26
Ter, Set

Amazonas

A Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil no Amazonas (CTB-AM) realizou, na última quarta-feira (9), o ato político em apoio e solidariedade a Cuba. A ação faz parte da Campanha Internacional da Federação Sindical Mundial (FSM) inaugurada em 26 de julho.

Ato político em solidariedade a Cuba denuncia bloqueio e exige devolução de Guantánamo

A iniciativa contou com a presença de representantes dos movimentos de juventude, mulheres e partidos políticos solidários à ilha caribenha. O cônsul-geral de Cuba em Manaus, Túrcius Esquiavel, fez um levantamento histórico sobre a revolução e os desafios e ataques enfrentados.

A presidenta da CTB-AM, Isis Tavares, avaliou positivamente a ação. “Foi emocionante ouvir a história de Cuba e poder compartilhar o que realmente acontece lá”, disse a dirigente ao criticar a maneira como a imprensa retrata aquele país.

“Nestes 10 anos de CTB, a central sempre levou a solidariedade internacionalista como bandeira de luta”, sublinhou a sindicalista.

Também prestigiaram a atividades os cônsules da Venezuela e da França.

Portal CTB 

A Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil no Amazonas (CTB-AM) levará 17 delegados e delegadas para o 4º Congresso Nacional da CTB, que ocorre entre os dias 24 e 26, em Salvador.

“O nosso congresso coincide com os 10 anos da CTB, que nasceu num momento em que se deflagrou a crise do capitalismo a nível mundial”, diz Isis Tavares, presidenta da CTB-AM. “A nossa central assumiu um papel extremamente importante no sentido de unificar a luta com as demais centrais sindicais”.

Por isso, reforça ela, “o momento em que a CTB foi fundada, significou um grande esforço do sindicalismo classista, que nós defendemos, para combater essa crise mundial e defender os interesses de quem produz a riqueza e não vê o seu fruto”.

Tavares lembra ainda que nesses 10 anos, a CTB vem representando a classe trabalhadora contra os ataques do capital, acentuados no governo ilegítimo de Michel Temer. “Estamos completando 10 anos de muita luta e crescendo. Já somos a terceira maior central do país”.

Além disso, “as nossas estaduais também vêm crescendo, desenvolvendo a luta a nível local, nacional e até internacional”. Isso porque para a cetebista, “é importante reforçar a solidariedade internacionalista, uma vez que a conjuntura atinge a classe trabalhadora em todos os países, com esse avanço do neoliberalismo”.

Ela explica ainda que, a CTB fará o “congresso em meio a toda essa adversidade, principalmente no desmonte de direitos e conquistas da classe trabalhadora com as reformas trabalhista e a previdenciária”.

Enfim, acentua, “o nosso congresso será um momento de grande confraternização, de reafirmação de nossos compromissos com a luta pela melhoria de vida de todos e todas. Um momento de fortalecermos o combate às discriminações e aos preconceitos e às injustiças. E para avançarmos e reconquistarmos a democracia e a liberdade, Fora Temer e Diretas Já para que o povo possa escolher o destino do país”.

Portal CTB – Marcos Aurélio Ruy

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Amazonas (Sinteam), Marcus Libório, afirmou que vai cobrar do governo do estado as progressões dos servidores da Secretaria de Estado da Educação (Seduc). A declaração vem um dia após o governador em exercício, Flávio Pascarelli, anunciar a promoção dos policiais. “Abriu-se um precedente. Além do mais, nossa categoria tem um diferencial: verba própria proveniente do Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica). Então, não tem desculpa”, declarou.

Além de estar há três anos sem reajuste salarial, as progressões dos servidores da Seduc estão paradas. De acordo com Libório, pelo menos 1,5 mil trabalhadores estão com as progressões por título paralisadas. Em novembro, o número deve aumentar, pois vence o prazo para as progressões horizontais, conforme o Plano de Cargos, Carreia e Remuneração da categoria.

Ontem, o secretário de Educação Básica do Ministério da Educação (MEC), Rossieli Soares, representando o ministro da pasta, Mendonça Filho, anunciou em Manaus, que o Amazonas recebeu R$ 530,7 milhões do Fundeb.

Ainda segundo o secretário do MEC, pelo menos R$ 318 milhões (60%) desse total são destinados exclusivamente para pagamento de pessoal.

Mariane Cruz - Sinteam

Com 58,2% dos votos válidos, a Chapa 1 – A Luta Continua, da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil no Amazonas (CTB-AM) venceu, nesta segunda (10), a eleição para a direção do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Urbanas do Estado do Amazonas (STIUAM) no quadriênio 2017-2021. 

A chapa cetebista teve 717 votos contra 535 da Chapa 2. “Isso mostra o fortalecimento da CTB no estado e que o STIUAM está no rumo determinado pela categoria”, afirma Isis Tavares, presidenta da CTB-AM.

Os integrantes da chapa vitoriosa contam que as eleições ocorreram em todo o estado. “Houve maioria expressiva tanto na capital quanto no interior”, diz Edney Martins, presidente reeleito do STIUAM.

“O resultado mostra que estamos trilhando o caminho correto, o caminho da luta e da resistência aos ataques que a classe trabalhadora vem sofrendo em todos os níveis”, complementa Martins.

“A luta tem que continuar para barrar as ameaças aos nossos direitos”, complementa. “Vamos nos aprimorar para fortalecer cada vez mais o nosso sindicato”.

Portal CTB 

Um protesto contra a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) do Ministério da Educação (MEC) na abertura da audiência pública para discutir o documento chamou a atenção na manhã de hoje. Liderado pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Amazonas (Sinteam) e pela Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil no Amazonas (CTB-AM), o ato teve a adesão da plateia que gritou “Fora Temer” junto com os manifestantes.

A audiência pública é realizada pelo Conselho Nacional de Educação está sendo transmitida para todo o país. Manaus foi escolhida como sede da reunião na região Norte.

Além do protesto na abertura do evento, membros do Sinteam e da CTB entregaram um documento explicando os motivos de serem contra a BNCC do MEC. Entre eles estão a exclusão do ensino médio do debate e a desconsideração das modalidade de educação especial e de educação de jovens e adultos.

O documento também alerta para a privatização da educação, em que reduz o currículo das escolas públicas, investe na ‘desprofissionalização’ dos educadores e estimula o mercado de livros, apostilas e de métodos pedagógicos e de gestão escolar atrelados a conceitos de qualidade empresarial.

Assista o protesto 

Mariane Cruz - Sinteam

Hoje em Manaus acontece a primeira de uma série de audiências públicas regionais que o Conselho Nacional de Educação e MEC farão para legitimar o texto da Base Nacional Curricular Comum.

A CNTE e seus sindicatos afiliados realizam ato de protesto contra a forma como o governo golpista interferiu para atender interesses da iniciativa privada nos fóruns representativos como é o caso do Conselho Nacional de Educação e o Fórum Nacional de Educação.

A ação do governo tem resultado no impedimento da representação de trabalhadores/as da educação e indígenas, excluiu o Ensino Médio do debate da BNCC, que perde inclusive seu caráter de Base Nacional, uma vez que impõe conteúdos por idade/série como um manual que dialoga com a terceirização na educação pública, dentre outras questões igualmente graves.

"Não referendamos essa discussão, que vem no bojo do golpe e no caminho do desmonte da escola pública e da educação pública de qualidade", diz a presidente da CTB-AM, Isis Tavares.

Na audiência, foi distribuído a todas e todos presentes um manifesto do Sinteam apontando as graves arbitrariedades que vêm sendo cometidas pelo MEC desta governo ilegítimo.

Assista abaixo:

Portal CTB

 

O Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado do Amazonas (Sinteam) reuniu na tarde de terça-feira (4) com o Secretário Municipal de Finanças, Lourival Litaiff, para discutir a data-base dos trabalhadores em educação do município.

O presidente do sindicato, Marcus Libório, aproveitou para cobrar as promoções dos profissionais, que não estão acontecendo.

Outra rodada de negociação deve acontecer na próxima semana com a presença da Semed e da Semad. “Vamos analisar todas as probabilidades de reajustes, assim como as promoções dos trabalhadores. Na próxima reunião a prefeitura vai levar os números para verificarmos todos os cenários”, disse o presidente do Sinteam, Marcus Libório.

Fonte: Sinteam

A presidenta da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil no Amazonas (CTB-AM), Isis Tavares, afirma ao site D24am que diversas categorias aderiram à Greve Geral desta sexta-feira (30) contra as reformas da previdência e trabalhista.

Ela diz que os petroleiros, bancários, metalúrgicos, vigilantes, urbanitários, profissionais da educação e da saúde e muitos mais saíram às ruas de Manaus “para mostrar que o crime não compensa”.

Acompanhe a entrevista de Isis Tavares 

Isso porque “pessoas inocentes estão sendo punidas e pessoas com indícios de envolvimento com o tráfico de drogas estão soltas, numa inversão total de valores de boa parte do Judiciário, comprometida com o golpe de Estado que acabou com a nossa democracia”, acentua.

Mas “estamos nas ruas para barrar as reformas que acabam com os direitos da classe trabalhadora”, complementa. “Não à escravidão moderna”.

Portal CTB

As centrais sindicais, sindicatos e movimento sociais reuniram-se na quarta-feira (28) no Sindicado dos Metalúrgicos de Manaus para definir as ações para o dia nacional de Greve Geral. Em Manaus, a concentração para a atividade central da greve começa às 7h da manhã, na Praça da Saudade, no centro. Além da atividade conjunta, os trabalhadores realizarão atividades em suas bases durante todo dia. Algumas categorias já definiram pela greve no dia, como petroleiros, professores universitários, entre outros.

O movimento será prolongado, com o objetivo de atingir o máximo de trabalhadores durante o dia de greve e finalizará a partir de 16h, na Praça do Congresso, também no centro, dessa vez com apresentações culturais e novas manifestações das entidades presentes.

Programação:

Ato Unificado das Centrais Sindicais e Movimentos Sociais e Populares

6h - início da concentração com a chegada de dirigentes sindicais e de movimentos
7h - Início da concentração (Para divulgação massiva)
Local: Praça da Saudade - centro
» Intervenções das entidades, sindicatos, movimentos e organizações.
9h - início da caminhada
» Trajeto: Ferreira Pena, Leonardo Malcher; Epaminondas e 7 de setembro.
Final da caminhada na 7 de setembro com a Eduardo Ribeiro
16h - Ato cultural unificado
Local: Praça do Congresso
» Diversas atividades e intervenções culturais

Fonte: Sinteam 

Mais Artigos...