Sidebar

16
Ter, Jul

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times
No congresso de fundação da CTB, em dezembro de 2007, aprovamos princípios e objetivos que norteariam a atuação da Central: Unidade dos trabalhadores e trabalhadoras; democracia representativa e participativa; independência de classe; solidariedade e internacionalismo; ética na política; combate à discriminação; emancipação das mulheres e dos negros; defesa de uma sociedade ética, fraterna e solidária – uma sociedade socialista; defesa dos direitos sociais; transparência; desenvolvimento sustentável e educação/formação.

A avaliação que fazemos sobre o princípio e o objetivo da educação/formação é que nesses dois anos de existência da CTB, demos passos no rumo de cumprir o que aprovamos em nosso congresso de fundação e reafirmado no 2º Congresso Nacional da Central, realizado em setembro deste ano. “A CTB concederá especial atenção à educação e formação da classe trabalhadora, indispensável à elevação da consciência social e consolidação de uma identidade classista, essencial à luta por uma sociedade sem explorados e/ou exploradores.”
 
Praticar um sindicalismo classista, unitário e democrático pressupõe um conhecimento do mundo do trabalho e conceber  como papel do sindicalismo a luta política, econômica e ideológica.

Para que essa concepção se concretize, é necessário atuarmos efetivamente na transformação profunda da sociedade. A formação político-sindical tem a pretensão de formar convicção entre os trabalhadores e trabalhadoras de que a relação capital e trabalho será sempre uma relação conflituosa e que a nossa luta será pela libertação do povo brasileiro do processo de exploração a que estão submetidos e as possibilidades viáveis de atuação classista.

Com esse entendimento, a Secretaria de Formação e Cultura acertadamente firmou convênio com o Centro de Estudos Sindicais - CES e promoveu cursos, seminários e palestras.

O curso básico – Origem e história do movimento sindical; concepções sindicais; transformações no mundo do trabalho e subsídios para se fazer uma análise de conjuntura foi realizado em 23 estados e no Distrito Federal, atingindo mais de 1620 companheiros e companheiras desse nosso imenso Brasil. O seminário nacional para a direção nacional da CTB e de Confederações e Federações teve a participação de mais de 80 dirigentes. Com a finalidade de formar um grupo de formadores da CTB/CES são realizados cursos com essa finalidade. Nos dias 24 a 29 de janeiro será realizado o segundo curso com os seguintes temas: O sindicalismo na América Latina; O Projeto de Desenvolvimento com valorização do trabalho e o socialismo; Planejamento Estratégico Situacional; Metodologia e Prática de Ensino: a Questão agrária além dos temas do curso básico. Esse curso envolve 60 formadores e hoje já temos em torno de 15 que já fazem parte do curso básico. Várias outras atividades foram realizadas em entidades de base. Portanto, a nossa avaliação é que esse trabalho de formação foi muito produtivo e que contribuiu para o crescimento e fortalecimento da CTB.

Exercer essa tarefa foi muito gratificante e só foi possível graças à compreensão da direção nacional  e estaduais da CTB  que abraçaram juntamente com a Secretaria de Formação e o CES, para enfrentar esse desafio: fortalecer entre os(as) sindicalistas a concepção classista no movimento sindical.

Os sindicalistas cetebistas deram resposta a esse desafio. Com uma prática consciente na atuação classista com objetivo de formar para organizar e organizar para transformar a sociedade em que vivemos numa sociedade socialista.  Essa atuação resultou no crescimento da CTB. A Central que mais cresceu no ano de 2009: mais de 63%. Mais responsabilidades teremos no próximo ano: fortalecer e consolidar a nossa Central. A luta pela unidade dos trabalhadores e trabalhadoras torna uma prioridade do movimento sindical.

Portanto, para defender nossa opinião classista, é necessário ampliar nossa atuação para melhor atender às demandas da formação, priorizando a formação contínua, quer seja dos militantes e dirigentes sindicais que há pouco tempo participam da atividade sindical, quer seja dos dirigentes mais experientes e que estão há mais tempo no movimento sindical e dos trabalhadores e trabalhadoras. Para tanto, precisamos cada vez mais compreender a importância da relação dialética entre teoria e prática, qualificarmos nas lutas concretas e dar continuidade ao processo de formação político-sindical como parte importante da luta classista por uma nova sociedade: socialista.

Mediante essa avaliação e a necessidade de formação contínua dos (as) classistas, é imprescindível que nessa gestão, a CTB dê um salto de qualidade na formação político-sindical não só dos militantes sindicais, mas também dos trabalhadores e trabalhadoras de um modo geral. Para isso propomos:

1.    Manter e ampliar o convênio com o Centro de Estudos Sindicais – CES;

2.    Formar mais professores e valorizar sua participação para que mais trabalhadores e trabalhadoras tenham condições de participarem dos cursos;

3.    Aperfeiçoar a grade curricular e temas para melhor atender as demandas;

4.    Reforçar  o debate sobre a questão do campo, abordar de forma mais sistematizada a questão de gênero, raça bem como políticas públicas e institucionais;

5.    Fazer convênio do CES-CTB com a CONTAG e FETAGs para melhorar o conhecimento dos sindicalistas cetebistas sobre a questão do campo;

6.    Fazer convênios com entidades sindicais, universidades públicas e centros especializados em formação político - sindical que possam contribuir com as atividades da CTB;

7.    Buscar patrocínios através de projetos para melhorar o financiamento da formação e cultura;

8.    Apresentar um planejamento sobre a questão cultural;

9.    Fazer estudo sobre a possibilidade de cursos a distância;

10.    Assessorar a direção nacional da CTB sobre assuntos de interesse da direção;

11.    Montar centro de memória da CTB;

12.    Estudar a possibilidade de criação da escola nacional de formação da CTB;

13.    Trabalhar conjuntamente com o Dieese e DIAP sobre assessorias;

14.    Realizar seminário semestral com os secretários de formação e presidentes estaduais sobre o projeto de formação  e cultura da CTB;

15.    Criar o Grupo de Trabalho da Secretaria de Formação e Cultura;


Celina  Alves Arêas
Secretária de Formação e Cultura -CTB

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.