Sidebar

16
Dom, Jun

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

A subsede do Sintepp Xinguara - Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Pará realizou uma jornada de debates e proposições em defesa da educação pública e de qualidade social, na defesa dos direitos dos profissionais da área e da própria organização sindical, na sede do Sintepp Xinguara/Pará, na última quinta-feira, 11/04/2019.

Pela manhã a categoria iniciou os trabalhos, quando a coordenadora geral professora Maria Reis, abordou os temas de hora atividade, defasagem salarial dos secretários escolares, número de alunos por salas de aulas entre outros temas. A professora Maria Reis informou que o secretário municipal de Educação e Cultura, o senhor Vilmones da Silva, não atendeu o convite feito pelo Sintepp para participar da atividade e prestar os esclarecimentos e responder aos questionamentos dos trabalhadores em educação.

“Com ausência e nem justificativa do secretário Vilmones, os trabalhadores em educação, juntamente com a coordenação do Sintepp resolveram irem até a Semed para conversar e buscar respostas à pauta da categoria” disse a coordenadora geral do Sindicato Maria Reis. À serem recebidos pelo então secretário de educação, o mesmo solicitou do sindicato uma comissão para discutir sobre a hora atividade e agenda de reunião com os secretários escolares para estudo do caso, ficando as demais pautas a serem esclarecidas outro momento para a categoria.

Na parte da tarde, os trabalhos retomou com a participação do professor Cleber Rezende, presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil – CTB/Pará e membro da Coordenação Estadual do Sintepp, que abordou uma variedade de temas como conjuntura política, sindical e educacional, reforma da previdência, a MP 873, campanha salarial SEDUC/2019 e o pagamento dos precatórios do Fundef.

Cleber Rezende reforçou a necessidade de um trabalho conjunto do movimento sindical e a classe política para barrar a reforma da previdência, proposta pelo governo Bolsonaro, bem como esclareceu a conjuntura atual sindical e política, as medidas políticas e jurídicas contra a MP 873, a proposta do governador Hélder Barbalho, em propor abono em vez de pagamento do piso, reafirmando Rezende, que a pauta central é o piso e não o abono, bem como a necessidade da coordenação do Sintepp Xinguara ficar atenta aos repasses do precatório do Fundef, a necessidade de judicialização da matéria e buscar acordo com o executivo e sua homologação na justiça para o devido rateio aos beneficiários.

Márcia Pinheiro, diretora da CTB/PA, também contribuiu nos debates e ressaltou o importante trabalho realizado pela sindicalista a professora Maria Reis, em defesa da educação, dos alunos e em especial da categoria educacional de Xinguara.

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.