24
Ter, Out

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times
No terceiro dia do 1º Encontro Nacional de Trabalhadores dos Serviços Públicos, realizado em São Paulo, de 16 a 18 de abril, os trabalhadores e trabalhadoras das esferas municipais, estaduais e federal, iniciaram suas atividades com uma plenária para discussão e votação do relatório com o plano de luta da categoria.

Fátima dos Reis, secretária dos Trabalhadores em Serviços Públicos da CTB, chamou para compor a mesa dos trabalhos os companheiros João Paulo Ribeiro (JP), membro da secretaria nacional, Ivana Cabral, APLB Sindicato Bahia, Silvio Roberto dos Anjos e Silva, Sindsaúde Bahia e Igor Pereira, Assufrgs Porto Alegre.

Neste período de encerramento das atividades, os trabalhadores e trabalhadoras reunidos discutiram importantes assuntos que pautarão os rumos da luta da categoria para o fortalecimento do estado e valorização dos trabalhadores de serviços públicos. Os debates tiveram como tema os projetos apresentados pelos grupos de trabalho compostos por profissionais das três esferas.

Dentre as propostas apresentadas estão à defesa do concurso para contratação nos órgãos públicos, a luta contra a PEC 233, que versa sobre a reforma tributária e a efetivação de um plano de luta em prol da aposentadoria integral, tanto para os trabalhadores públicos e privados.

Apesar de o encontro ser voltado apenas para os trabalhadores e trabalhadoras dos serviços públicos, a inclusão da luta pela aposentadoria dos privados acontece por conta que a categoria busca um pagamento justo e humanitário aos aposentados, independente de setor, cargo ou função trabalhada, pois todos já deram suas respectivas contribuições para o desenvolvimento do Brasil.

Os planos de luta apresentados no encontro foram aprovadas por unanimidade. Contudo, Fátima ressaltou a que as propostas não podem ser lançadas apenas para a CTB nacional, as conquistas da categoria deve ter a participação, fundamental, das CTBs estaduais.

No encerramento Fátima agradeceu a participação, maciça, de trabalhadores de 15 estados e lembrou que, a CTB, ao realizar encontros como este, está cumprindo um importante papel para o sucesso democrático da luta classista defendida pela entidade.

Nomenclatura

Ficou definido durante o encontro, por aclamação, que o nome servidor seja substituído por trabalhador público.

O objetivo desta proposta é a de desmistificar a cultura que, se alonga desde os tempos feudais, onde o servidor é aquele que serve o seu senhor.

Em pleno século XXI, diversas lutas trabalhistas já foram conquistadas, contudo uma simples palavra é capaz de arremeter negativamente essa bela história da classe trabalhadora.

Segundo JP, a sociedade não pode mais continuar vendo o trabalhador concursado como uma pessoa que não trabalha. Somos um conjunto de uma importante categoria brasileira e, acima de tudo, fundamentais para o crescimento do país. “Essa iniciativa visa a mudar a forma com que a sociedade enxerga a classe trabalhadora do serviço público, pois somos todos trabalhadores e não podemos aceitar nenhum tipo de preconceito ou discriminação”, diz.

Por Fábio Rogério Ramalho – Portal CTB
0
0
0
s2sdefault
Em protesto contra nova lei trabalhista, movimento sindical prepara ato nacional     10 de novembro