Sidebar

25
Seg, Mar

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Nesta terça-feira (27), em assembléia conjunta, mais de 100 mil servidoras e servidores públicos municipais de São Paulo, de acordo com o Fórum de Entidades, decidiram pela continuidade da greve que começou em 8 de março – Dia Internacional da Mulher.

“A força do movimento fez o prefeito recuar e aceitar a mudar alguns pontos do PL (Projeto de Lei) 621/2016, mas ele manteve a essência do projeto que é o de aumentar os descontos na folha de pagamento (de 11% para 14%, até mesmo para aposentados e pensionistas)”, afirma Claudete Alves, presidenta do Sindicato dos Educadores da Infância (Sedin) de São Paulo.

Por isso, diz a professora sindicalista, “continuaremos com os serviços paralisados até o PL 621 ser retirado da Câmara Municipal e o prefeito se dignar a dialogar”. Ela complementa afirmando que a “se nem a unidade do movimento e o apoio da sociedade sensibiliza o prefeito, nós mostramos que estamos firmes na luta”.

Mesmo com 20 dias dos serviços públicos municipais paralisados e inúmeras manifestações numerosas como as desta terça-feira (27), a maioria dos vereadores, atrelados ao prefeito João Doria (PSDB) votam o projeto que além de aumentar a alíquota do desconto, prejudica a aposentadoria das trabalhadoras e trabalhadores. A pressão valeu e a Câmara Municipal suspendeu a tramitação do PL 621/16 por 120 dias.

Leia mais

CTB leva apoio à greve dos servidores e servidoras municipais que entra no 20º dia

Greve de servidoras e servidores paulistas entra no 19º dia; assista ao recado de Sofia, 4 anos

“A CTB parabeniza as servidoras e os servidores públicos paulistanos por este movimento de resistência à reforma da previdência municipal que o Doria quer fazer a toque de caixa, para deixar o cargo e disputar o governo do estado”, diz Wagner Gomes, secretário-geral da CTB.

João Doria deve se desincompatibilizar no dia 6 de abril. Por isso, “pressiona sua base para aprovar rápido o desmonte da nossa previdência”, afirma Alves. “Não vamos aceitar mais esse embuste para aumentar os descontos em nosso salário e pagar o rombo que eles fizeram na previdência”, acentua. 

A próxima assembleia das servidoras e servidores está marcada para a terça-feira (3), às 13h, em frente à Câmara Municipal. Mas nesta quarta-feira (28) tem nova manifestação para denunciar à sociedade as manobras do prefeito para ludibriar a opinião pública.

Marcos Aurélio Ruy – Portal CTB

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.