Sidebar

23
Ter, Jul

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

A Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil – CTB – defende a realização de eleições livres e democráticas para restabelecer a normalidade institucional e a democracia em nosso país. A Central não apoia formalmente nenhuma das pré-candidaturas, mas não pode se omitir do tratamento dado à pré-candidata à Presidência da República pelo PCdoB, Manuela D’Ávila, no programa “Roda Viva”, da TV Cultura, de São Paulo.

Ferindo as normas mais elementares do bom jornalismo, essa emissora pública, que deveria ser exemplo de isenção, pluralismo e equidistância entre os partidos e os pré-candidatos, transformou o programa de entrevista em uma espécie de inquisição reacionária contra Manuela D’Ávila, com conteúdo marcadamente ideologizado pelo seu caráter antidemocrático e excludente.

Exemplo emblemático desse comportamento foi o convite a um assessor de um candidato de extrema-direita para integrar a bancada de entrevistadores. Valendo-se dessa condição e abusando de seu reacionarismo, essa figura não teve o menor pejo em impedir o livre debate de programas e ideias da pré-candidata, o que foi vergonhosamente acompanhado pela maioria dos entrevistadores.

A altivez, serenidade e clareza das intervenções da candidata se contrapuseram aos comentários conservadores e elitistas da banca de entrevistadores. Além de buscar desqualificar a pré-candidata pela sua condição de mulher, ficou claro para todos que assistiram ao programa o objetivo declarado de impedir que Manuela respondesse às questões formuladas e explicitasse os pontos essenciais de seu programa de governo. Em mais de 60 oportunidades a candidata teve sua fala cortada, de forma abrupta e desrespeitosa.

Esse malfadado programa de entrevistas, em outros tempos referência do bom jornalismo da TV brasileira, merece a condenação veemente de todos quantos lutam por um Brasil democrático, soberano e socialmente justo. Para chegar a esse patamar, o Brasil necessita de um padrão de civilidade em que, entre outras coisas, os direitos das mulheres sejam plenamente reconhecidos e assegurados e que práticas como a do último programa “Roda Viva” não passem de uma trágica lembrança que esperamos não se repita.

Por tudo isso, a CTB, por intermédio da sua Secretaria da Mulher Trabalhadora e de toda a direção da Central, se solidariza com a pré-candidata Manuela e deseja sucesso nessa nova tarefa que enfrenta com muita coragem ,talento e determinação. Mais do que nunca, precisamos inserir as mulheres na politica e lutar pela igualdade de gênero, na lei e na vida.

Grande abraço, Força Manu!

Adilson Araújo, presidente licenciado da CTB

Celina Arêas, secretária da Mulher Trabalhadora da CTB

 

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.