual nascemos nos opondo, mas ainda elogia e homenageia publicamente torturadores que facilmente poderiam ter sido os algozes de nossos fundadores”, diz trecho da nota. A Gaviões promete lotar o Largo da Batata no sábado (29), em São Paulo (veja).

    Leia a íntegra nota divulgada pela Gaviões da Fiel aqui.

    Já a Torcida Jovem do Santos afirma que o “nosso repúdio a essa pauta extremista não apaga o olhar crítico que temos em relação ao cenário político em geral, tomando como referência a nossa postura histórica de combate aos retrocessos sociais. A opressão jamais irá vencer a nossa luta por liberdade dentro e fora dos estádios”. A torcida santista também garante presença no protesto contra o candidato do PSL.

    santos contra bolsonaro

    Leia a íntegra da nota da Torcida Jovem do Santos aqui.

    O candidato mais rejeitado em todas as pesquisas tem poucos votos no eleitorado feminino (52,5% do total de eleitores), por causa de seguidas declarações misóginas, racistas e LGBTfóbicas.

    Inclusive a página de Facebook Mulheres Unidas Contra Bolsonaro já ultrapassa a marca de 2,7 milhões de integrantes, mesmo tendo sido invadida por hackers defensores do candidato extremista.

    Para Vânia, “é muito interessante perceber que o apoio de alguns jogadores não se reflete nas torcedoras e torcedores, que pensam por si próprios e declaram-se contra candidato defensor da tortura, da violência e do ódio”.

    A campanha #EleNão ganha as redes sociais e as ruas com intensidade. Vânia argumenta que “são as mulheres, a população negra, os LGBTs, os indígenas, a juventude e a classe trabalhadora se posicionando contra um candidato que representa ainda mais retrocessos para a vida de todas e todos”.

    "As centrais sindicais e os movimentos sociais se contrapõem ao projeto representado por Bolsonaro porque traz mais recessão, mais desemprego, menos educação, menos esporte, menos cultura, menos saúde e menos direitos", define a sindicalista baiana.

    Marcos Aurélio Ruy – Portal CTB. Foto: Reprodução/YouTube

  • Bem amigos…o jogo da Seleção não vai passar na Globo!

    Vai ser o primeiro Brasil X Argentina que não será transmitido pela Rede Globo. TV Brasil e Facebook exibirão os dois amistosos da seleção que acontecerão nos dias 9 e 13 de junho, na Austrália.

    O casamento entre a emissora de televisão e a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) – que resultou num dos maiores monopólios midiático-esportivo do mundo – esteve inabalável por 4 décadas. Agora, a política, as novas tecnologias, e a busca por mais lucratividade são fatores que estremecem a relação entre ambas e podem abrir um novo capítulo na discussão sobre direito de transmissão de eventos esportivos no Brasil.

    O poder econômico da Rede Globo nunca abriu brechas para que outras emissoras de televisão pleiteassem a compra dos direitos de transmissão de campeonatos de futebol. A Globo, para não perder a sua força, comprava tudo – o que ia transmitir e o que não ia transmitir. Ou seja, eliminava qualquer possibilidade de concorrência e criava uma situação na qual a sociedade ficava completamente refém da emissora. A Globo impunha o jogo de futebol que a sociedade iria assistir na televisão. Isso teve impactos culturais, como o fato de ser o Flamengo o time de maior torcida nacional.

    Já em 2016 o monopólio da Globo nas transmissões de partidas de futebol começou a ruir com a entrada em campo do Esporte Interativo, que começou a fechar os direitos para transmitir jogos de campeonatos brasileiros da séria A, B e C a partir de 2019. Mas até então isso não resvalava na Seleção.

    O primeiro atrito entre CBF e Globo aconteceu no início de 2017, no amistoso entre Brasil e Colômbia para homenagear as vítimas da Chapecoense. A Globo não quis comprar o direito de transmissão do jogo pela bagatela de 2 milhões de reais. A CBF não gostou da “rebeldia” da parceira e decidiu abrir o sinal da partida.

    Depois disso, a Globo aguardava o leilão (bid) que a CBF faz para vender o “pacote” de jogos amistosos da seleção. Mas eis que a Confederação decidiu comercializar as partidas da Austrália de forma avulsa.

    Novos jogadores mudam as regras do jogo

    A blindagem da Globo para impedir que novos modelos de negócio envolvendo a transmissão de jogos chegassem no Brasil foi furada. Em outros países, a compra dos direitos e a divisão das cotas já envolve de forma mais direta os canais de TV por assinatura e, mais recentemente, serviços da internet entram na arena: Facebook, Twitter e YouTube.

    De um lado, clubes e confederações buscam diversificar a oferta e obter mais lucro com a comercialização das partidas. A CBF, inclusive, começa a investir mais na geração direta das imagens. Assim, pretendem arrecadar mais dinheiro com patrocínio e a venda do sinal para as emissoras que adquirirem o direito de transmissão.

    Para a Globo, se este modelo se consolidar será um desastre. Além de perder a hegemonia mantida até hoje, a emissora vai perder milhões de reais com a venda de publicidade de forma exclusiva para veiculação nos intervalos e durante os jogos.

    Tanto é que a direção da emissora já começa a fazer mudanças na equipe para tentar impedir que a Globo fique em desvantagem: deve entrar com tudo para garantir a compra dos próximos amistosos e das Eliminátórias no lote a ser colocado à venda pela CBF para o período de 2018 a 2022.

    Facebook está de olho nos cifrões do futebol

    A transmissão de jogos pela internet já começa a crescer. As parcerias que o Facebook tem firmado envolvem inclusive negociações com as emissoras detentoras dos direitos de transmissão.

    Mas há negociação feita diretamente com clubes e ligas. Em março, o Facebook fechou um acordo com a MLS, principal liga de futebol americano, para a transmissão de 22 jogos. Twitter também já tem parcerias com a NBA (basquete) e a NFL (futebol americano).

    A transmissão de eventos esportivos é um filão bilionário e é claro que Mark Zuckerberg está de olho nisso. Nós também temos que ficar de olho, porque a sociedade tem que aproveitar o novo ambiente digital como uma oportunidade para enfrentar o monopólio das transmissões.

    Não podemos deixar que apenas se troque um monopólio por outro.

    Renata Mielli é jornalista, coordenadora-geral do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação, secretária-geral do Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé e colunista da Mídia Ninja às quintas-feiras. Foto: Mídia Ninja.

    Os artigos publicados na seção “Opinião Classista” não refletem necessariamente a opinião da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) e são de responsabilidade de cada autor.

  • Para artistas, do jeito que está o país está perdido, então, “Xô, Vampirão”, Diretas Já é a solução

    Em uma reunião na casa da produtora cultural Paula Lavigne, no Rio de Janeiro, um grupo de artistas "homenageou" o presidente ilegítimo Michel Temer com dois sambas em favor das Diretas Já, na sexta-feira (23).

    Os vídeos postados no YouTube viralizaram na internet. Letícia Sabatella, Lúcio Mauro Filho e Janaína Diniz Guerra cantam versos improvisados, acompanhados pelos cavaquinhos de Xande de Pilares e Mosquito.

    Xô, Vampirão 

     “Xô, Vampirão” ironiza a viagem de Temer à Rússia. Lúcio Mauro canta “Vampirão foi lá pra Rússia/Mas ninguém deu atenção/Vladimir ficou ‘Putin’/e gritou Xô, Vampirão”. Já Sabatella emenda os seus versos dizendo que “eu queria entender se existe uma razão/ Que sustente a hipocrisia amedrontando a nação”.

    No samba “513, Fora Temer é o assunto”, o grupo de artistas manda um recado aos 513 deputados federais para aceitarem a denúncia contra Temer de corrupção passiva. “Desse jeito o bagulho tá doido e o nosso país tá perdido. 513, Fora Temer é o assunto”. Recado direto. Fora Temer e Diretas Já são os assuntos.

    513, Fora Temer é o assunto 

    Portal CTB - Marcos Aurélio Ruy

     

  • Wagner Moura detona a portaria do trabalho escravo de Michel Temer. Assista!

    O ator Wagner Moura detona pelo YouTube a portaria 1129/2017do presidente ilegítimo Michel Temer que modifica a definição de trabalho escravo no Brasil. “É gravíssima a situação", diz Moura.“O governo Temer, através do Ministério do Trabalho, baixou uma portaria absurda, surreal”, complementa.

    A situação é tão grave que a Organização Internacional do Trabalho (OIT) manifestou preocupação com essas mudanças feitas para angariar apoio da bancada ruralista no Congresso Nacional e manter apoio ao projeto de retrocessos desse governo.

    Com essa medida, "o Brasil deixa de ser referência no combate à escravidão que estava sendo na comunidade internacional", diz Antônio Rosa, coordenador do Programa de Combate ao Trabalho Escravo da OIT, no Brasil.

    A portaria de Temer estabelece a necessidade de cerceamento de liberdade para caracterizaa a escravidão. “Tira condição degradante e jornada exaustiva” da definição, reforça Moura.

    Veja como Wagner Moura detona a portaria do trabalho escravo 

    "Com essa proposta o governo golpista extrapolou todos os limites do bom senso e nos chama às ruas para barrar esse absurdo inpensável em pleno século 21", afirma Vânia Marques Pinto, secretária de Políticas Sociais da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB).

    Para ela, "esse projeto é tão nocivo à vida humana que nem os juízes do trabalho aceitam aplicar essa portaria e os fiscais prometem refeutá-la na prática". Já o ator baiano afirma que “tínhamos uma definição de trabalho escravo das mais modernas do mundo”. E agora retrocesso secular.

    Leia mais

    “Só temos a comemorar”, diz ministro Blairo Maggi sobre portaria do trabalho escravo

    Juízes do Trabalho repudiam mudanças no combate ao trabalho escravo

    Portal CTB – Marcos Aurélio Ruy